s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

A beleza da futilidade

A beleza da futilidade

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Para ser belo hoje em dia é necessário primeiramente ter dinheiro. Um banho de loja, várias cirurgias plásticas, roupas da moda, até trocar o cabelo é possível com grana. E se não for possível, você vira uma pessoa simpática. Várias roupas de marca e um pouco de marketing pessoal deixam qualquer criatura fashion. Nossos jogadores de futebol tornam-se lindos quando estão numa Ferrari, num Porshe, numa Mercedes, dizem as mulheres. O detalhe de ser vesgo, ter dentes de ratinho ou qualquer outra questão anatômica some diante de uma conta bancária milionária. Quem não tem dinheiro, tenta, por sua vez, na sobrevivência do culto à imagem, improvisar. Fazer book com várias fotos tiradas pela própria pessoa diante do espelho ajuda.

Falsificações, genéricos de marcas, produtos de estética, além, claro, das cirurgias estéticas, que tentam dar à pessoa a bunda inexistente em forma e volume. Até que um dia a calça cai! A criatividade para tentar mostrar o que não existe. As tinturas de cabelo, as canetas e celulares da moda, as marcas de roupa tão cultuadas e apresentadas em público, no ser outdoor que se pretende alguém e a ilusão da vida abastada na roda dos créditos e eternos endividamentos assombram qualquer travesseiro. É o susto diante do espelho quem é esta pessoa? E a dúvida persiste: “como ser o que não sou?” A crise psicológica da pós modernidade na ruptura da identidade aparece, no ser produto de fachada, da alma plastificada.

Alguns leitores questionariam: tenho de ser feio para agradar este colunista? Não. O problema é ver beleza onde ela não existe. Querer viver apenas de aparência sem ter conteúdo. Ser apenas uma vitrine sem mais a oferecer. Até por que a questão de beleza varia de indivíduo para indivíduo, de cultura para cultura. E a beleza da beleza de cunho estético é que ela passa, como toda moda, como todo objeto de consumo. Na Idade Média ser gordinha era cult. Nos anos 60 era lindo ter costeletas, calça boca de sino cor-de-rosa era chique. Quantas modas do passado não nos fazem sentir cafona? Nossa, eu não vestia isso!

Ser belo não pode ser visto jamais como ser fútil. Futilidade hoje na sociedade beira a idiotia, o retardo mental, a massificação, a alienação, a burrice. Futilidade quebra a qualidade de vínculos sociais, deixando o espírito aprisionado em suas ilusões enquanto que o relógio da vida acelera. Neste sentido, a beleza da futilidade é seu estado perecível. Os modismos passam e se você não tiver conteúdo, vai passar com eles.

Lembrei-me de um amigo médico que conheceu uma linda mulher. Belíssima! Sonho de consumo! Ideal para bailes e apresentações públicas. O que tinha de bela, tinha de calada. Até que um dia, após umas cervejas, a língua soltou-se e a beleza da estética deu vazão a idiotia, nos fazendo crer piamente que existe uma ligação direta entre o intestino e a boca. Tão bela calada! O namoro com a beldade logo tornou-se tédio, não existia assunto, diálogo, e a vitrine logo envelheceu, exigindo do produto perecível sua substituição.

É necessário investir, além da estética, em cultura. Beleza representa estado de graça, simpatia, inteligência,  alegria e para que isto ocorra é necessário conteúdo. Em raros momentos da vida conheci pessoas fúteis com carisma. Ao contrário: os fúteis são chatos, presunçosos, são os que nos olham de lado e por vezes são os que tentam, em sua insignificância, mostrar à força que são alguém: “Sabe com quem você está falando?” Sua alienação por vezes é tamanha que não percebem o quanto é grande o papel ridículo que fazem, criando a tribo do nada. Educação só por conveniência. E são justamente os que mais adoecem na velhice e a partir dos 50 anos. Seu espírito escravo da vaidade e do orgulho tenta fugir da consciência o quanto pode, mas suas pernas são curtas. E o vazio da vida fútil gera o vazio da alma. ansiedade, depressão, drogas, autodestrutividade são apenas alguns dos sintomas que aparecem nestes casos. Especialmente quando a vitrine já não chama mais a atenção, porque passou. O belo e o sublime devem andar juntos. A isto chamamos graça. A simpatia, a alegria, o riso fácil e a inteligência são para nós o genuíno charme da beleza, são o complemento que dão carisma ao indivíduo comum.

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima