s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Aquabras

Aquabras

Luciano Pires -

Durante pesquisa para montagem de uma nova palestra encontrei referências a Marcus Vitruvius Pollio, um escritor, engenheiro e arquiteto romano que viveu no primeiro século antes de Cristo. Ele é autor de uma série de livros chamados De Architectura (Sobre Arquitetura), dedicados ao imperador Cesar Augusto, que são um guia para a construção de projetos.

Em um dos livros está uma descrição de como os romanos construíram seus aquedutos, desde a forma como os locais onde seriam construídos eram escolhidos até a definição de materiais a serem utilizados. Vitruvius já recomendava que não se utilizasse chumbo para conduzir água potável, 100 anos antes de Cristo…

Somados, os aquedutos construídos em Roma atingiam cerca de 800 quilômetros, pouco menos de 50 deles acima do solo. Os maiores aquedutos, ligando cidades distantes, atingiam cerca de 100 quilômetros de extensão. A água era movida pela gravidade de forma muito eficiente, e o exame das técnicas romanas demonstra sua sofisticação. Isso tudo 2000 anos atrás. Mas uma pesquisa revela que muito antes dos romanos, outras civilizações desenvolveram aquedutos para abastecer suas cidades.

Muito bem.

Estamos entrando na segunda década do século 21. Já botamos o homem na Lua, queremos mandá-lo para Marte e desenvolvemos tecnologias que, comparadas à dos romanos, podem ser consideradas mágicas. Mas abrimos os jornais, ligamos os rádios e televisões e o que vemos todo ano é o mesmo: Rio de Janeiro, Santa Catarina e Minas Gerais alagadas, com gente perdendo casas e vidas. Ao mesmo tempo, Sergipe e o Rio Grande do Sul sofrendo com secas terríveis, sem água para cozinhar e com o gado morrendo de sede as plantações dizimadas.

Então quero sugerir uma besteira, daquelas que os ignorantes tem licença para sugerir: que tal começar a pensar no Grande Aqueduto Nacional? Na Aquabras? Um sistema capaz de distribuir a água em excesso de uma região para outra, onde ela está em falta?

Você pode argumentar que essa é a proposta da transposição do Rio São Francisco, por exemplo, ou que o Brasil é grande demais. Talvez diga que do ponto de vista econômico essa obra é um desastre. Pode dizer também que a geografia brasileira não permite. Talvez argumente que a Aquabras, será apenas outra estatal cujos cargos de direção serão loteados pelo PT… Pois é. Posso encontrar dezenas de argumentos para não fazer, mas nenhum deles será mais forte que os argumentos para não fazer o trem bala Rio-SP, por exemplo, que vai consumir mais de 70 bilhões de reais e está em plena discussão.

A questão é de priorizar em que absurdo botar o dinheiro. Eu prefiro a Aquabras.

Tudo bem, minha sugestão é absurda, não sou engenheiro e não entendo lhufas de água, mas não me conformo em saber que 2000 anos atrás, sem computadores, sem internet, sem assistência de técnicos chineses e com muito menos dinheiro, Vitruvius resolveria o problema.

Pena que a solução para o problema não é técnica.

É política.

Luciano Pires