s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

A descoberta

A descoberta

Luciano Pires -

Após uma de minhas palestras, perguntaram como cheguei na posição de Diretor de uma grande empresa. Lembrei da lenda que conta que, saindo de Portugal com destino à Índia, Pedro Álvares Cabral acabou descobrindo o Brasil. De que terão servido os planos de navegação para aqueles aventureiros que acabaram chegando noutro continente?

Prefiro imaginar que serviram para motivar para a ação, que deram segurança aos homens para que se atirassem numa aventura com um risco de morte altíssimo. Para se atirar numa empreitada como essa, é necessária uma visão, um objetivo.

Mas hoje lidamos com montanhas de dados e informações e temos pouca gente com conhecimento, criatividade e coragem para tomar decisões.

O que mais vemos é o medo pela incerteza.

Uma pesquisa realizada em Londres na segunda guerra, quando a cidade era alvo das bombas alemãs, é reveladora. As bombas eram imprecisas e, embora tivessem como destino o centro de Londres, muitas vezes caiam nos bairros mais afastados. A pesquisa mostrou que as pessoas que viviam nos bairros afastados, onde as bombas caíam de vez em quando, apresentaram maior índice de distúrbios cardíacos que as pessoas que viviam no centro da cidade, onde sempre caíam as bombas. A incerteza era o problema…

Quando você tem um plano, mesmo que a bomba venha, você sente a segurança de estar no caminho mais seguro possível. Ou ao menos de ter tomado as providências possíveis. Sem um plano, sem saber onde você quer chegar, qualquer caminho serve, lembra do gato conversando com a Alice?

A resposta que dei àquela pergunta foi uma: tracei um plano, sim, para chegar a um Brasil que idealizei: aos 17 anos de idade eu queria ser um grande cartunista e escritor brasileiro. Estudei na área que me interessava, comunicação, me expus a situações, escolhi caminhos, me privei de prazeres e trabalhei como louco. E um dia percebi que não ia rolar. Que a vida como cartunista ou escritor seria difícil, eu estava recém-casado, sem grana, só com incertezas. Bolei então um plano estratégico: deixaria de lado, guardado, o sono de ser cartunista e escritor, e arrumaria emprego num grande empresa, onde eu tivesse a segurança de um salário mensal, férias, décimo terceiro e tudo mais. Ficaria na empresa por 3 ou 4 anos, tempo suficiente para eu amadurecer, guardar algum dinheiro e aprender como era a vida de casado. Então eu sairia da empresa e montaria meu próprio negócio, para viver do cartum e da escrita.

E assim fiz. E meu plano quase deu certo… Só não deu porque em vez de 4 anos, eu fiquei 26 anos na empresa. E 12 na função de diretor.

De repente lá estava eu, de terno e gravata, executivo de multinacional, viajando o mundo, tentando mostrar para os gringos que o Brasil era um país sério e ajudando a vender… autopeças.

Muito distante do sonho do escritor e cartunista.

Mas e aquele plano lá dos 17 anos de idade? Continuou ali, adormecido. E tudo que aprendi no caminho de me tornar um escritor e cartunista, me ajudou imensamente na carreira de executivo. Escrevi pra caramba, desenhei pra caramba, aprendi pra caramba. E quando em 2008 o destino quis que meu tempo na empresa se encerrasse, aos 52 anos, eu decidi sair da empresa. Fiz um acordo e no dia seguinte eu estava sentado em meu escritório, no Café Brasil Editorial, fazendo palestras, prestando consultoria e… escrevendo e desenhando.

Aos 17 anos de idade, como Cabral, eu fiz um plano: eu ia para o Brasil de meus sonhos.  Eu não sabia se chegaria no Rio Grande Sul, em Santos, na Bahia ou em Fortaleza. Mas sabia que chegaria ao Brasil que visualizei.

Foi aquele plano, traçado 43 anos atrás e adaptado conforme o tempo passava, que me trouxe até aqui.

Eu tinha um plano. Sem ele, em vez de Brasil, talvez eu tivesse chegado na Índia.

E você? Tem um plano?

Ou apenas esperanças?