Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Abaixo de zero

Abaixo de zero

Luciano Pires -

Tive uma conversa esta semana com um amigo empresário desiludido com o rumo de seus negócios. Sem qualquer expectativa de futuro, cansado, sem forças, ele está desistindo do Brasil. Quer “dar” a empresa para alguém, vender o que tem e ir embora. Pra longe. E ele não é o primeiro de quem ouço algo assim. Aliás, é um dos vários.

Voltei para cada ressabiado. E pensando numa história.

Em maio de 1996 aconteceu uma das grandes tragédias do Monte Everest, que está relatada no livro No Ar Rarefeito, de Jon Krakauer. No dia 10 de maio, dezenas de alpinistas foram surpreendidos por uma violenta tempestade enquanto retornavam do cume. Vários morreram, alguns deles profissionais gabaritados. Um patologista norte-americano chamado Beck Weathers, viveu – ou morreu – uma experiência inacreditável.

Beck havia feito tempos antes da viagem ao Everest uma cirurgia para eliminar a miopia e, no alto da montanha, em razão da mudança da pressão, foi perdendo a visão. Praticamente cego, a 8.200 metros de altitude, de noite, em meio a uma tempestade ele se desprendeu do grupo e saiu vagando pela montanha até que, desorientado e extenuado, caiu na neve, congelando. Várias horas depois foi encontrado por alguns alpinistas que o deixaram lá, ao verificar que ele estava praticamente morto. A morte por congelamento é chamada de “morte suave”, a pessoa vai apagando aos poucos, lentamente, como uma vela. Quando tudo parecia sem esperança, Beck teve um lampejo de vida, levantou – não se sabe como –  e continuou a caminhar, com um braço estendido, congelado, delirando, sem ter ideia de para onde estava indo. Chegou próximo a um acampamento, em meio à tormenta, onde foi visto por um dos alpinistas e levado para dentro de uma barraca. Ali permaneceu deitado, incapaz de comer, beber ou mesmo se cobrir, com as costas para o lado de fora da barraca, onde passou a segunda noite sob temperaturas congelantes. Milagrosamente Beck sobreviveu até ser resgatado por um helicóptero. Vou resumir a história: meses depois Beck estava recuperado, mas perdeu o nariz, antebraço e mão direita, todos os dedos da mão esquerda e partes dos pés. A história é impressionante e ele a conta em seu livro Left for Dead. Aqui você pode vê-lo hoje em dia, como palestrante: http://bit.ly/1IgM4V8

Bem, mas onde quero chegar?

Numa das entrevistas, ao ser perguntado sobre que força foi aquela que fez com que ele, mesmo virtualmente morto, levantasse para a salvação, Beck respondeu:

– Pensar em minha família. Em meus filhos.

Beck Weathers, em meio a uma situação desesperadora, fez a única coisa que podia: focou naquilo que dava sentido à vida, sua família. E algo lá no fundo de seu corpo quase congelado acendeu, gerando calor suficiente para que ele criasse forças e lutasse pela vida.

A história de Beck Weathers é fisicamente inexplicável.

Aquela noite fatídica no Everest produziu uma dúzia de corpos. Menos o de Beck Weathers.

Escrevi este texto para mandar para aquele meu amigo que está desistindo do Brasil, quem sabe ele consegue agarrar-se a algo que dê sentido à sua vida aqui. Tem gente que se agarra à fé, Deus há de dar um jeito. Tem gente que se agarra a um ente querido. Tem gente – como eu – que se agarra a uma causa política, cultural ou social. Todos, de alguma maneira, encontram um propósito que dá sentido àquela pergunta que não quer calar: vale a pena lutar?

Sem um propósito, não há sentido na luta. E então, como um alpinista sem esperança, abaixo de zero, a saída é aguardar a morte lenta chegar.

Tomara que ele encontre um sentido em ficar aqui.

Se não conseguir, boa viagem.