s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Cafezinho 426 – Quem tem pressa?
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A Moerda

A Moerda

Luciano Pires -

-”Reforma? Prefiro vender a casa”. É minha resposta cada vez que ouço alguém falar sobre realizar obras em casa. Fui treinado nesse calvário. Pelos melhores. Pedreiros, encanadores, eletricistas, telhadistas, pintores, gesseiros, jardineiros… Capitaneados por um empreiteiro. Todos inteligentes enganadores, que prometiam e jamais cumpriam. Mas cobravam direitinho. Tem uma frase que, quando ouço, me arrepia:

– Quando secar vai ficar igual, Doutor.

Tratei desse tema recentemente num outro artigo, o “Foi Mal”, quando publiquei um e-mail de um leitor, o Caio, que repito aqui:

“Outro dia, o dono da empresa que trocou o telhado de minha casa tascou: ‘Então, Seu Caio, desculpe alguma coisa, tá?’ Na hora, eu ía responder: ‘Ué, mas se você fez algo para se desculpar, vai lá e arruma, ainda dá tempo!’ E ele, em vez de me pegar pelo braço e ir mostrar orgulhosamente sua obra, as qualidades, modo de usar, tecer comparações entre o prometido e o realizado etc. perpetrou o indefectível ‘Tchau!’, entrou no carro e se mandou. Aí fiquei pensando: já ouvi essa frase algumas vezes nos últimos tempos. Parece que ela está ficando comum, no Brasil, em vez de fazer o serviço direito, fazer de qualquer jeito e então pedir ‘desculpas por alguma coisa’. O profissionalismo terá mesmo ido pelo ralo? O ‘desculpe’ é apropriado para o feito ‘nas coxas’. Pois proponho ao Banco Central criar uma moeda flexível: um Real que valesse mais ou menos conforme a qualidade do serviço a ser pago. Essa moeda de escala flexível funcionaria assim: um serviço impecável você pagaria com um Real ‘A’ bom, firme. Um serviço mais ou menos você paga com o Real ‘B’ que só dá para comprar 1/3 ou metade das coisas com ele. Seria legal, não? A moeda corresponde à qualidade do serviço a pagar. Talvez assim conseguíssemos realizar algo muito simples: cumprir e pagar conforme o contrato firmado.”

Naquele artigo, o “Foi Mal”, achei a idéia do Caio interessante! O Real de merda para pagar serviços de merda…
Pois fui adiante, evoluindo a idéia do Real flutuante. Vou mandar uma proposta para uns políticos, com uma sugestão de mudança na moeda.
Teremos uma moeda e uma “moerda”.
A  moeda é o Real, que continua como está. E a moerda é o tal “real flutuante”, que vale uma fração do Real normal.  Mas que não pode chamar-se “real flutuante”. Não orna. Fui então pesquisar um nome para a moerda: algo que promete uma coisa, entrega outra fora das características, inventa uma desculpa e se manda. E depois aparece de novo, com a cara lavada, pra prometer outra vez e entregar tudo torto. E sempre se dá bem.
Pesquisei, perguntei, comparei e achei! O nome da nova moerda será: Inácio.

“Inácio” vem do latim “ardente, fogoso” e indica uma pessoa vivaz e inteligente, que em geral amadurece com as dificuldades. Supera com bom humor e perseverança os obstáculos e acaba obtendo grandes êxitos.
Perfeito. Descreve direitinho aquele empreiteiro de moral torta que me enganou na reforma da casa.

O nome da moerda será Inácio. Você combina o valor do serviço. Se tudo estiver conforme o acordado, paga em Reais. Mas se o sujeito entregar diferente do que prometeu , paga em Inácios. Os Inácios sempre valerão uma fração do Real, variando de tempos em tempos conforme o índice FHC, Fator de Honra e Credibilidade, definido pelo partido que estiver na oposição.
A moerda será identificada como RI$.

Aqueles deputados e senadores que vendem seus votos passarão a receber os salários em Inácios. O apresentador de televisão que promete cultura e entrega lixo, receberá em Inácios. Os jogadores do Corinthians receberão em Inácios. Os shows daqueles pagodeiros de plástico serão pagos em Inácios. Passagens aéreas? Inácios. Telefonia celular? Inácios. Aquele depósito “em nome do Senhor”? Inácios.
Sabe qual é o perigo? É que o Inácio, nascido para ser a exceção, em pouco tempo transforme-se em regra. E todo mundo vai se acostumar. E o padrão baixa de vez para Inácios.
Em vez de ser do Real, o Brasil será o país do Inácio.

Pô… Pensei que eu estava criando uma novidade…