s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

A síndrome do consenso

A síndrome do consenso

Luciano Pires -

O Jornal Nacional teve em 2010 o menor índice de audiência dos últimos dez anos. Explicações ideológicas virão, mas não vou aqui focar no conteúdo político e ideológico do telejornal. Alô patrulheiros, entenderam? Não vou tratar aqui do conteúdo político e ideológico.  Tratarei de questões formais com base no que aprendi como palestrante: faltam erros no JN. Explico.

O JN é um telejornal extremamente bem acabado do ponto de vista estético. Soberbo. Reúne alguns dos melhores e mais experientes jornalistas brasileiros. É visível que cada fração de segundo é controlada. Tempos atrás o editor-chefe e apresentador Willian Bonner foi acusado de chamar os telespectadores do JN de “Hommers Simpsons”, em alusão ao personagem do desenho animado que é um sujeito medíocre. Foi um escândalo, Bonner se esmerou em esgrimar as palavras para tentar dizer que não era bem assim, mas sabemos que é assim. E aí está a pista para a queda do JN: a “Síndrome do Consenso”.

A Síndrome do Consenso é uma doença que acomete quem quer audiência cavalar (asinina deveria ser o termo): tem que agradar a gregos e troianos, tem que falar para o índio do Xingú, para a dona Maria de Nazaré das Farinhas e para o executivo da avenida Paulista. Então não pode ser erudito demais. Nem popular demais. Tira o sal, a pimenta… o tempero. Nivela até transformar em algo parecido com leite desnatado: aguado, sem gosto, sem graça. Sorrisos irônicos, expressões de medo, angústia, raiva ou indignação por parte dos apresentadores são proibidos por causa das patrulhas. Comentários pessoais então… 

E assim vemos uma coisa cada vez mais perfeita. E menos humana.

O surgimento em 2010 do Tiago Leifert, o garoto que revolucionou o jeito de apresentar o Globo Esporte, parece que não ensinou nada para a Globo. Muito diferente dos “mauricinhos” certinhos que o precederam, Tiago levou ao ar o espírito de um garotão – divertido, bonachão e irreverente. Imprevisível. Tremendo sucesso. O mesmo sucesso que fez o pessoal do Pânico quando encheu a tela de gente politicamente incorreta. O CQC foi na mesma linha. E se voltarmos no tempo, Chacrinha era assim. Faustão lá no Perdidos na Noite era assim. Quando surgiu, Ratinho era assim. Todos excessivos, escrachados, opiniáticos, não preocupados em ficar na média, sendo amados ou odiados, mas provocando e indignando.

Não acho que seja preciso ir a extremos, mas eu adoraria ver alguém de carne e osso, que faça xixi e cocô, apresentando o JN! Alguém que ri, chora e fica indignado. Alguém que erre! Que transmita a vibração do mundo real. To de saco cheio do bando de robôs lindos e desprovidos de sentimentos.

Pois é… Mas um ser humano com liberdade para verter lágrimas ou demonstrar ironia no comando do telejornal mais importante do Brasil agregaria uma carga de instabilidade e imprevisibilidade impossível de ser aceita pelos patrulheiros de plantão. Dentro e fora da Globo.  

Por isso não vi novidade quando soube que o JN perdeu um em cada quatro espectadores nos últimos dez anos. 

O JN não tolera erros. E quem não erra, humano não é.

Luciano Pires
PS: por favor, NÃO me mande emails comentando o posicionamento ideológico do JN. Esse não é o tema deste texto.