s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 915 – O Homem Brinquedo
Café Brasil 915 – O Homem Brinquedo
A Inteligência Artificial é uma maravilha e está ...

Ver mais

Café Brasil 914 – Os canteiros de Cecília
Café Brasil 914 – Os canteiros de Cecília
Cecília Meireles deixou uma obra que transcende o ...

Ver mais

Café Brasil 913 – Tá ligado?
Café Brasil 913 – Tá ligado?
Na animação da Disney "A Bela e a Fera", de 1991, Bela, ...

Ver mais

Café Brasil 912 – Pobreza e Riqueza revisitado
Café Brasil 912 – Pobreza e Riqueza revisitado
Para que o Brasil estabeleça os requisitos básicos para ...

Ver mais

LíderCast 312 – Renata Silbert
LíderCast 312 – Renata Silbert
No episódio de hoje trazemos Renata Silbert, que tem ...

Ver mais

LíderCast 311 – Gus Erlichmann e Ariel Krok
LíderCast 311 – Gus Erlichmann e Ariel Krok
O episódio de hoje é especial, com dois convidados: Gus ...

Ver mais

LíderCast 310 – Estevan Oliveira
LíderCast 310 – Estevan Oliveira
No episódio de hoje temos Estevan Oliveira, que tem uma ...

Ver mais

LíderCast 309 – Sérgio Siqueira
LíderCast 309 – Sérgio Siqueira
No episódio de hoje temos Sérgio Siqueira, um ouvinte ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Os 30 anos do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Os 30 anos do Plano Real   Paulo Galvão Júnior (*) Luiz Alberto Machado (**)   1. Considerações iniciais É preciso sempre debater os destinos econômicos, sociais e ambientais de nosso ...

Ver mais

Releituras
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Releituras   “Quando um país é capaz de contar com as instituições preservadoras da autonomia individual (Estado de Direito e economia de mercado), de melhorar a qualificação de seus ...

Ver mais

Canadenses ganhadores do Prêmio Nobel de Economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Visão geral dos economistas canadenses ganhadores do Prêmio Nobel de Economia Paulo Galvão Júnior (*) Luiz Alberto Machado (**) Enquanto o Brasil, com população estimada de 203,0 milhões de ...

Ver mais

Temperatura e Calor
alexsoletto
Iscas Científicas
TEMPERATURA E CALOR Esse texto é baseado no livro de Robert L. Wolke, professor emérito de química da Universidade de São Pittsburg (EUA) “Lo Que Einstein  Le Contó A Su Barbeiro”.   Texto de ...

Ver mais

Cafezinho 613 – Baixe a bola? Eu não!
Cafezinho 613 – Baixe a bola? Eu não!
Pô, Luciano, nessa idade você já devia ter baixado a ...

Ver mais

Cafezinho 612 – Se o Facebook não protege as crianças…
Cafezinho 612 – Se o Facebook não protege as crianças…
Em 2021, Frances Haugen, ex-diretora do Facebook, vazou ...

Ver mais

Cafezinho 611 – O funk no busão
Cafezinho 611 – O funk no busão
Não é difícil comprovar que as pessoas, em geral, estão ...

Ver mais

Cafezinho 610 – Siga Los Pájaros!
Cafezinho 610 – Siga Los Pájaros!
As decisões triviais que tomamos podem ir muito além do ...

Ver mais

A aposta dos argentinos

A aposta dos argentinos

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

A aposta dos argentinos

“Milei herdou uma economia devastada pelo populismo, patrimonialismo e fisiologismo. Esse modelo peronista, assentado na tradicional fórmula da expansão do gasto público e no desequilíbrio fiscal só merece uma classificação: um desastre social.”

Prof. Eduardo Costa (UFPA)

Por uma diferença de aproximadamente doze pontos percentuais, superior ao que indicavam as pesquisas de intenção de votos, o libertário Javier Milei, da coalizão Liberdade Avança, venceu as eleições na Argentina realizadas dia 19 de novembro, revertendo a derrota que havia sofrido no primeiro turno para o peronista Sergio Massa, atual ministro da Economia, Desenvolvimento Produtivo e Agricultura, que liderava a coalizão União pela Pátria e era apoiado pelo presidente Alberto Fernández.

Com isso, o povo argentino optou por uma tentativa de experimentar algo novo ao invés de continuar com a desastrada política econômica populista e patrimonialista praticada pelo governo peronista que levou o país à atual situação que combina acentuado desequilíbrio fiscal, elevada inflação, uma taxa básica de juros (Leliq) astronômica, elevado desemprego, cerca de 40% da população sobrevivendo abaixo da linha da pobreza e mais de 10% em situação de indigência. Os números que se seguem, que mostram como Alberto Fernández recebeu o país e como o está entregando quatro anos depois falam por si só  falam por si só.

  • Divida                       US$ 35 bi               US$ 447 bi
  • Risco país               767                            2.400
  • Inflação                   34,28%                    138%
  • Taxa de juros        45%                           133%
  • Dólar                        ARS 38                    ARS 358
  • Pobreza                   9,70%                       40%

Além do desgaste provocado por tal situação, contribuíram para a vitória de Milei os apoios da candidata Patricia Bullrich, terceira colocada no primeiro turno, e do ex-presidente Mauricio Macri.

Com seu estilo agressivo Milei manteve durante toda a campanha eleitoral uma narrativa que, no plano político, sustenta o combate à corrupção e, no econômico, o combate violento à inflação e a retomada do crescimento econômico por meio de medidas como a redução do tamanho do Estado, a dolarização da economia e o fim do Banco Central.

Considerando o estilo agressivo de Milei e o aparente radicalismo de suas propostas, surgiram imediatamente algumas análises e comparações que merecem desde logo uma serena reflexão.

Vou tentar resumi-las em três grupos:

  1. A dolarização é uma proposta irresponsável e não deveria sequer ser considerada: Aos que sustentam tal posição, sugiro a leitura do livro Dolarización: una solución para la Argentina. Escrito por Emilio Ocampo (principal candidato a ministro da Economia de Milei) e Nicolás Cachanosky, professores de respeitadas universidades na Argentina e nos Estados Unidos, o livro é extremamente sério e divide-se em cinco seções. Na primeira, “Breve história da inflação na Argentina”, detalha como se deu o processo inflacionário em cinco diferentes momentos: 1810-1899, a calamidade do papel moeda; 1900-1942, uma estabilidade inédita; 1943-1955, perdendo o rumo; 1956-1991, caminho para a hiperinflação; e 1991-2001, da conversibilidade ao populismo. Na segunda, “Causas e efeitos da inflação”, os autores explicam porque com a inflação não há possibilidade de progresso, a estreita relação na Argentina entre inflação e populismo e a anomia fiscal e monetária. Na terceira, “Experiências internacionais relevantes”, depois de uma breve introdução sobre a ilusão da moeda própria, são examinados os casos do Panamá, que convive há mais de um século com o dólar; da Espanha, cuja integração ao Euro foi uma política de Estado conduzida por José María Aznar; do Equador, que adotou a dolarização há pouco mias de 20 anos; de El Salvador, que depois de dolarizar a economia está experimentando a transição para o bitcoin; e, por fim, o complicado caso do Zimbábue. Na quarta, como o próprio título indica, são consideradas “As vantagens e desvantagens da dolarização”, em que os autores reconhecem algumas das principais desvantagens da dolarização, embora afirmem boa parte dos seus efeitos negativos já estejam presentes na economia argentina sem a dolarização. Na quinta, “Um projeto de dolarização para a economia argentina”, Ocampo e Cachanosky discorrem sobre reformas monetárias na era do dinheiro digital, afirmam que a economia argentina já está informalmente dolarizada, apontam como dolarizá-la oficialmente, sugerindo que a chave está na reforma bancária. A conclusão é peremptória, “Reforma ou decadência”.

 

  1. Milei é de ultradireita e se assemelha a Jair Bolsonaro: Em meu livro Viagem pela economia, apresento o quadro que se segue sobre as ramificações do pensamento econômico liberal contemporâneo[1]. No referido quadro, procuro agrupar as escolas ou vertentes do pensamento econômico em determinadas correntes (contratualista, evolucionista, monetarista e nova economia clássica) que possuem um núcleo de ideías mais ou menos comum.

Javier Milei enquadra-se na corrente evolucionista, no limite entre a Escola Austríaca, que tem em Friedrich Hayek seu maior expoente, e a Escola Libertária, na qual se destaca Murray Rothbard.

Como bem observou o fundador do Instituto Mises Brasil, Helio Beltrão, em entrevista para o jornal O Estado de S. Paulo: “Qualquer pessoa que conhece um pouco de liberalismo, libertarianismo e anarcocapitalismo sabe que não tem nada a ver com ultradireita. O ultradireitista defende o nacional-desenvolvimentismo, com forte interferência do Estado na economia, e neste aspecto é muito parecido com o que a gente vê a esquerda defender no Brasil. O ultradireitista também é contra o casamento gay e a favor da proibição das drogas. O Milei não é nada disso”.

Sobre se assemelhar a Jair Bolsonaro, vejo profundas diferenças, a começar pela adesão ao liberalismo econômico. Embora tenha escolhido e mantido um ministro da Fazenda com profundas convicções liberais como Paulo Guedes, Bolsonaro por diversas vezes deixou de apoiar propostas de seu ministro por absoluta falta de convicção. Além disso, Milei não tem qualquer identificação com os militares. Recorrendo uma vez mais a Helio Beltrão, ”se o Milei conversar mais de meia hora com o Bolsonaro vai descobrir que ele é nacional-desenvolvimentista, militarista e não gosta de privatização”.

  1. Milei, a exemplo de Mauricio Macri, não conseguirá promover alterações significativas na política e na economia argentinas: Embora tenha declarado seu apoio a Javier Milei no segundo turno, Mauricio Macri está muito distante do presidente eleito no espectro político-ideológico. O que os aproxima é o fato de se oporem às tradicionais práticas do peronismo, notadamente no que se refere à aliança com os sindicatos e à falta de preocupação com o equilíbrio fiscal. Macri, porém, jamais defendeu ideias ou propôs políticas públicas semelhantes às defendidas por Milei. Em suma, ouso afirmar que enquanto Milei é um adepto assumido do libertarianismo ou anarcocapitalismo, Macri possui um perfil de centro-direita, que se aproxima do posicionamento de sua ex-ministra de Segurança, Patricia Bullrich, a quem apoiou no primeiro turno.

Quando eleito, em 2015, pondo fim a doze anos de domínio kirchnerista, Macri havia prometido, por meio de ações diferentes das defendidas por Milei, estabilizar a moeda, combater a inflação, reduzir o desemprego, acabar com o desequilíbrio fiscal,  e retomar o crescimento econômico. Quatro anos depois, derrotado por Alberto Fernández, Macri reconheceu não ter conseguido, por meio de uma política econômica gradualista, implementar as mudanças prometidas. Foi o primeiro presidente argentino a perder uma reeleição, porém foi o primeiro não-peronista em mais de 70 anos a concluir seu mandato.

Ao assumir a presidência no próximo dia 10 de dezembro, Javier Milei será depositário das esperanças de milhões de argentinos cansados de ver seu país cada vez mais distante de um passado glorioso. Como diz o colega Roberto Macedo: “Enquanto os brasileiros  sonham com um futuro que não chega, os argentinos sonham com um passado que não volta”.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências

BELTRÃO, Helio. ‘O Milei não é nem o Bolsonaro argentino nem direitista’. Entrevista para o jornal O Estado de S. Paulo. Disponível em https://www.estadao.com.br/internacional/o-milei-nao-e-nem-o-bolsonaro-argentino-nem-ultradireitista-diz-helio-beltrao/.

MACHADO, Luiz Alberto. Viagem pela economia. São Paulo: Scriptum Editorial, 2019.

OCAMPO, Emilio e CACHANOSKY. Nicolás. Dolarización: una solución para la Argentina. Ciudad Antónoma de Buenos Aires: Claridad, 2023.

[1] Os anos que aparecem entre parêntesis correspondem ao ano em que o economista foi laureado com o Prêmio Nobel.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado