s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Seu bosta

Seu bosta

Luciano Pires -

Numa conversa com meu amigo Sandro Magaldi antes da gravação de mais um LíderCast, falávamos da empáfia que encontrávamos nos contatos com gente que trabalha em empresas badaladas e que “se acha”. Contei de uma experiência horrível ao ser recebido por duas garotas numa agência de publicidade, quando fui esnobado e quase humilhado ao tentar apresentar o podcast como uma opção de mídia. A única pergunta que me fizeram foi se havia comissão de agência.

Essas pessoas são uma espécie de Bozós da modernidade… Ops. Essa moçada não sabe quem foi o Bozó.

Mas a conversa foi legal, pois me fez lembrar de um texto que escrevi uns quatro ou cinco anos atrás e que publiquei apenas como um post no Facebook. Mas como a coisa está piorando, lá vai.

SEU BOSTA

Então sou chamado para uma reunião numa das maiores agências de propaganda do país. Aliás, do mundo. Badaladíssima, daquelas que ganham prêmios internacionais e publicam páginas quádruplas na Veja, sabe como é? Para impressionar, deixei de lado o lap top (lembre-se, este texto é de cinco anos atrás) e peguei meu iPad. Botei uma roupa mais, digamos, transada e fui pra reunião, pronto para arrasar. Cheguei, não havia onde estacionar. Procurei um estacionamento, deixei o carro e lá fui. Fiquei do lado de fora, na calçada, onde apertei um botão. Ouvi pelo interfone a voz do porteiro:

– Pois não?

– Eu gostaria de falar com o Fulano.

– Quem quer falar?

– Luciano Pires

– De que empresa? A que horas está marcada a reunião?

Respondi e ouvi:

– Aguarde um minuto, seu bosta.

Bem, na verdade o porteiro não falou aquele “seu bosta”, mas pela esnobação e entonação da voz foi isso que ele me fez entender. Alguns minutos depois ouvi o “clic” da porta e a voz do porteiro:

– Tá liberado. Vá por ali até a recepção. Seu bosta.

Bem, na verdade o porteiro não falou aquele “seu bosta”, mas pela esnobação e entonação da voz foi isso que ele me fez entender. Entrei num lugar todo transado. Penumbra, som ambiente, cores, móveis estranhos, até chegar a um balcão onde as recepcionistas, duas garotas lindas, com seus 23 anos de idade e roupas e cabelos da moda, conversavam. Elas estavam sentadas e eu em pé, mas tive a estranha sensação de que me olhavam de cima para baixo. Chamei pelo Fulano.

– É fulanô.

Tinha uma entonação diferente no nome do cara…

– Pode aguardar ali, seu bosta.

Bem, elas não disseram o “seu bosta”, mas pelo tom da voz, o olhar de enfado, narizinho lindo empinado e falta de sorrisos, foi o que me fizeram entender. Depois de examinar um móvel estranhíssimo, concluí que era uma poltrona. Sentei com cuidado, esperando que alguém me desse uma dura por sentar no camafeu do dono. Observei a sala de espera, que na verdade era uma área de circulação: paredes de vidro aqui, uma escultura estranha ali, uma escada transada acolá, uma pintura na parede alhures, um lustre extraterrestre, aquelas coisas caras, do tipo “tá vendo como eu sou criativo, seu bosta?”.

Ninguém apareceu, abri o iPad e fiquei aguardando o Fulanô. Minutos depois ele chega, um garoto com 26 anos de idade, cabelinho à Neymar e uma coisa no pé que não sei se era tênis ou coturno.

– Olá Luciano, estou esperando que instalem o computador na sala de reunião. Aguarde aí, seu bosta.

Bem, na verdade ele não disse “seu bosta”, mas pelo tom de voz… Continuei a examinar o lugar. Impressionante, espaçoso e com aquela arquitetura feita para diminuir a gente, que me lembrou uma igreja. Eu estava num templo, o templo da Igreja dos Santos do Monte de Grana de Todos os Dias.

Minutos depois o fulanô retorna e diz:

– Deu um problema lá na sala de reuniões e não dá pra subir. Tenho os arquivos aqui num pendrive. Dá pra ver aí ?

Não dava. IPads não têm entrada para pendrives. Era a primeira vez que eu ia a uma reunião sem meu lap top e o cliente me apresentava um pendrive que a bosta do iPad não lê!

Me senti um bosta.