Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

A Oficina

A Oficina

Luciano Pires -

Passeando por Recife fui conhecer a Oficina Brennand. Os Brennand são uma família rica e Francisco – que se revelou um talentoso desenhista, pintor, escultor e ceramista – dedicou-se por mais de 30 anos a um sonho. Transformou a velha olaria que seu pai fundou em 1917 num complexo artístico chamado Oficina Brennand. Saí de lá sem fôlego… A velha olaria arruinada foi aos poucos reformada. Muitas áreas ainda mostram o estado de abandono original, mas agora – qual uma ruína grega – é um abandono conservado, como que para servir de testemunha da história. Francisco Brennand é chamado de “Mestre dos Sonhos”.
Sua oficina é gigantesca: são mais de 10 mil metros quadrados de grandes áreas de exposição com centenas de esculturas, uma mais instigante que a outra. São sonhos, pesadelos, piadas, críticas, símbolos fálicos, formas eróticas em meio a jardins projetados por Burle Marx. No meio da oficina, uma capela sombria. Em seu interior um ambiente sagrado, com música clássica ao fundo e nenhuma imagem sacra. Nenhuma cruz. Nenhum anjo. Nenhuma santa. Nenhum cálice. Apenas esculturas, formas orgânicas, objetos indefiníveis. Fascinante! O sagrado está lá, na atmosfera, sem precisar de ícones.
Brennand está com oitenta anos e isso fica claro quando apreciamos sua produção. Naquele lugar uma vida se apresenta diante de nós. Só o tempo permite construir algo como o que vi por lá. A integração perfeita entre arquitetura, paisagismo, escultura, pintura, desenho… A oficina de Francisco Brennand é uma demonstração de como a sensibilidade pode mudar a realidade. Caminhando pelos corredores, a mente entra em ebulição. Ganha um sopro de frescor. A oficina de Brennand é um spa mental. Saímos de lá provocados, motivados, inspirados, com a sensação de que estivemos em outro planeta. O planeta Brennand. O arquiteto Fernando de Barros Borba definiu com perfeição a arte de Brennand: “…Mas para quê descrever? Palavra alguma pode dizer a arte de Brennand. A literatura é inútil. Ele escreve com a cerâmica”.
Quer ver? Acesse www.brennand.com.br e tente descrever o que vê…
Pois é… Saí de lá embriagado de arte, em direção à loja-lanchonete, cuja decoração segue a do conjunto. Pedi uma deliciosa empadinha, um suco diferente, comprei um catálogo maravilhoso, uma peça de cerâmica e sentei-me para curtir o que acabara de ver. 
E então percebi que algo estava errado.


No espaço daquela lanchonete bonita, onde a arte comanda a arquitetura, as garçonetes colocaram como trilha sonora um disco de pagode. Fui escarrado para fora do planeta Brennand, direto para o Brasil. Pagodinho enjoativo, insuportável pagodinho. Daqueles gravados ao vivo com o povo cantando junto. Se fosse o Pagode – com “Pê” maiúsculo – do grupo Fundo de Quintal… Mas não. Era um daqueles conjuntinhos de acrílico… Aquilo foi uma heresia. Fui falar com a gerente e ela me disse tristemente:

– Cuido da loja, não cuido da lanchonete. E esse som, quem coloca são as meninas de lá. É um horror…

Pronto. Lá estava eu mais uma vez diante da contradição chamada Brasil. De um lado a arte em sua mais pura expressão, tocando nossas almas. De outro, escolhido pelo “povo”, o comércio das gravadoras, distorcendo e explorando a arte em seu mais baixo nível. Um retrato do Brasil. Mas como “sou elite”, tenho que cuidar para evitar esse meu “preconceito contra o popular”…
Olha, nada disso tira o brilho do que vi em Recife. Estando por lá, não perca a oportunidade de visitar a Oficina Brennand e abrir sua alma para a sublime experiência da arte.
E o pagode? Bem, talvez essa praga um dia desapareça, esgotada em sua mediocridade. Mas o gênio de Francisco Brennand, lá em Recife, ficará. Mas ficará para poucos. Para uma elite. O povo estará mais atento ao pagode. É pra isso que ele está sendo treinado.