s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Meritocracia, meritocracia... meritocracia... como tem ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)
Alexandre Gomes
DEFINIÇÕES E DISTINÇÕES Proposição e relação de termos. A proposição AFIRMA uma relação de termos. Em uma estrutura de palavras compostas de: um sujeito, uma cópula e um predicado. Os termos ...

Ver mais

A catástrofe circular da escola brasileira
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A catástrofe circular da nossa escola: temos professores de fraca formação acadêmica, com salários miseráveis. Eles oferecem aos seus alunos pouca cultura e, por isso, não os elevam acima da ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Bandidos Na TV

Bandidos Na TV

Luciano Pires -

Assisti Bandidos Na Tv, nova série na NetFlix, que conta a história do apresentador e político de Manaus Wallace Souza, mas que vai muito além disso.

Se eu puder resumir: a série está no nível de Wild Wild Country. Antes que venha a gritaria dos puristas, evidentemente a produção brasileira tem menos recursos, mas tá tudo lá: farta documentação combinada com representações, personagens reais dando depoimentos, imagens cruas de arquivo… e a sensação que nos provoca de “como é que eu nunca soube disso?”.

Os criadores e produtores estão de parabéns. Eu comecei a assistir sem expectativas e não consegui largar…

Bandidos Na TV está baseada na história de Wallace Souza, apresentador de um daqueles programas policiais sangrentos transmitidos na hora do almoço, que foi ao ar pela primeira vez no ano 2000 na TV Rio Negro, de Manaus. O programa tornou-se sucesso absoluto e Wallace logo se transformou numa espécie de defensor da população contra a violência dos bandidos, especialmente traficantes. O sucesso foi tanto que lhe garantiu três eleições para Deputado Estadual, sempre com a maior votação no estado.

E em 2008, tudo mudou quando um ex-policial militar conhecido como Moa, ao ser preso com armas e cocaína, denunciou a existência de uma organização criminosa para o tráfico de drogas que seria chefiada por Wallace e seu filho mais velho, Raphael Souza. E que eles usavam os crimes para aumentar a audiência do programa.

O que se vê a partir daí, e com a mesma intensidade nos sete episódios, é um vaivém insano. Numa hora Wallace é bandido, segundos depois é inocente, depois vira bandido outra vez, e aí inocente de novo… a série apresenta a cada segundo um personagem, um fato, uma prova, um detalhe que muda completamente a história. Confesso que nunca assisti nada igual que não fosse no mundo da ficção.

Há imagens inacreditáveis de crimes, depoimentos e instantes que nos levam a imaginar que um viajante do tempo voltou lá atrás para capturar instantes que seriam fundamentais para o documentário.

O documentário é muito bem feito, com recursos dramáticos como a música, imagens aéreas, olhares distantes, tudo muito bem alinhado. Até mesmo a péssima imagem de câmeras de segurança ou da internet, servem para dar mais dramaticidade aos crimes reais. O documentário nos levar para dento do programa Canal Livre, dá pra sentir a loucura que era aquilo. Ao mesmo tempo, nos transporta para o mundo do crime, do sangue frio dos que executam os adversários por vingança ou estratégia… até nos jogar dentro de umas das maiores chacinas da história deste país, quando uma facção criminosa liquida com outra dentro de um presídio em Manaus, com requintes nunca vistos de violência.

Vá preparado que as imagens são chocantes.

Outro ponto interessante é a forma como a imprensa é retratada. Um dos segmentos mais impactantes da série é quando uma jornalista investigativa que participa da narrativa, descreve o momento em que é confrontada pelo filho mais novo de Wallace e se obriga a refletir sobre o poder da imprensa sobre a vida das pessoas.

O diretor da série, Daniel Bogado, diz que “Na época do caso, a família sentiu que a imprensa focou bastante na força-tarefa, mas nunca deram a chance para que os parentes contassem seu lado da história. Por isso, durante a série, o público é convidado a ouvir e ver os dois lados”. E isso o documentário faz com maestria.

Terminei o último capítulo com lágrimas nos olhos e um gosto amargo na boca, depois de ser transportado por uma montanha russa de emoções.

Se Wallace era bandido ou mocinho? Assista e tire suas conclusões, se você conseguir.

Cara, isso tudo aconteceu aqui no Brasil, foi fartamente documentado, repercutiu pelo mundo todo… como é que eu não sabia dessa história?