s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 936 – Os dois capitais
Café Brasil 936 – Os dois capitais
Em junho de 2015, durante uma cerimônia na Universidade ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Apareceu a Margarida

Apareceu a Margarida

Luciano Pires -

O ano é 1978, e o local é o Bauru Tênis Club, o clube da classe média alta de minha terra natal. Naquela noite, a cidade estava em festa. A grande atriz Marilia Pera estava lá para apresentar um monólogo de Roberto Athayde chamado “Apareceu a Margarida”, que havia permanecido em cartaz por dois anos na capital.  A peça era um tremendo sucesso e nela a atriz dava uma aula de biologia usando palavrões para explicar o ser humano. Ocorre que, ao invés de colocar um esqueleto no palco, ela coloca um ator nu, de costas para a plateia. Na cenografia, que representava uma sala de aula, havia um quadro do coração de Jesus, aquela imagem clássica da figura de Jesus Cristo apontando para seu coração envolto numa coroa de espinhos. Essa imagem era comum nas salas de aula dos anos 40 aos 60 no Brasil. O ator nu está de frente para a imagem.

Assim que a cena começa, o empresário Sérvio Tulio Coube, de família tradicional na cidade, interrompe a peça ao subir ao palco e retirar a imagem do Sagrado Coração. Para ele, aquela cena era um desrespeito, e aquele quadro não deveria estar ali. Marilia Pera, indignada, vai na direção do empresário, segura o quadro e o que se vê em cena é um cabo de guerra. O delegado da cidade sobe ao palco para o deixa disso e os 1600 espectadores começam a vaiar. Marilia fica histérica. Ela jamais passara por uma situação semelhante. Uma hora depois o Jornal Nacional dá a notícia.  Marilia Pera disse ao promotor da peça, Paulo Neves: “Paulo, meus colegas não vão passar por isso que eu passei.” E Bauru ficou 10, 15 anos sem receber qualquer espetáculo que tivesse atores da Globo.

Eu já vivia em São Paulo, mas me lembro perfeitamente do escândalo e dos rótulos de “ cidade conservadora” que Bauru recebeu.

Em 2014 foi a vez do ator Ney Latorraca, no Rio de Janeiro. Ney, então com 70 anos de idade, teve de interromper a peça Entredentes, de Gerald Thomas, para repreender uma espectadora de 72 anos que passou 20 minutos fazendo comentários homofóbicos em voz alta na plateia. Ney comentou:

— Não sei se por causa do clima das eleições, não sei o que é, mas as pessoas perderam a noção. Acham que podem dizer o que querem, que liberou geral, que podem agredir.

Pois é.

Se a situação de 1978 se repetisse hoje, o empresário seria imediatamente tachado de “coxinha”, “fascista”, “reacionário” e “ elite branca”, você tem alguma dúvida?

Afinal, um espectador que não concorda com o que está sendo dito no palco, tem o direito de interromper uma peça? E se forem dois espectadores? Dez? Cem?

É claro que não… A menos que o artista no palco critique Lula ou Dilma.

Aí pode.

Se você acha que estou falando de liberdade de expressão, errou.

Estou falando de hipocrisia.