s
Iscas Intelectuais
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Cafezinho 628 – Crimes de Honra
Cafezinho 628 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Americanah

Americanah

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Americanah

 

“O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado de uma degeneração pela qual vem passando a inteligência contemporânea.”

Carlos Sávio Gomes Teixeira

 

Dois fatores me levaram a escrever este artigo: o primeiro diz respeito ao meu gosto especial pela leitura, em especial por livros que me permitam conhecer a realidade de outros países; o segundo refere-se ao grande sucesso do Diálogo no Espaço Democrático sobre o tema do identitarismo, com a participação do cientista político Carlos Sávio Gomes Teixeira.

Americanah é o título do romance de autoria da nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie ambientado entre a Nigéria, a Inglaterra e os Estados Unidos, que combina história de amor e crítica social, na qual prevalece o aguçado olhar sobre a questão racial a partir de vários ângulos.

Meu interesse pela junção entre leitura e conhecimento de outros países levou-me a escrever a crônica intitulada Volta ao mundo por meio de livros, publicada na antologia Tempo de voar. Sendo ler e viajar duas de minhas maiores paixões, combiná-las é uma forma de transmitir emoções e sentimentos experimentados em textos de livros cujos conteúdos remetem a países de diferentes partes do mundo, permitindo-nos visitá-los ou revisitá-los, conhecendo ou reforçando o conhecimento anterior de sua história, sua geografia, seu povo, sua cultura, suas tradições, sua política e/ou sua economia.

Com Americanah, retomei o foco na realidade da Nigéria, muito bem explorada por Abi Daré no livro A garota que não se calou, integrante  da referida crônica. Naquele livro, a também nigeriana Daré conta a história de Adunni, uma menina que perdeu precocemente a mãe que acreditava na educação como a única maneira de não se calar – de não perder a capacidade de falar por si mesma e decidir o próprio destino. Com a morte da mãe, Adunni é, primeiramente, vendida pelo pai aos 14 anos para ser a terceira esposa de um homem ávido para ter um filho do sexo masculino. Como terceira esposa, ela é tratada como serva pelo marido e perseguida pela primeira esposa. Na sequência, ela consegue fugir do casamento arranjado, mas acaba sendo vendida para uma família rica que mora em Lagos, na qual é explorada, surrada e humilhada pela patroa, além de sofrer frequentes ameaças de assédio sexual por parte do patrão. Apesar de todas as adversidades, Adunni mantém a perspectiva de voltar a estudar, a fim de escapar da vida em que nasceu e de construir o futuro que escolheu para si mesma, bem como de contribuir para que outras meninas como ela possam ter uma história diferente.

A trama de Americanah tem início em Lagos nos anos 1990. Enquanto Ifemelu e Obinze experimentam a inigualável sensação do primeiro amor, a Nigéria enfrenta tempos sombrios sob um regime militar. Procurando alternativas às universidades locais, paralisadas por sucessivas greves, Ifemelu muda-se para os Estados Unidos, onde rapidamente se destaca no meio acadêmico, ao mesmo tempo em que se depara pela primeira vez com a questão racial, tendo de enfrentar as dificuldades representadas pela vida de imigrante, mulher e, sobretudo, negra. Obinze, que pretendia encontrá-la, vê seus planos interrompidos pelo atentado do Onze de Setembro, quando as portas americanas foram temporariamente fechadas aos estrangeiros.

Quinze anos mais tarde, Ifemelu é uma consagrada blogueira que reflete sobre o dia a dia dos africanos na América, focalizando questões como imigração, preconceito racial e desigualdade de gênero. O tempo e o sucesso, porém, não atenuaram o apego à terra natal, nem sua ligação com Obinze, que não teve a mesma sorte, passando por diversas privações na Inglaterra, até ser extraditado, após várias tentativas frustradas de obter o visto para permanecer no país.

Em seu retorno ao país natal, Obinze se transforma num empresário de sucesso no ramo imobiliário, casando-se e vivendo confortavelmente. Ifemelu, por sua vez, ao finalmente também retornar à Nigéria, depois de resistir por algum tempo, tenta retomar um lugar na vida de seu companheiro de adolescência, num país muito diferente do que deixou.

Ao concluir a leitura de Americanah, foi inevitável a associação com as colocações do cientista político Carlos Sávio Gomes Teixeira  no Diálogo no Espaço Democrático (https://www.youtube.com/watch?v=GAmVFcfrSTc), segundo as quais a monopolização do debate intelectual pelo identitarismo, observada nos últimos anos, é um desserviço ao Brasil, pois, apesar de defender causas que têm valor, os identitários deixam em segundo plano questões muito mais importantes, como a busca de um projeto nacional, que estabeleça metas e modos para que o País se torne uma nação mais justa, eficiente e moderna. Para ele, o radicalismo e a agressividade dos defensores das questões de gênero e raça vêm “envenenando” as relações políticas e inclusive favorecendo a ascensão de líderes extremistas, especialmente de direita.

Na sequência, Carlos Sávio destacou ainda que os identitários, apesar de se proclamarem defensores das minorias, têm pouca conexão com as pessoas comuns que dizem defender. “A maioria dos integrantes dessas minorias não se identifica com a agenda identitária. Nesse aspecto, os evangélicos, que são os principais adversários do identitarismo, se identificam muito melhor com as aspirações populares, reforçando a importância do empreendedorismo, investindo na auto-estima dos fiéis e, inclusive, garantindo um papel de destaque às mulheres”, explicou.

Mesmo evitando estabelecer comparações entre realidades tão distintas quanto às da Nigéria, dos Estados Unidos, da Inglaterra e do Brasil, é possível perceber pelo menos um efeito comum de algumas causas identitárias no cotidiano de todos esses países, qual seja, o agravamento da radicalização política Tal radicalização atinge, principalmente nos casos de Brasil e Estados Unidos, um grau preocupante de polarização.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências

ADICHIE, Chimamanga Ngozi. Americanah. Tradução de Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2024.

DARÉ, Abi. A garota que não se calou. Tradução de Nina Rizzi. Campinas [SP]: Verus, 2021.

MACHADO, Luiz Alberto. Volta ao mundo por meio de livros. Em MARINO, Marina (org.). Antologia de poesias, contos e crônicas: tempo de voar. São Paulo: Scortecci, 2023, pp.71-76.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado