s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

A armadilha

A armadilha

Luciano Pires -

E a Câmara dos Deputados desarmou uma armadilha que estava sendo colocada no caminho do Brasil: tornou explicitamente constitucional a doação de empresas privadas para partidos em campanhas eleitorais. Vou aproveitar parte de um texto que escrevi a respeito em 2013:

O raciossímio era o seguinte: quando os partidos recebem doações de empresas privadas ou indivíduos, fica muito fácil que gente má desvie o dinheiro para atender a interesses partidários ou pessoais, comprar favores, enriquecer, reforçar posições de poder e outras coisinhas mais. E, principalmente, os doadores de hoje são os cobradores de favores amanhã, provocando fraudes em licitações, venda de serviços e produtos superfaturados ou desnecessários e todo aquele cardápio da corrupção que já conhecemos.

Conclusão: se o dinheiro em vez de privado for público, a farra acaba.

Em 2014 tivemos pouco mais de 140 milhões de eleitores. Conforme o projeto do financiamento público de campanhas, que teve a mecânica publicada no site da Câmara dos Deputados em 2005, fiz um exercício simplório pra ver quando cada partido receberia. Olha só.

Em 2005 ficou definido que 7 reais por eleitor determinariam o valor total do fundo partidário a ser dividido. Mas isso era em 2005. Corrigido bem por baixo aqueles 7 reais, chegaremos hoje em 11 reais. Teremos então R$ 11 x 140 milhões de eleitores = R$ 1.540.000.000 (um bilhão e quinhentos e quarenta milhões de reais) compondo o tal fundo partidário para financiar as campanhas em ano eleitoral. 85% dessa bolada deveriam ser divididos proporcionalmente aos votos de cada partido. Vou colocar apenas os sete primeiros maiores partidos, com base nos votos que receberam nas últimas eleições. O valor é milhões de reais:

PT: 263; PMDB: 216; PSD: 134; PSDB: 127; PP: 119; PR: 95; DEM: 84.

O fato que o PT seria de longe o maior beneficiado com 263 milhões de reais é apenas coincidência, viu?

Resumindo: R$ 1,54 bi é o valor que sairia do nosso bolso para financiar as campanhas políticas dos partidos. Mas segundo publicado na imprensa, o total gasto nas campanhas de todos os candidatos a deputados, senadores, governadores e presidente em 2014 foi de R$ 5,1 bilhões.

Então vamos lá: 5,1 que foram gastos menos 1,54 do tal fundo partidário dá 3,56 bilhões. Essa é a diferença que os partidos teriam que buscar em algum lugar. E olhe que sou bobinho e considerei que aqueles 5,1 são expressão da verdade. Há quem garanta que somando os por fora a conta chegue nos 10 bi. Eu acredito nisso.

Hoje uma parte do financiamento de campanha é feita através de doações privadas e legais de empresas e pessoas. Mas é a menor parte. A maior parte, e o escândalo do Petrolão está aí para mostrar, é feita através de doações ilegais vindas de desvios de obras superfaturadas, doações de empresas por baixo do pano e nem quero pensar de onde mais. É aquilo que Delúbio Soares imortalizou como “recursos não contabilizados”…

Desenhando: viriam 1,54 bi de dinheiro público. As doações legais de empresas estariam proibidas. Doações de pessoas físicas continuariam permitidas. Se cada um dos 200 milhões de brasileiros doasse R$ 18 reais, os 3,56 bilhões seriam arrecadados, que tal?

– Ah, Luciano, mas as campanhas serão mais baratas!

É? Você acredita nisso? E se forem mais baratas, serão mais baratas quanto? 50%? 70%? A conta não fecha de jeito nenhum.

Pelo raciossímio dos que ainda defendem a proibição das doações privadas, nenhum partido ou candidato buscaria uma graninha extra com empresas interessadas em ajudar. Não fariam mais caixa dois e, depois de eleitos, não beneficiariam quem os ajudou a se eleger.

E assim acaba a corrupção. Seu idiota.

Ufa! Essa armadilha foi desarmada, mas fique esperto! Ainda há milhares pelo caminho.