s
Artigos Café Brasil
Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Não devemos aceitar verdades universais a partir de ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Café Brasil 757 – O dono da firma
Café Brasil 757 – O dono da firma
Vamos então a mais um programa que fala do empreendedor ...

Ver mais

Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Usar a internet de forma responsável, é isso que trata ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

A guerra dos pelados
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
De 1912 a 1916 o Estado de Santa Catarina sofreu a Guerra do Contestado, conflito armado que opôs, de um lado, posseiros e pequenos produtores rurais, e de outro militares federais e estaduais. ...

Ver mais

A americanização do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O imperialismo sedutor     “Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor Eu fui à  Penha, fui pedir à Padroeira para me ajudar Salve o Morro do Vintém, pendura a saia que eu quero ...

Ver mais

Economia da desigualdade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia da desigualdade “Os valores que conferem ao capitalismo sua legitimidade são prosperidade e liberdade para todos. […[ Se você concentra poder e renda em um pequeno grupo, o ...

Ver mais

Autonomia do Banco Central
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Caminhando rumo à autonomia do Banco Central ˜O desejo parece ser o de que a política econômica saia de uma vez por todas da alçada dos presidentes da república. […]. Delega-se para a diretoria ...

Ver mais

Cafezinho 365 – (IN)segurança Nacional
Cafezinho 365 – (IN)segurança Nacional
Nem precisa prender o Danilo Gentili, a simples ameaça ...

Ver mais

Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
O viés de confirmação leva ao isolacionismo ...

Ver mais

Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
No Chapeuzinho Vermelho 4.0, tá cheio de lobo se ...

Ver mais

Cafezinho 362 – Na bala!
Cafezinho 362 – Na bala!
Se a constituição brasileira não proíbe que o deputado ...

Ver mais

1964 – O Brasil entre armas e livros

1964 – O Brasil entre armas e livros

Luciano Pires -

Assisti o documentário e aqui vai o que vi e como vi.

Primeiro o antes. Impressionante a reação da imprensa e da militância nas mídias sociais ANTES do lançamento do filme. Sem ver o conteúdo, diversas pessoas atacaram o filme de várias formas, já o taxando de “defensor da ditadura”. A pressão foi tanta que a Rede Cinemark, que não viu nenhum problema em exibir filmes sobre ditadores sangrentos e políticos presos, decidiu não permitir sua exibição. Tudo sem que o conteúdo do filme fosse conhecido. Histeria total, de quem vê seu templo sagrado sendo invadido por “infiéis”.

O filme então foi distribuído gratuitamente pelo Youtube onde conta atualmente com 5 milhões de visualizações. Se fosse cinema, seria a 16a maior bilheteria da história do cinema nacional. A mesma turma que criticou antes de ver coloca essa audiência espetacular na conta dos robôs que inflam a audiência.

Para compreender o filme, vou usar de um antigo método. Verificar o fato, a intenção e o contexto.

1. O fato.

O que é que filme diz?
Foi golpe? Sim. Foi golpe militar? Foi civil em primeiro lugar. Mas ocorreu um segundo golpe, esse sim militar, mais à frente, quando se esperavam eleições diretas e os militares não abriram mão do poder. O filme mostra isso e critica essa decisão.

Houve torturas? Sim. O filme trata desse assunto de forma crítica, fala do absurdo e de como, num regime de exceção, é impossível controlar o que acontece nas pontas dos tentáculos, onde psicopatas com poder praticam atos abomináveis em nome do sistema. Em nenhum momento justifica a tortura, apenas explica. O filme não alivia, não “passa pano”, mostra o que aconteceu e nesse mostrar fala das barbaridades cometidas pelos dois lados. E é aí que irrita a galera da narrativa histórica maniqueísta do “lado do bem contra o lado do mal”. Aliás, o filme até pegou leve com a esquerda, ao não apresentar depoimentos completos do Gabeira, do Eduardo Jorge e de ex-guerrilheiros que estão disponíveis na internet e mostram as intenções daquela turma.

2. A intenção.

De acordo com o filme, o golpe aconteceu para impedir um processo de tomada de poder pela esquerda, motivada, armada e treinada pelas forças do comunismo internacional. Essa é a tese que enlouquece os autores da velha narrativa de que os militares tomaram o poder simplesmente porque odeiam a democracia e queriam mandar na gente. O filme defende que os militares reagiram, acionados e apoiados pela sociedade, pela imprensa, pela igreja, pelos empresários, pelo povo. Não foi uma decisão tomada dentro de um quartel por meia dúzia de generais maus, mas um processo deflagrado a partir de uma atitude civil, quando o Congresso declarou vago o cargo de Presidente da República. E o filme deixa claro que essa atitude foi inconstitucional, pois o Presidente Jango ainda se encontrava dentro do Brasil. Mas não foi atitude dos militares.

3. O contexto.

É aí que o bicho pega. O filme contextualiza o cenário da guerra fria, os movimentos do bloco soviético nas Américas, a revolução cubana, o treinamento de brasileiros para guerrilha, bem antes de 1964. Mostra Jânio condecorando Che Guevara e traz dezenas de documentos e depoimentos do StB, o Serviço de Inteligência criado pelo Partido Comunista da Tchecoslováquia para desempenhar funções de polícia política e polícia secreta após a II Guerra.

Em 2007 o governo Tcheco criou o Instituto para o Estudo dos Regimes Totalitários e abriu os arquivos da StB para o público. Foi lá que o escritor e tradutor Vladimir Petrilák, que participa do documentário, encontrou dezenas de documentos de época, mostrando a atuação de agentes comunistas no Brasil e sua ligação com os militantes e depois terroristas. Esses documentos renderam o livro 1964 – O Elo Perdido. O Brasil nos arquivos secretos do comunismo, de autoria de Petrilák e Mauro “Abranches” Kraenski.

Eu li esse livro em 2017. É uma leitura maçante, repleta de relatórios de agentes secretos, planos de operações, recibos de pagamento para colaboradores brasileiros e outras informações que confirmam que a inteligência da União Soviética usou agentes do StB para ampliar a influência político-ideológica na América Latina, agindo nos círculos acadêmicos e na imprensa brasileira.

Conforme os documentos, a infiltração soviética chegou até mesmo aos gabinetes presidenciais de Juscelino, Jânio e Jango, antes de 1964. Tenho lido diversas críticas dizendo que o filme se apoia em documentos desimportantes desenterrados de uma organização desimportante num pais desimportante. Isso é dor de cotovelo. Ou a velha ostentação da ignorância como prova de que o que se ignora, não aconteceu.

São documentos recentemente descobertos e que certamente precisam de um mergulho mais profundo de historiadores, mas que causam um impacto brutal em quem tem dúvidas sobre a movimentação comunista na América Latina pré 1964.

O documentário conta com depoimentos de Alexandre Borges, Flávio Morgenstern, Olavo de Carvalho, Rafael Nogueira, William Waack, Luiz Felipe Pondé, Mauro Abranches Kraenski, Percival Puggina, Hélio Beltrão, Vladimir Petrilak, Petr Blazek, Luiz Philippe de Orléans e Bragança. Alguns desses nomes representam a linha de frente do que se convencionou chamar de “nova direita” no Brasil e despertam os mais primitivos instintos nos 50 tons de esquerda. É natural a gritaria.

Como cinema, é um documentário um pouco arrastado, com uma trilha sonora pesada e excessiva, que tem lacunas de informações que estão disponíveis no Youtube e que talvez não tenham sido usadas por questões de direitos autorais. Ou por antipatia dos donos dos depoimentos. Usa muitos depoimentos de jovens que estão sendo ironicamente tratados como “historiadores” entre aspas pela academia. Ou como “revisionistas” pela tropa histérica.

A falta de nomes de peso (apenas Olavo, William Waack e Pondé são conhecidos pela presença constante na grande mídia) está sendo usada pelos críticos para passar a impressão de que a produção é feita por uma molecada de fora do ambiente acadêmico onde está a “história de verdade”. Não tenho conhecimento para atacar ou defender esses jovens que fazem os depoimentos, mas a gritaria da academia, vindo de onde vêm, me dá a certeza que eles precisam ser ouvidos.

Dezenas de críticos estão acusando o documentário de tentar reescrever a história, de defender a ditadura, de compactuar com a tortura e todo aquele arsenal que você conhece. Bobagem. O documentário precisa ser assistido por todos os brasileiros. E ninguém precisa acreditar nele. É para ser visto simplesmente como um outro ângulo pelo qual observar os acontecimentos de 1964.

Ele não nega a história. Equilibra.

E equilíbrio é justamente o que falta para o Brasil.

https://www.youtube.com/watch?v=yTenWQHRPIg&t=232s