s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

A Grande Festa

A Grande Festa

Luciano Pires -

Em minha palestra “”O Meu Everest””descrevo tudo que precisei fazer para realizar o sonho de minha vida: chegar o mais próximo possível da maior montanha do mundo.

Começo a palestra falando de minha infância em Bauru, em 1963, e dos sonhos de uma criança com seis anos de idade. Depois vou caminhando pelo tempo, contando da fascinação pelos aventureiros, do encontro com o Everest ao assistir um documentário e do processo de pesquisa, descobertas e preparação para a viagem da minha vida.

É uma história divertida e repleta de lições, que tem seu ponto culminante o momento em que – depois de nove dias de caminhada – chego aos 5.350 metros de altura do Campo Base do Everest. Uma vitória.

Então apresento uma série de fotos do acampamento e brinco com a platéia:

– Ao ver essas fotos vocês provavelmente me farão uma pergunta: “É isso? O que é que tem lá?”

– Pedras.

– O que mais?

– Gelo!

– Dá pra ver o Everest?

– Não!

– Como assim? Você saiu da sua casa, foi pro fim do mundo, correu risco de vida, passou frio pra ver uma pedreira? Você é maluco?

As pessoas não entendem… O Campo Base do Everest tinha muito pouco a oferecer. Na verdade ele serviu mesmo foi para apontar a direção, para ajudar a calcular quanto tempo levaria a caminhada. Ele possibilitou que eu fizesse um plano. O Campo Base era a materialização de meu sonho. Mas as pessoas pensam que fui para lá por causa dele. Não fui.

Minha viagem começou em 1963 e só vai terminar quando eu morrer. Tudo que aconteceu antes, durante e depois é o que realmente importa. “O meu Everest” é um processo de transformação, que me fez uma pessoa diferente. O Campo Base era só um detalhe. Mas é só o que a maioria das pessoas consegue ver…

Bem, conquistamos o direito de organizar a Olimpíada de 2016 no Brasil. Pessoalmente acho que temos outras prioridades nas quais aplicar os milhões que o evento exigirá, mas o que está feito, está feito e fiquei feliz.

Agora é fazer direito.

Minha preocupação – à parte as questões da corrupção, incompetência, intenções eleitoreiras e conchavos – é que os responsáveis tratem a Olimpíada como as pessoas tratam a minha viagem: de olho apenas no objetivo tangível.

Organizar a Olimpíada exigirá um grau de profissionalismo como raramente demonstramos antes, mas daremos um jeito. O importante é que os jogos não podem ser vistos apenas como “os jogos”. Tudo que acontecerá até, durante e depois deles é o que importa. Os jogos em si serão apenas um detalhe – se quisermos que a Olimpíada seja realmente um ponto de inflexão na curva de amadurecimento do Brasil.

Mas será que a turma do curto prazo tratará os jogos como um fim, não como um processo? Focará na construção de obras sem planejar sua sustentabilidade? Usará os atletas, descartando-os em seguida até a próxima Olimpíada?

Será que no dia seguinte o Brasil tirará a fantasia e voltará ao que era antes?

Se assim for, não teremos aprendido nada. Perderemos a oportunidade de usar a Olimpíada para transformar o Brasil. Como aconteceu no Pan do Rio, apenas mostraremos ao mundo que somos bons de festa.

Isso é muito pouco.