s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

A faxineira

A faxineira

Luciano Pires -

Luis Inácio da Silva é um brasileiro que, como outros milhões, tem uma história de vida que começa na miséria de algum rincão do país, de onde sai com a família ainda criança para tentar a sorte em alguma cidade grande. Quanta gente assim você conhece?

Em São Paulo, uma conjugação de fatores começa a transformar Luis Inácio em Lula, um personagem criado por intelectuais e pela imprensa para preencher o imaginário popular em um momento singular da história nacional: o final de um período de governo militar, quando o povo mostrava-se sedento por líderes que estimulassem a esperança por liberdade, por igualdade, por condições para uma vida melhor. O personagem Lula encarnou com perfeição o papel, expondo sua origem humilde, seu jeito errado de falar (que nem era tão errado assim no início, ficou errado depois…), o apelo de “gente do povo”. Sua energia para falar às multidões era imbatível, e a capacidade de jamais entrar em bolas divididas e de adaptar o discurso à qualquer plateia, mais um trabalho incansável da imprensa em apresenta-lo como o herói popular, fez com que Lula se tornasse um dos mais importantes líderes populares da história do Brasil. E por quarenta anos uma legião de seguidores – especialmente na imprensa – bradou a história do “pobre migrante nordestino”que venceu a “preconceituosa elite branca de olhos azuis”.

Mesmo que Lula ao longo do tempo se tornasse um dos mais vistosos exemplos da elite dos que só andam de avião, se hospedam em hotéis de primeira linha e tomam os melhores vinhos, nenhuma acusação ou testemunho que viesse de alguém em nível social mais elevado que o “pobre retirante nordestino” colou nele. Políticos, advogados, jornalistas, juízes, empresários, qualquer um que se atrevesse a criticar o personagem recebia imediatamente o rótulo de “elite ameaçada que não suportava ver pobres andando de avião”.

Lula tornou-se o ícone dos justiceiros sociais.

Nesse contexto, em nome do pobrismo, qualquer fala absurda ou atitude questionável de Lula era relevada. Como uma espécie de “compensação” por sua origem pobre, Lula podia tudo. E assim, presidentes, reis, papas, rainhas, bilionários, acadêmicos e toda uma plêiade de figuras proeminentes viu-se fascinada diante daquela figura icônica, o exemplo acabado de que é possível vencer a partir do nada. Lula se transformou num ícone brasileiro.

Nesse sentido, ele e o Cacique Raoni cumpriram o mesmo papel.

Muito bem. Sempre acompanhei com certa reserva as iniciativas dos que tentaram de alguma forma atingir Lula de forma direta ou indireta. Alguém lembra do “Cansei”, movimento que nasceu entre empresários de São Paulo lá por 2006 como reação aos indícios de corrupção que começavam a pipocar? Foi ridicularizado, pois capitaneado por um bando de coxinhas. O recente pedido de impeachment de Dilma Rousseff assinado por Hélio Bicudo e Miguel Reale Jr e acolhido pelo Presidente da Câmara Eduardo Cunha também recebeu o rótulo de golpe, revanchismo, vingança pessoal de poderosos. Para mim sempre ficou claro: nada que viesse “de cima” ou até mesmo “de lado” atingiria Lula.

Era preciso vir de baixo.

Ontem o Jornal Nacional transmitiu uma reportagem que talvez seja a mais importante peça para chegar de vez ao coração desse movimento que tomou de assalto o estado brasileiro e que tem em Lula um de seus principais personagens. Pela primeira vez o Brasil viu não um vizinho, mas uma humilde faxineira, um humilde zelador, dizendo que o triplex pertence a Lula. É claro que ambos serão atacados, acusados de terem sido comprados, etc e tal, mas não tem jeito. A casa caiu.

Desta vez quem acusa tem a mesma proteção de Lula, é um humilde brasileiro, representante da única parcela da população da qual “eles” têm medo: o povo.

Quero ver sair dessa.

Se você não assistiu a reportagem, aqui está:

http://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2016/01/nova-fase-da-lava-jato-tem-como-alvo-condominio-no-guaruja-sp.html