s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

A Escassez

A Escassez

Luciano Pires -

Quando deixei a Dana, empresa onde trabalhei por 26 anos, para dedicar-me a projetos de internet, radio, palestras e edição de livros, mergulhei no mundo dos empreendedores. Escrevi na época um texto chamado “Sobre Canários e Sabiás” onde eu comparava a segurança do canário (o executivo) preso na gaiola, com a liberdade do sabiá (o empreendedor) que podia voar para onde quisesse.

Passados doze meses, creio que dá para fazer uma avaliação do vôo do sabiá.

Bem, tudo começa com uma embriaguez de liberdade. Não é mais preciso estar no lugar tal na hora tal todo dia. Não é mais preciso enfrentar um trânsito infernal para ir trabalhar. Não é preciso mais fazer papel de bobo da corte na comédia corporativa. Não é preciso mais mandar aquele relatório que os gringos acabam de pedir e que tem que ser entregue em duas horas. Não é preciso usar terno e gravata. A agenda é sua e você faz o que quiser com ela.

Não encontro outro termo: embriaguez. Você fica embriagado com a liberdade e as primeiras semanas são caóticas. É outra dinâmica, outro mundo.

Então você começa a tomar contato com outras culturas, diferentes daquela onde você atuou durante anos. E descobre que em muitos aspectos você está anos luz à frente de empresas que você sempre admirou. Descobre que os problemas se repetem não importa em que ramo de atividades você atue.

Então vem a percepção da perda do sobrenome corporativo. Você não é mais o “Luciano da Dana”. Agora você é um Luciano qualquer, um mané que vai experimentar as cadeiras das salas de espera. Descobrirá que já não tem tantos amigos como parecia. Eu já tinha me preparado para isso, pois havia conversado com muitos ex-executivos que mudaram para sabiá. Mas nunca me preparei para a morte do que chamo de “etiqueta corporativa”. Dei de cara com a falta de educação que tomou conta do mercado. Os contatos pessoais onde a gentileza e o apreço são cultivados praticamente desapareceram, principalmente nos níveis intermediários das empresas. Como sabiá você passa a ser recebido pelo sub do sub do sub. Gente até esforçada, mas com capacidade zero como interlocutor numa discussão estratégica. O máximo que essa gente consegue é discutir ações táticas, desde que sejam familiares.

E-mails não são respondidos, telefonemas não são retornados, horários de reuniões não são respeitados, promessas não são cumpridas, prazos não são obedecidos. Tá certo, como diriam os gringos: “s hit happens”. Mas quando o normal é que ninguém mais tenha educação ao menos para retornar dizendo “não interessa”, a coisa está mal.

Olhar as grandes corporações de fora, como fornecedor, tem sido um exercício fascinante. Discurso para um lado, ação para outro. Processos criados para melhorar as coisas e que apenas complicam e encarecem. Jovens com MBA e falando três idiomas, mas incapazes de diferenciar o importante do urgente. Medo generalizado destruindo qualquer iniciativa de inovação. Eu quero é preservar o meu…

Confesso que esse cenário este sabiá novato não esperava. Mas o vôo está apenas começando.

Meu maior desafio dos últimos 12 meses tem sido lidar com a escassez de educação, polidez, gentileza, apreço, atenção e respeito.

Coisas que ninguém aprende na escola.