s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

A Herança Maldita

A Herança Maldita

Luciano Pires -

Pronto. Agora são os paraguaios que vão enfiar as mãos em nossos bolsos, cobrando mais caro pela energia de Itaipu. Você não acha estranha a complacência com que Lula e seus companheiros tratam nossos vizinhos? Sempre que entramos numa pendenga com algum “hermano” a sensação é a de que o Brasil acaba cedendo. Não existe confronto.
E a explicação está sempre na ponta da língua: estamos resolvendo com negociações, nos damos bem com todo mundo, eles são pobrinhos e temos que ajudar etc etc etc.
Uma vez ouvi uma definição que se aplica ao caso: O Mercosul é um jantar entre amigos onde a Argentina escolhe a comida e o Brasil paga a conta.
Pois concluí uma coisa curiosa. Lula, Marco Aurélio Garcia, Celso Amorim, Tarso Genro, Dilma e outros caciques petistas, neopetistas, protopetistas e broncopetistas assumiram o poder na maior nação capitalista da América do Sul. Esses senhores foram educados pela velha cartilha socialista que demoniza os capitalistas, principalmente os Estados Unidos. Chamam os EUA de imperialistas. Dizem que qualquer movimento que os estadunidenses fizerem tem o objetivo de tomar as riquezas de outros países. Culpam o capitalismo pelo efeito estufa. Pela invasão de países indefesos. Pelas crises econômicas globais. Pela pobreza cultural. Pela fome no mundo. Não foi Lula quem outro dia passou um pito em George Bush, mandando que ele ficasse com sua crise por lá?
O discurso esquerdista desses senhores – que jamais abriram mão de desfrutar dos bens materiais do capitalismo  – é manjado, repleto de clichês, envelhecido e apoiado em valores morais discutíveis, para dizer o mínimo.


Pois bem.


Outro dia eu me queixava para um de meus colegas das dificuldades que nós, brasileiros, encontramos quando vamos a reuniões nos Estados Unidos. A turma de lá sofre de “globalpia”, uma espécie de hipermetropia que faz com que só enxerguem de longe, sem conseguir ver detalhes. Acham-se os mais eficientes, os mais evoluídos, os mais inteligentes, os mais. E até entendo suas razões para pensar assim.
Toda vez que apresento nossos trabalhos naquelas reuniões, sinto-me como um índio botocudo diante dos MBAs de Harvard. Quando termino a apresentação já sei o que ouvirei:
– Good job Luciano! We are impressed!
Volto a meu lugar satisfeito com o elogio e a vida continua. Como antes. As nossas geniais idéias são esquecidas, as melhores práticas esnobadas e, por mais brilhantes que sejam nossas soluções, jamais são aplicadas. Afinal, o que é que um ianomani pode acrescentar ao “bizines”?
E então meu colega provocou:
– E se fosse uma reunião no Brasil e um boliviano ou paraguaio começasse a apresentar idéias brilhantes? Como é que nós reagiríamos?
– Elogiaríamos o índio e voltaríamos para nossas soluções sérias e geniais. Exatamente como os estadunidenses fazem conosco…
– Somos os imperialistas da América do Sul!


Pois é…
Os socialistassauros da turma do Lula sabem que nas reuniões com nossos vizinhos serão vistos como a elite burguesa, capitalista e exploradora. Sabem que todas suas atitudes serão recebidas como truques para tomar o gás, o petróleo, a energia, a terra, os alimentos e o dinheiro dos “pobres proletários explorados”…
Para os velhos esquerdistas a verdadeira herança maldita é o rótulo de capitalista. De imperialista.
Daí uma das possíveis explicações para a generosidade com os vizinhos: é para aliviar o sentimento de culpa.
Inauguramos o “capitalismo com remorso”.


Tinha que ser aqui…