s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

A universidade do milho

A universidade do milho

Luciano Pires -

Acabo de retornar de uma daquelas viagens que renovam minha esperança no Brasil. Estive em Patos de Minas, palestrando no II Seminário Agroceres de Economia e Negócios. O evento fez parte da programação da Fenamilho 2013, organizada pelo Sindicato dos Produtores Rurais e que acontece naquela cidade desde 1959. Hoje é considerada a maior festa de Minas Gerais. São 10 dias de atrações em 130 mil metros quadrados, numa cidade que tem pouco mais de 130 mil habitantes. É impressionante. A gente caminha pela área do evento, repleta de estandes de empresas do agronegócio e empreendedores regionais e vê claramente a riqueza da economia da região. De novo: impressionante!

O seminário discutiu o agronegócio, especialmente a cultura do milho. E o que vi ali foi a repetição do que eu havia visto uma semana antes em Caxias do Sul, no Seminário Transpodata. Dados fantásticos sobre o aumento da produtividade e, especialmente, o potencial de crescimento dos negócios. E no final a mesma conclusão: apesar de todo o potencial, não se espera grandes saltos de crescimento, pois não existe nem capacidade de armazenamento nem de transporte para escoar a safra. O agronegócio brasileiro é imbatível até a porteira. Dali para fora é um desastre logístico que derruba nossa competitividade e limita o crescimento. Um desastre de planejamento e execução, de falta de estradas, ferrovias, hidrovias, portos e tudo aquilo que há 40 anos reclamamos. As prioridades dos governantes são outras.

Após minha palestra participei de uma rodada de debates e uma das perguntas lançadas para a mesa foi sobre a falta de mão de obra qualificada em várias frentes. Como suprir essa deficiência? Na minha resposta, eu disse mais ou menos o seguinte:

“Se vocês forem esperar pelo governo, jamais resolverão o problema da formação da mão-de-obra. Lamento, mas a solução vai implicar em mais custo para vocês, que julgo impossíveis de serem evitados. Vocês tem que pensar na Universidade do Milho, juntando forças, reunindo produtores, associações, entidades de classe, cooperativas e fornecedores para criar o seu próprio sistema de educação, focado nas habilidades e atributos que a indústria de vocês precisa. Vocês tem que construir seu próprio complexo educacional, investindo por conta própria, sem depender do governo.”

E dei alguns exemplos, como a criação pela Ford de uma escola de mecatrônica em Camaçari para suprir mão de obra para sua fábrica então recém inaugurada.

Sim, parece um absurdo. É mais custo, é pagar de novo por um serviço que é obrigação do governo… Mas é infinitamente mais barato que o custo da inoperância e da ignorância.
Universidade do Milho. Universidade da Soja. Universidade do Boi. Universidade do Vidro. Universidade do Aço. Universidade do Pão. Universidade da Energia… Iniciativas privadas de quem quer resolver os problemas. Tenho certeza que a ideia é óbvia ululante, e que talvez você conheça exemplos de setores da economia que já estão fazendo isso. Se conhece, por favor, conte para todo mundo, acessando a área de comentários deste artigo em www.portalcafebrasil.com.br.

Acho que mais gente vai se beneficiar dos exemplos.

Luciano Pires