s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Ano Novo, Vida Velha

Ano Novo, Vida Velha

Luciano Pires -

Eu queria começar o ano com um texto diferente. Algo motivador. Pensei em escrever sobre política, mas começamos o ano com uma sacanagem, o aumento de impostos feito no escurinho… E não é mole agüentar o Mantega dizendo que “o presidente prometeu que não aumentaria em 2007. Estamos aumentando em 2008”… Nada mudou. Continuam me tratando como idiota. Ano novo não existe! É só uma convenção dos homens para medir a passagem do tempo. Tudo que existia até dezembro do ano passado continua existindo em janeiro deste ano.
Mas para a maioria das pessoas, ano novo é vida nova! Hora dos planos!
Então vamos lá. To na praia descansando, mas vou no clima…


Este ano você vai emagrecer? Vai parar de fumar? Mudar de emprego? Vai casar? Ter um filho? Trocar de carro? Curar a dor nas costas? Vai abrir sua empresa? Vai fazer as pazes com seu pai? Vai?


Albert Einstein disse que “Não podemos resolver problemas usando o mesmo tipo de pensamento que usamos quando os criamos”.
 
O mundo continua igual este ano ao que era no ano passado. Seu chefe mal humorado é o mesmo. Seu colega que quer te dar aquela rasteira também continua lá. A morena que não te dá bola continuará não dando. Aquela dívida que não termina, ainda tem que ser paga… Os mesmos problemas te esperam e você não vai resolver nenhum deles pensando como pensava no ano passado, sacou? 


Os mais simplórios acharão que falo sobre mudança de hábitos. Não. Estou falando sobre mudar o pensamento. Os hábitos mudam como conseqüência.


Vamos então à nossa sessão auto-ajuda de começo de ano? Usarei a Fórmula da Inovação, a mesma que apresento em minha palestra, que é um roteiro para planejamento estratégico. Mas que trata principalmente de comportamento e de expectativas. É um exercício de reflexão. Se for bem feito, ajuda a mudar o pensamento. E, quem sabe, te facilita partir para a ação. Usarei como exemplo a necessidade de emagrecer. Veja se serve pra você.


Nosso roteirinho básico começa listando suas inconveniências atuais. Você tá gordo? Quão gordo? Tá incomodado? Quais são os inconvenientes de continuar gordo? Dor nas costas? Roupas que não servem mais? Cansaço? Feiúra? Dores nos pés? Risco de enfarte? Ser motivo de piada? Virar ponto de referência? Se você não tem claros esses inconvenientes, não há motivação pra mudar.
Em seguida pense na vantagem futura da mudança. Se você emagrecer, o que vai melhorar em sua vida? O que essa melhora representará em termos que qualidade de vida para você? Quanto mais vantagens você achar, mais motivação para mudar terá.
E então você tem que refletir sobre os riscos. Quais são os riscos que terá que correr pra emagrecer? Ir pra academia às seis da manhã? Parar de tomar chope? Deixar de comer chocolate? São riscos aceitáveis? Se não são, eles reduzirão sua iniciativa para a mudança. O que é que dá pra fazer para reduzi-los? Mudar o horário da academia? Mudar de academia? Arrumar uma companhia?
E então você deve começar a comemorar as pequenas vitórias. Passado um mês, emagreceu um quilo! No mês seguinte, outro quilo! No terceiro mês, sente-se muito bem. No quarto mês, sumiu a barriguinha! Dorme melhor! A calça antiga serviu! Cada uma dessas pequenas vitórias é um multiplicador para sua intenção de mudança. Reforça a crença de que o esforço está dando resultados. Cala a boca dos urubus, que dirão que não vai dar certo. Recompensa quem se entrega ao desafio.
 
E o velho truque é largar os objetivos genéricos, tipo “vou emagrecer”, para focar em algo mais quantificável, mensurável. Emagrecer quanto? Em quanto tempo? Esse é o segredo: metas alcançáveis, com prazo para acontecer. Pequenos truques que aprendemos no universo profissional e que podem dar muito certo no plano pessoal.


Então bem-vindo a 2008. E guarde uma perguntinha:


– Todo ano o ano muda. E sua cabeça, muda também?