s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 6 – As Relações das Proposições – CONJUNÇÃO (parte 2)

Trivium: Capítulo 6 – As Relações das Proposições – CONJUNÇÃO (parte 2)

Alexandre Gomes - Iscas Conhecimento -

As RELAÇÕES das PROPOSIÇÕES são quatro:

  1. Conjunção;
  2. Oposição;
  3. Inferência (edução)*
  4. Silogismo

* um aviso aos leitores que por acaso têm uma edição do Trivium da Ir. Miriam Joseph, há um erro de impressão que talvez confunda um pouco. No livro está escrito “dedução”. Ambas palavras têm o mesmo sentido, mas é bom avisar.

Cada uma das quatro relações das proposições demanda esclarecimentos detalhados, então teremos quatro lições distintas. Será um bimestre bem focado! heheheheheh

 

Conjunção:

É a meta (simples) junção de duas ou mais proposições.

A junção pode ser tanto EXPLÍCITA quanto implícita.

– Explícita: o telefone tocou, e João atendeu. (duas proposições);

– Implícita: o grande lago banhado pelo sol é tranquilo. (três proposições)

 

Conjunção não elaborada (simples) e Conjunção material:

 

Uma conjunção não elaborada viola a unidade requerida pela retórica para a frase, para o parágrafo e para toda a composição, enquanto a conjunção material é a base dessa mesma unidade.

Uma conjunção não elaborada JUNTA proposições que não têm relação em pensamento. Exemplo:

As cerejeiras estão em flor, e muitos estudantes estão matriculados em faculdades e universidades.

 

Uma conjunção material une proposições que TÊM relação real ou lógica, tais como as partes com o todo, de lugar, tempo, causa, efeito, comparação, contraste ou qualquer dos tópicos mencionados na lição anterior. Alguns exemplos destes tópicos:

 

  1. Tempo: uma relação temporal expressa por enquanto, antes, depois, então, etc.

            ex.: A criança adormeceu DEPOIS de sua mãe lhe ter dado o remédio.

       2. Causa: uma relação causal, expressa por porque, pois, uma vez que, consequentemente, logo, etc.

            ex.: O pai morreu, CONSEQUENTEMENTE, a mãe está criando os filhos sozinha.

        3. Efeito: um bom exemplo de desenvolvimento pelos efeitos, junto com a causa, é a descrição que Dante faz das portas do Inferno.

ex.:

                Vai-se por mim à cidade dolente,

                Vai-se por mim à sempiterna dor,

                Vai-se por mim entre a perdida gente.

 

                Moveu justiça o meu alto feitor,

                Fez-me a divina potestade, mais

                O supremo saber e o primo amor.

 

               Antes de mim não foi criado mais

               Nada senão eterno, e eterna eu duro.

               Deixai toda esperança, ó vós que entrais

Cabe aqui uma pequena exposição do sentido dos versos no que se refere ao assunto. Na primeira estrofe, é descrito o destino (Inferno) das pessoas perdidas (condenadas) e o que elas encontrarão nesse local: dor perpétua. Em seguida é descrita a origem, criação do Inferno: Deus, que assim o fez para dar destino aos condenados. E finalmente, na última estrofe, é dito que tanto a porta como o próprio inferno é eterno, havendo como conclusão para aqueles que ali entram, que nada mais que sofrimento que vai além do final dos tempos, nem a esperança poderá trazer consolo. Note que houve um desenvolvimento até essa conclusão trágica: primeiro se descreveu o que é aquele lugar, depois quem o criou e, por último, por quanto irá durar esse lugar.

Aqui peço desculpas a você, gentil leitora e caro leitor. Os próximos exemplos do livro são mais extensos e sua transcrição tornaria este texto mais cansativo que o normal. Seguirei agora para o tópico seguinte, pois acredito que os três exemplos acima já esclareceram o que é uma conjunção material.

 

Regras que Regem Valor na Conjunção de Proposições.

No Capitulo 5 (aqui) foi declarado que toda proposição DEVE SER VERDADEIRA OU FALSA, quer seja afirmada categoricamente como um fato ou modalmente como uma necessidade, ou ainda, como uma possibilidade. O que quer que seja provável deve, obviamente, ser possível.

Às vezes, porém, e com propósitos práticos, é desejável distinguir três valores: verdadeiro, possível e falso. As regras de conjunção lidam com esses três valores.

Regra 1: Uma CONJUNÇÃO de proposições é verdadeira APENAS quando TODA PROPOSIÇÃO ASSOCIADA é verdadeira.

Regra 2: Uma CONJUNÇÃO de proposições é falsa quando QUALQUER das PROPOSIÇÕES ASSOCIADAS for falsa. Reciprocametne, se ao menos uma proposição for falsa, a CONJUNÇÃO É FALSA.

Regra 3: Uma CONJUNÇÃO de proposições é provável SE PELO MENOS UMA das proposições associadas for meramente provável E SE NENHUMA FOR FALSA.

 

Ao aplicar estas regras, descobrimos que quando apenas duas proposições são associadas, há NOVE combinações de valor possíveis.

As regras estão resumidas na tabela abaixo, cuja legenda segue agora, para melhor entender a tabela:

X e Y simbolizam uma proposição cada,

1 simboliza veracidade

0 simboliza falsidade

.n simboliza probalidade

 

Regra Proposição X Proposição Y Props. X e Y

1

1 1 1

2

0 1 0

2

1 0

0

2

0 .n 0

2

.n 0 0

2

0

0

0

3

1 .n .n

3

.n

1 .n

3

.n

.n .n * .n

Perceba que a fórmula final da regra 3 mostra uma conjunção de proposições SÃO MERAMENTE PROVÁVEIS, sua conjunção TORNA-SE MENOS PROVÁVEL e mais verossímil, a qual está indicada pela fórmula “.n * .n”

Um pouco confuso? Vamos a um longo exemplo…

Se um corpo mutilado tem uma cicatriz triangular na canela esquerda, pode ou não ser o corpo de certo homem desaparecido, pois é VEROSSÍMIL que mais de uma pessoa tenha uma marca como aquela, MAS se também tiver os dedos dos pés palmados e uma cicatriz em forma de X resultante de uma cirurgia no ombro esquerdo, e se o homem desaparecido tivesse essas marcas, torna-se MENOS PROVÁVEL que o corpo seja de outra pessoa que não o homem desaparecido, pois é MUITO IMPROVÁVEL que essas três marcas peculiares** fosse aparecer combinadas em qualquer outra pessoa.

** 1) cicatriz triangular na canela esquerda; 2) dedos dos pés palmados e 3) cicatriz em forma de X no ombro esquerdo, por conta de  cirurgia.

Ficou claro agora? Espero que sim!

Aplicações Práticas da Conjunção.

a) Em um teste verdadeiro-falso, as regras de conjunção PRECISAM SER APLICADAS. Ou seja, se alguma das partes de uma declaração for falsa, toda a declaração deve ser tratada como falsa.

b) Ao calcular as chances (a probabilidade) de um político ser indicado candidato e vencer as eleições, e ao calcular a probabilidade de culpa de uma pessoa acusada de um crime, é possível aplicar os PRINCÍPIOS DA CONJUNÇÃO DE PROBABILIDADE.

c) É frequente que seja necessário distinguir claramente que PARTE de uma conjunção aceitar e que parte rejeitar. Muitos jovens que lerem o trecho a seguir concordarão com Perdita, da peça Conto de Inverno de Shakespeare, em que o amor verdadeiro resiste à adversidade.

Camilo – Ademais, é ventura, sabeis disso, o laço mais potente para o amor, cuja estrutura grácil e , por ela, também o coração, com a adversidade por demais se ressente.

Perdita – Uma de vossas proposições é certa: a adversidade pode influir nas feições, mas nunca pode vencer o coração.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes