s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

A remota possibilidade de você estar errado

A remota possibilidade de você estar errado

Henrique Szklo - Iscas Criativas -

Como o título atesta, neste artigo falarei da pequena, mínima e inexpressiva nanopossibilidade de que você possa eventualmente estar ligeiramente equivocado sobre qualquer assunto, mas, principalmente sobre seu negócio. E, acredite, vou entender perfeitamente o seu desconforto pois, como você, também erro muito pouco, quase nada. E me obrigo a tocar neste vespeiro flamejante porque ele é intrinsecamente relacionado à dificuldade que temos todos de nos confrontarmos com as mudanças. As mudanças que são tão fundamentais e imprescindíveis na retórica, mas que, na prática, são mais odiadas do que criança em restaurante chic. Todo mundo fala em mudança, todo mundo exige mudança, todo mundo reconhece a necessidade de mudança, mas vai mexer em time que está ganhando pra você ver o que te acontece.

E para mudar, não tem jeito, é preciso desenvolver a capacidade e o costume de se questionar. No mundo de hoje, mais do que nunca, questionar é viver.

As pessoas e as empresas vão se aprimorando de tal forma com o tempo que acabam por acreditar que são a quintessência da eficiência, os bastiões da qualidade e os símbolos máximos da modernidade. E o questionamento a esta auto-estima delirante geralmente é encarado como uma ofensa grave e imperdoável, fruto da inveja, de gente frustrada ou de urubus que só vêem o lado ruim das coisas, pessimistas vocacionais, enfim, coisa de gente chata. Pegue suas coisas e saia já daqui!

Agora vou dizer uma grande novidade que vai mudar sua vida: não há evolução sem questionamento. Juro. Se arrume na cadeira que tem mais: tudo o que sobe, desce. Sem vice-versa.

Mas quem gosta de ser questionado? Ninguém. Quem gosta de quebrar? Ninguém. Então, já que você vai se aborrecer de qualquer jeito, relaxa e começa a se acostumar que a vida é assim mesmo.

Arrume um jeito de se controlar, de aceitar as opiniões diversas, vai fazer terapia, vai praticar uma arte marcial para dispender suas energias, toma maracujina. Mas se o problema não for se questionar e sim as mudanças propriamente ditas, bota uma fralda geriátrica, sei lá, mas arrume um jeito de lidar com elas. Acredite, vai ser melhor pra você.

Questionar a nós mesmos dói muito, não é pouco não. Principalmente quando nos damos conta de que estamos errados ou que não estamos tão certos quanto pensávamos. E é por isso que a maioria prefere arrumar desculpas para manter suas crenças do que se impor algum tipo de desafio. Preferimos utilizar a criatividade para justificar a nossa falta de criatividade.

E o pior ainda estar por vir. O questionamento de seus dogmas e certezas deve ser constante e ininterrupto. É como frequentar uma academia. Enquanto quiser que o exercício faça efeito, terá de continuar na atividade. Não adianta se questionar uma vez e acabou. Precisamos ser despojados a ponto de nunca acreditar que atingimos o máximo, a perfeição. A zona de conforto é tinhosa, ardilosa, cheia de truques para nos seduzir e imobilizar. Ela trabalha em várias frentes: no ego, deixando com que nos consideremos acima de questionamento; na preguiça, fazendo com que consideremos que ainda é cedo para se preocupar; nos desafios pessoais, fazendo com que não nos preocupemos com o negócio e passemos a buscar outros interesses; no conformismo, quando nos damos conta de que não precisamos mais do que temos, que atingimos o ideal e não faz sentido lutar por nada além disso, quer dizer, aquela sensação aconchegante de “missão cumprida”. Isso tudo não passa de armadilhas que a zona de conforto bota no meio do caminho pra você colocar o seu pezinho.

Amigo leitor, ninguém sabe tudo. Ou seria melhor dizer: ninguém sabe nada. Precisamos o tempo todo de referências, precisamos nos informar, precisamos ouvir as pessoas que entendem do riscado. Podemos ser os maiores especialistas em uma matéria, sempre haverá novas visões, novas abordagens, novas informações. A  soberba e a vaidade já derrubaram muita gente. Eu sei que você é fodão, que não tem pra ninguém, mas não se esqueça que existem milhares, milhões de fodões no mundo. Você é só mais um. Então, para se diferenciar, seja um fodão consciente, esclarecido, questionador. Apenas desça do olimpo e recolha seu rabo de pavão de vez em quando e reconheça a falhabilidade do ser humano, a possibilidade remota de você estar errado. Se até Donald Trump errou, você tem todo o direito de algumas escorregadas. Só os fracos não se permitem mudar de ideia.

Outra medida importante é a eliminação dos puxa-sacos. Eu sei que é gostoso sentir as pessoas usando nosso saco como base de bungee jump, mas, por favor, esses parasitas não merecem seu respeito, que dirá seu saco. Se eles puxam, puxam só para baixo. Você precisa de gente que te jogue pra cima e estas pessoas são aquelas que pensam e que não têm medo de perder o emprego por discordarem do chefe. Sim, estas pessoas existem. Talvez você não trabalhe com nenhuma porque mandou todas embora, mas, acredite, sem elas o seu negócio vai pro brejo, cedo ou tarde. O puxa-saco já diria neste momento que o brejo não é um lugar tão ruim assim… Resumindo, estar rodeado de pessoas que pensam do mesmo jeito que você e não geram questionamentos fará você morrer lentamente, sem perceber.

Consulte sempre um advogado, principalmente o advogado do diabo. Pra quem não sabe, esta expressão está relacionada a um procedimento muito útil em todas as esferas criativas: a crítica implacável sobre suas próprias ideias, tentando destruí-las como se fossem obra de nosso maior desafeto. A intenção não é inviabilizar a ideia, ao contrário: é a maneira mais fácil encontrar alguma falha e corrigi-la antes que seja tarde. E tem mais: questionar-se não vai fazer necessariamente você mudar. Às vezes você se questiona e mantém suas crenças, ou seja, o questionamento serve também para confirmar e fortalecer aquilo que você acredita. Ao temer o questionamento você está, na verdade, assumindo que não tem muita certeza daquilo que prega. Quem está tranquilo e sereno se questiona sem maiores problemas, afinal o objetivo não é ter razão e sim atingir as metas desejadas.

Não se iluda: só o idiota tem certeza. E nada me fará mudar de opinião sobre isso.

 

Visite meu site: Escola Nômade para Mentes Criativas

Ver Todos os artigos de Henrique Szklo