s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

A Perca

A Perca

Luciano Pires -

A PERCA

 Recebo cópia de um e-mail relatando o extravio de um telefone celular. Não conheço a pessoa que mandou, mas o nome da empresa está lá, depois do “arroba”. Título do e-mail: “Perca do celular do fulano de tal”. “Perca” do celular… Primeiro vem a porrada ao ler “perca”. Depois vem a constatação de que essa pérola era título de um e-mail com o nome de uma empresa de um amigo meu. Não resisti. Liguei pro meu amigo. E a explicação foi uma demonstração de que estamos indo mesmo para algum buraco…


– Ah, deixa pra lá. O cara que escreveu o e-mail é um terceirizado…


A terceirização é mais uma daquelas pérolas dos sistemas de administração, que têm mais de cinqüenta anos de idade e que repentinamente ressurgem com um nome novo para solucionar nossos problemas. No caso em discussão, é o “outsourcing”. Nos compêndios administrativos, terceirização é definida como “ um processo de gestão pelo qual se repassam algumas atividades para terceiros – com os quais se estabelece uma relação de parceria – ficando a empresa concentrada apenas em tarefas essenciais ao negócio em que atua”. Bonito, né? O custo fixo de salários e benefícios transformado em despesa teoricamente variável e a estrutura administrativa reduzida. Brilhante… Mas como é que se contabiliza a “perca”? Como é que se faz o “outsourcing” de uma área que contribui para construir ou destruir a imagem da empresa?


Minha esposa ganhou, nos últimos noventa dias, dezesseis novos amigos. Tudo por ter adquirido um telefone celular Siemens. Comprou nas Lojas Americanas e doze dias depois o aparelho parou de funcionar. A garantia de troca vencia em sete dias. A instrução foi para ligar para a assistência técnica da Siemens. Evidentemente, terceirizada. Começou então uma epopéia de três meses e dezesseis interlocutores, com ligações telefônicas demoradas, deslocamentos para serviços (terceirizados) de assistência técnica, sumiço do aparelho (dentro dos terceirizados) e uma sucessão de desculpas e demonstrações de que o terceirizado não se importava com o problema. Simples e burocraticamente repetia os textos-padrão. E dane-se o cliente. Essa história é familiar para você? Neste caso foi Siemens, mas poderia ter sido qualquer outra empresa que decidiu delegar a terceiros a função mais importante de qualquer negócio: proporcionar inconveniência zero a seus clientes. Mas isso tem preço. Terceirização só faz sentido quando o terceiro tem mais tecnologia, conhecimentos ou processos melhores que os seus. Custos mais baixos não podem ser a medida principal nem preponderante. Principalmente se houver pontos de contato com seus clientes, que precisam de gente com tesão para resolver problemas. Fale a verdade, você acha que dá para conseguir zero de inconveniência com a turma baratinha, simplesinha , terceirizada e que escreve “perca”? Não dá, né?


Além disso, tem a natureza humana: parceiros, parceiros, mas antes de defender o seu, vou defender o meu…


Pronto. Receberei e-mails indignados de dois tipos de gente. Primeiro de lingüistas ideologicamente estressados que me acusarão de preconceituoso contra o coitadinho que fala errado. Não “perdam” tempo pois isso não é preconceito. É conceito mesmo.


Depois virão donos de empresas de serviços terceirizados, garantindo que são capazes de realizar um trabalho de qualidade. Pode ser. Mas só acredito quando me provarem que dá pra terceirizar tesão.