s
Artigos Café Brasil
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 753 – A sala dos professores
Café Brasil 753 – A sala dos professores
Professor...professor...professor... houve um tempo em ...

Ver mais

Café Brasil 752 – Jam Session
Café Brasil 752 – Jam Session
Uma das coisas mais fascinantes é a demonstração de ...

Ver mais

Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
Café Brasil 751 – A hipocrisia nossa de cada dia
A Perfetto é patrocinadora do Café Brasil e… sabe ...

Ver mais

Café Brasil 750 – The Rocket Man
Café Brasil 750 – The Rocket Man
Algumas obras de arte são tão perfeitas, mas tão ...

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
LíderCast 213 – Brunna Farizel e Lucas Moreira
Empreendedores, criadores de uma franquia inovadora, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Ford, polarização e “capitalismo sem riscos”  “A desindustrialização brasileira é resultado das intervenções equivocadas que fizemos. E o pior é que o setor empresarial, as lideranças do setor ...

Ver mais

Os economistas mais influentes da atualidade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Os economistas mais influentes da atualidade  “O que são as pessoas de carne e osso? Para os mais notórios economistas, números. Para os mais poderosos banqueiros, devedores. Para os mais ...

Ver mais

A sala de professores e a deseducação
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Comecei a dar aulas no Ensino Médio em 1999, quando estava no segundo ano da graduação em Filosofia. Ou seja: há mais de vinte anos comecei a freqüentar a sala de professores. Nesse ambiente ...

Ver mais

Leituras, conexões e reminiscências
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Leituras, conexões e reminiscências “Se você tiver uma maçã e eu tiver uma maçã e trocarmos nossas frutas, continuaremos com uma maçã cada. Mas, se você tiver uma ideia e eu tiver uma ideia e ...

Ver mais

Cafezinho 354 – Abaixo de zero
Cafezinho 354 – Abaixo de zero
Sem um propósito, não. E então, como um alpinista sem ...

Ver mais

Cafezinho 353 – Confie desconfiando
Cafezinho 353 – Confie desconfiando
Uma sociedade repleta de gente com excesso de confiança ...

Ver mais

Cafezinho 352 – O drama da esquina
Cafezinho 352 – O drama da esquina
Não espere os grandes dramas nacionais para agir.

Ver mais

Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
Cafezinho 351 – Um autoritário pra chamar de seu
As pessoas perderam completamente o bom-senso e já há ...

Ver mais

A descoberta

A descoberta

Luciano Pires -

Após uma de minhas palestras, perguntaram como cheguei na posição de Diretor de uma grande empresa. Lembrei da lenda que conta que, saindo de Portugal com destino à Índia, Pedro Álvares Cabral acabou descobrindo o Brasil. De que terão servido os planos de navegação para aqueles aventureiros que acabaram chegando noutro continente?

Prefiro imaginar que serviram para motivar para a ação, que deram segurança aos homens para que se atirassem numa aventura com um risco de morte altíssimo. Para se atirar numa empreitada como essa, é necessária uma visão, um objetivo.

Mas hoje lidamos com montanhas de dados e informações e temos pouca gente com conhecimento, criatividade e coragem para tomar decisões.

O que mais vemos é o medo pela incerteza.

Uma pesquisa realizada em Londres na segunda guerra, quando a cidade era alvo das bombas alemãs, é reveladora. As bombas eram imprecisas e, embora tivessem como destino o centro de Londres, muitas vezes caiam nos bairros mais afastados. A pesquisa mostrou que as pessoas que viviam nos bairros afastados, onde as bombas caíam de vez em quando, apresentaram maior índice de distúrbios cardíacos que as pessoas que viviam no centro da cidade, onde sempre caíam as bombas. A incerteza era o problema…

Quando você tem um plano, mesmo que a bomba venha, você sente a segurança de estar no caminho mais seguro possível. Ou ao menos de ter tomado as providências possíveis. Sem um plano, sem saber onde você quer chegar, qualquer caminho serve, lembra do gato conversando com a Alice?

A resposta que dei àquela pergunta foi uma: tracei um plano, sim, para chegar a um Brasil que idealizei: aos 17 anos de idade eu queria ser um grande cartunista e escritor brasileiro. Estudei na área que me interessava, comunicação, me expus a situações, escolhi caminhos, me privei de prazeres e trabalhei como louco. E um dia percebi que não ia rolar. Que a vida como cartunista ou escritor seria difícil, eu estava recém-casado, sem grana, só com incertezas. Bolei então um plano estratégico: deixaria de lado, guardado, o sono de ser cartunista e escritor, e arrumaria emprego num grande empresa, onde eu tivesse a segurança de um salário mensal, férias, décimo terceiro e tudo mais. Ficaria na empresa por 3 ou 4 anos, tempo suficiente para eu amadurecer, guardar algum dinheiro e aprender como era a vida de casado. Então eu sairia da empresa e montaria meu próprio negócio, para viver do cartum e da escrita.

E assim fiz. E meu plano quase deu certo… Só não deu porque em vez de 4 anos, eu fiquei 26 anos na empresa. E 12 na função de diretor.

De repente lá estava eu, de terno e gravata, executivo de multinacional, viajando o mundo, tentando mostrar para os gringos que o Brasil era um país sério e ajudando a vender… autopeças.

Muito distante do sonho do escritor e cartunista.

Mas e aquele plano lá dos 17 anos de idade? Continuou ali, adormecido. E tudo que aprendi no caminho de me tornar um escritor e cartunista, me ajudou imensamente na carreira de executivo. Escrevi pra caramba, desenhei pra caramba, aprendi pra caramba. E quando em 2008 o destino quis que meu tempo na empresa se encerrasse, aos 52 anos, eu decidi sair da empresa. Fiz um acordo e no dia seguinte eu estava sentado em meu escritório, no Café Brasil Editorial, fazendo palestras, prestando consultoria e… escrevendo e desenhando.

Aos 17 anos de idade, como Cabral, eu fiz um plano: eu ia para o Brasil de meus sonhos.  Eu não sabia se chegaria no Rio Grande Sul, em Santos, na Bahia ou em Fortaleza. Mas sabia que chegaria ao Brasil que visualizei.

Foi aquele plano, traçado 43 anos atrás e adaptado conforme o tempo passava, que me trouxe até aqui.

Eu tinha um plano. Sem ele, em vez de Brasil, talvez eu tivesse chegado na Índia.

E você? Tem um plano?

Ou apenas esperanças?