s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Alforria

Alforria

Luciano Pires -




ALFORRIA
Este artigo faz parte do livro NÓIS…QUI INVERTEMO AS COISA (
http://www.lucianopires.com.br/livros/Nois/)



                                                                                                                   


Recebi um artigo do diretor teatral Gerald Thomas, detonando com o Ministro da Cultura Gilberto Gil. Deslumbrado pelo poder, Gil estaria acabando com o teatro, para decepção da classe artística que esperava que um músico colocasse o cenário cultural brasileiro nos eixos.




Na mesma semana, leio na revista Carta Capital um artigo de um professor da USP indignado com a forma como viu a reunião de pauta do Jornal Nacional, da Globo, ser conduzida por seu editor-chefe, Willian Bonner. Nas palavras do professor, Bonner teria dito que o telespectador padrão do Jornal Nacional é um Homer Simpson, personagem de desenho animado estadunidense que representa um pai de família medíocre. Encarando seus telespectadores como “homers”, Bonner descartava temas com conteúdos que interessariam à sociedade, em favor de outros mais sensacionalistas, que dariam maior audiência.




Esses dois fatos me levam a uma reflexão.




Gilberto Gil é burro? Quer o mal para sua classe? Willian Bonner é medíocre? Interessado na desagregação da sociedade? E o Fasto Silva? E o Jô Soares? O Pedro Bial? São medíocres?




Claro que não.




Essas pessoas estão entre as mais brilhantes personalidades da TV e do cenário cultural brasileiro. E quem os conhece pessoalmente afirma que são gente fina, esclarecida, muito boa para se conversar e bons amigos. São pessoas inteligentes produzindo resultados comercialmente interessantes, mas culturalmente discutíveis.




Pois é… O sistema é mais forte que os indivíduos. Cada um dos nomes que citei, foi engolido por ele. Precisando jogar pelas regras do sistema, Gilberto Gil decepciona sua classe. Fausto Silva joga no lixo horas valiosíssimas da televisão. Pedro Bial dá um nó em sua biografia ao virar apresentador de reality show. Jô se perde em entrevistas medíocres.




Impossível não recorrer ao exemplo do Dr. Adib Jatene, médico, cientista, pessoa íntegra, brilhante, que ao assumir o Ministério da Saúde deixa como legado… A CPMF.




Adib Jatene é ruim? Desonesto? Claro que não. Mas o sistema é burro. Transforma uma idéia honesta numa armadilha.




Pois proponho um movimento de libertação. Uma carta de alforria que liberte os Gils, Bonners, Bials, Jôs, Faustões e outros, das garras do sistema que os aprisiona. Livres, poderão se recuperar e usar seu talento, como um dia fizeram, a serviço da sociedade.




Quem sabe, mudando a história deste país.




Mas a alforria não vale pra todos. Os Gugus, João Klebers, Gilberto Barros e seus diretores, não têm jeito.




Se libertos, são capazes de piorar.