s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Abaixo de zero

Abaixo de zero

Luciano Pires -

Tive uma conversa esta semana com um amigo empresário desiludido com o rumo de seus negócios. Sem qualquer expectativa de futuro, cansado, sem forças, ele está desistindo do Brasil. Quer “dar” a empresa para alguém, vender o que tem e ir embora. Pra longe. E ele não é o primeiro de quem ouço algo assim. Aliás, é um dos vários.

Voltei para cada ressabiado. E pensando numa história.

Em maio de 1996 aconteceu uma das grandes tragédias do Monte Everest, que está relatada no livro No Ar Rarefeito, de Jon Krakauer. No dia 10 de maio, dezenas de alpinistas foram surpreendidos por uma violenta tempestade enquanto retornavam do cume. Vários morreram, alguns deles profissionais gabaritados. Um patologista norte-americano chamado Beck Weathers, viveu – ou morreu – uma experiência inacreditável.

Beck havia feito tempos antes da viagem ao Everest uma cirurgia para eliminar a miopia e, no alto da montanha, em razão da mudança da pressão, foi perdendo a visão. Praticamente cego, a 8.200 metros de altitude, de noite, em meio a uma tempestade ele se desprendeu do grupo e saiu vagando pela montanha até que, desorientado e extenuado, caiu na neve, congelando. Várias horas depois foi encontrado por alguns alpinistas que o deixaram lá, ao verificar que ele estava praticamente morto. A morte por congelamento é chamada de “morte suave”, a pessoa vai apagando aos poucos, lentamente, como uma vela. Quando tudo parecia sem esperança, Beck teve um lampejo de vida, levantou – não se sabe como –  e continuou a caminhar, com um braço estendido, congelado, delirando, sem ter ideia de para onde estava indo. Chegou próximo a um acampamento, em meio à tormenta, onde foi visto por um dos alpinistas e levado para dentro de uma barraca. Ali permaneceu deitado, incapaz de comer, beber ou mesmo se cobrir, com as costas para o lado de fora da barraca, onde passou a segunda noite sob temperaturas congelantes. Milagrosamente Beck sobreviveu até ser resgatado por um helicóptero. Vou resumir a história: meses depois Beck estava recuperado, mas perdeu o nariz, antebraço e mão direita, todos os dedos da mão esquerda e partes dos pés. A história é impressionante e ele a conta em seu livro Left for Dead. Aqui você pode vê-lo hoje em dia, como palestrante: http://bit.ly/1IgM4V8

Bem, mas onde quero chegar?

Numa das entrevistas, ao ser perguntado sobre que força foi aquela que fez com que ele, mesmo virtualmente morto, levantasse para a salvação, Beck respondeu:

– Pensar em minha família. Em meus filhos.

Beck Weathers, em meio a uma situação desesperadora, fez a única coisa que podia: focou naquilo que dava sentido à vida, sua família. E algo lá no fundo de seu corpo quase congelado acendeu, gerando calor suficiente para que ele criasse forças e lutasse pela vida.

A história de Beck Weathers é fisicamente inexplicável.

Aquela noite fatídica no Everest produziu uma dúzia de corpos. Menos o de Beck Weathers.

Escrevi este texto para mandar para aquele meu amigo que está desistindo do Brasil, quem sabe ele consegue agarrar-se a algo que dê sentido à sua vida aqui. Tem gente que se agarra à fé, Deus há de dar um jeito. Tem gente que se agarra a um ente querido. Tem gente – como eu – que se agarra a uma causa política, cultural ou social. Todos, de alguma maneira, encontram um propósito que dá sentido àquela pergunta que não quer calar: vale a pena lutar?

Sem um propósito, não há sentido na luta. E então, como um alpinista sem esperança, abaixo de zero, a saída é aguardar a morte lenta chegar.

Tomara que ele encontre um sentido em ficar aqui.

Se não conseguir, boa viagem.