Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

A pedagogia da porrada

A pedagogia da porrada

Luciano Pires -

Ontem passei o dia recebendo recados de pessoas perguntando se eu não ia falar dos professores no Paraná, inclusive provocações de esquerdistas à espera de uma palavra minha sobre o malvado governador do PSDB que mandou a polícia trucidar os pobres professores.

Não. Eu decido minhas pautas, quando e como falar. E não costumo falar no calor dos acontecimentos, quando ninguém ouve, todo mundo bate, todo mundo apanha, todo mundo tem razão e ninguém tem razão. Por isso esperei passar o auge do conflito.

Para comentar o que aconteceu no Paraná, há que se refletir sobre o que se vê e o que não se vê. E na forma e conteúdo.

Conteúdo: os professores brasileiros, assim como os demais profissionais da educação, há muito, pelo menos 40, 50 anos, sofrem um processo de perda de importância. Foram relegados a segundo plano, recebem salários ridículos, trabalham sob condições horríveis, perderam autoridade e só mesmo aqueles que amam o que fazem superam os obstáculos para se manter felizes na profissão. O Brasil precisa recuperar essa classe, fundamental para que o país cresça, se liberte do populismo rasteiro e abrace sua vocação empreendedora. São os professores os agentes dessa mudança e deveriam portanto ter a importância reconhecida. Nenhum político deveria ter salário maior que um professor experiente. Nenhum político deveria tratar a educação em segundo plano. Ponto.

É justo que os professores reclamem, é justo que sociedade se una em torno deles, é justo que todos busquemos valorizar a classe de profissionais mais importante deste país. Antes de um médico, de um engenheiro, de um advogado, de um marqueteiro, de um politico, tem sempre um professor. Sempre que vejo uma manifestação de professores pedindo por melhores condições de trabalho, salário e segurança, me solidarizo com eles.

Estou com os professores e não abro. Tá entendido?

Forma: os professores brasileiros, assim como diversas outras classes profissionais como metalúrgicos, metroviários, profissionais da saúde, há muito são usados pelo sindicalismo de conveniência. Gente especializada em baderna é infiltrada nas manifestações, provocando os confrontos. Buscam um cadáver. Até o momento só conseguiram um, o cinegrafista da Bandeirantes, mas esse não serve. É um cadáver do lado errado.

Quem são aqueles indivíduos truculentos atacando a polícia, quebrando o prédio, ameaçando as pessoas? Professores? Black blocs infiltrados? Iniciado o conflito isso não interessa mais. Sobra bala de borracha, bomba, cassetete e mordida de cachorro para todos, como vimos ontem no Paraná, em Baltimore e em Katmandu. Não defendo a truculência policial, o que quero reiterar é que não importa se o governo é de direita, esquerda ou centro, na porrada o Estado sempre ganha. E os que defendem a ideia medieval de que o sangue – sempre dos outros – é a única forma de pressionar os poderosos, sabem disso e se apoderam dos movimentos legítimos das classes para trabalhar sorrateiramente por seus projetos de poder.

Há muito aprendemos que é o resultado estético da porrada que verdadeiramente interessa aos que provocam conflitos para defender suas agendas. A quem servem as imagens poderosas da professora sangrando, do jornalista mordido, das crianças tossindo com o gás? É possível permanecer indiferente a elas? Claro que não!

Passado o conflito, as redes sociais e a imprensa se dedicam furiosamente a falar da truculência da polícia, das pobres vítimas e do perverso governador, focando naquilo que se vê.

Mas a questão está no que não se vê.

Me responda então: a quem interessa a pedagogia da porrada?

Duvido que aos professores.