s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

A armadilha

A armadilha

Luciano Pires -

E a Câmara dos Deputados desarmou uma armadilha que estava sendo colocada no caminho do Brasil: tornou explicitamente constitucional a doação de empresas privadas para partidos em campanhas eleitorais. Vou aproveitar parte de um texto que escrevi a respeito em 2013:

O raciossímio era o seguinte: quando os partidos recebem doações de empresas privadas ou indivíduos, fica muito fácil que gente má desvie o dinheiro para atender a interesses partidários ou pessoais, comprar favores, enriquecer, reforçar posições de poder e outras coisinhas mais. E, principalmente, os doadores de hoje são os cobradores de favores amanhã, provocando fraudes em licitações, venda de serviços e produtos superfaturados ou desnecessários e todo aquele cardápio da corrupção que já conhecemos.

Conclusão: se o dinheiro em vez de privado for público, a farra acaba.

Em 2014 tivemos pouco mais de 140 milhões de eleitores. Conforme o projeto do financiamento público de campanhas, que teve a mecânica publicada no site da Câmara dos Deputados em 2005, fiz um exercício simplório pra ver quando cada partido receberia. Olha só.

Em 2005 ficou definido que 7 reais por eleitor determinariam o valor total do fundo partidário a ser dividido. Mas isso era em 2005. Corrigido bem por baixo aqueles 7 reais, chegaremos hoje em 11 reais. Teremos então R$ 11 x 140 milhões de eleitores = R$ 1.540.000.000 (um bilhão e quinhentos e quarenta milhões de reais) compondo o tal fundo partidário para financiar as campanhas em ano eleitoral. 85% dessa bolada deveriam ser divididos proporcionalmente aos votos de cada partido. Vou colocar apenas os sete primeiros maiores partidos, com base nos votos que receberam nas últimas eleições. O valor é milhões de reais:

PT: 263; PMDB: 216; PSD: 134; PSDB: 127; PP: 119; PR: 95; DEM: 84.

O fato que o PT seria de longe o maior beneficiado com 263 milhões de reais é apenas coincidência, viu?

Resumindo: R$ 1,54 bi é o valor que sairia do nosso bolso para financiar as campanhas políticas dos partidos. Mas segundo publicado na imprensa, o total gasto nas campanhas de todos os candidatos a deputados, senadores, governadores e presidente em 2014 foi de R$ 5,1 bilhões.

Então vamos lá: 5,1 que foram gastos menos 1,54 do tal fundo partidário dá 3,56 bilhões. Essa é a diferença que os partidos teriam que buscar em algum lugar. E olhe que sou bobinho e considerei que aqueles 5,1 são expressão da verdade. Há quem garanta que somando os por fora a conta chegue nos 10 bi. Eu acredito nisso.

Hoje uma parte do financiamento de campanha é feita através de doações privadas e legais de empresas e pessoas. Mas é a menor parte. A maior parte, e o escândalo do Petrolão está aí para mostrar, é feita através de doações ilegais vindas de desvios de obras superfaturadas, doações de empresas por baixo do pano e nem quero pensar de onde mais. É aquilo que Delúbio Soares imortalizou como “recursos não contabilizados”…

Desenhando: viriam 1,54 bi de dinheiro público. As doações legais de empresas estariam proibidas. Doações de pessoas físicas continuariam permitidas. Se cada um dos 200 milhões de brasileiros doasse R$ 18 reais, os 3,56 bilhões seriam arrecadados, que tal?

– Ah, Luciano, mas as campanhas serão mais baratas!

É? Você acredita nisso? E se forem mais baratas, serão mais baratas quanto? 50%? 70%? A conta não fecha de jeito nenhum.

Pelo raciossímio dos que ainda defendem a proibição das doações privadas, nenhum partido ou candidato buscaria uma graninha extra com empresas interessadas em ajudar. Não fariam mais caixa dois e, depois de eleitos, não beneficiariam quem os ajudou a se eleger.

E assim acaba a corrupção. Seu idiota.

Ufa! Essa armadilha foi desarmada, mas fique esperto! Ainda há milhares pelo caminho.