s
Artigos Café Brasil
O Lado Cheio
O Lado Cheio
Aqui é o lugar onde você encontrará análises sobre o ...

Ver mais

Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
Café Brasil 765 – Foxes and Fossils
 Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil ...

Ver mais

Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Café Brasil 764 – LíderCast Live – Gastronomia Viva
Medidas restritivas desproporcionais impostas pelos ...

Ver mais

Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Café Brasil 763 – A Agro é pop?
Você já sabe que a Perfetto patrocina o Café Brasil,  ...

Ver mais

Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Café Brasil 762 – LíderCast Alessandro Santana
Da mesma forma como o Youtube joga no colo da gente um ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

John Williamson e o Consenso de Washington
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
John Williamson e o “Consenso de Washington” “O Consenso de Washington já foi “aquela babaquice” reproduzida por Marcos Lisboa no início do governo Lula, citando a famigerada entrevista de Maria ...

Ver mais

Comércio Eletrônico no Brasil e que fazer em 2021
Michel Torres
No início de abril passávamos pela primeira experiência de fechamento do comércio na maioria das cidades no Brasil em função da pandemia do COVID-19. Esse grande desafio global estava apenas ...

Ver mais

Três livros sobre corrupção e como combatê-la
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A corrupção e o desafio de combatê-la em três livros “Ao contrário da maioria dos crimes violento ou passionais, a corrupção em larga escala é um crime absolutamente racional, baseado na análise ...

Ver mais

Richard Feynman desancando a universidade brasileira… de 1951
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Como acabar com o mito de que a educação brasileira dos anos 50 tinha boa qualidade…   Em 1951, o físico norte-americano Richard Feynman (que posteriormente ganharia o Nobel de Física) veio ...

Ver mais

Cafezinho 377 – Uma onda de crimes
Cafezinho 377 – Uma onda de crimes
“Notícia” é tudo aquilo que o jornalista ou editor ...

Ver mais

Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Cafezinho 376 – Amizades supérfluas
Não tenho tempo de vida para amizades supérfluas.

Ver mais

Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Cafezinho 375 – As Mídias E Eu
Dias 26, 27 e 28 de abril vai acontecer o DESAFIO AS ...

Ver mais

Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Cafezinho 374 – Amizades perdidas
Não brigue com seu amigo por causa da política. Depois ...

Ver mais

Branding a preço de banana.

Branding a preço de banana.

Luciano Pires -

Há muito, muito tempo, numa galáxia muito, muito distante, havia uma discussão sobre como medir o resultado dos investimentos em propaganda. Me refiro aos anos 1970, quando a televisão ganhava protagonismo nos processos de comunicação, as agências se especializavam e o sonho de todo publicitário ou gerente de marketing era ver sua marca num intervalo comercial de um programa de sucesso. Me lembro de participar de discussões infindáveis sobre como medir retorno do investimento e um dia concluí que a única ação capaz de mostrar o resultado da propaganda era a Quinzena de Tapetes do Mappin.

Funcionava assim: de repente apareciam diversos anúncios em televisão e jornal, falando da quinzena de tapetes da loja de departamentos Mappin. Todo mundo corria pra lá e os caras vendiam tapetes como alucinados.

A quinzena tinha dia pra começar e pra terminar. Acontecia num só lugar, numa só loja. E era, portanto, totalmente controlável. O sucesso da quinzena podia ser atribuído à campanha de marketing que levou os consumidores até a loja. Dava pra saber qual era o retorno para cada tostão investido em marketing.

A campanha vendia tapetes, mas, sobretudo, mantinha na mente das pessoas “Mappin, Mappin, Mappin…”,

Outras campanhas, no entanto, eram complicadas. Havia diversas variáveis, preço, distribuição, regionalidades, modinha… ficava muito difícil determinar o retorno do investimento. E os publicitários foram então criando discursos mirabolantes que sempre encantaram os clientes.

Mas nada era tão poderoso quanto ligar a TV, botar no Jornal Nacional e ver a propaganda da sua marca. Ali, não interessava propriamente quanto venderia, mas sim o prestígio que aquela campanha traria para a marca.

– Mãe, vem ver a minha empresa! Tá no Jornal Nacional!

A dimensão do marketing que chamamos de propaganda ajuda imensamente a criar demanda para vendas. Mas é ainda mais responsável como instrumento do que hoje chamamos de “branding”: a construção da reputação da marca, o que é infinitamente mais valioso que a venda realizada na quinzena dos tapetes.

Construção de reputação não tem preço. Só tem valor.

Isso posto, acabo de ser procurado por uma agência que intermedia ações de marketing de diversas empresas, junto aos chamados influenciadores digitais. Com meus escassos 20 mil seguidores no Instagram, chamei a atenção dos caras.

A agência disponibiliza para os influenciadores cadastrados um cardápio de marcas que querem promover seus produtos. Tem gente vendendo vinho, anunciando aplicativos, buscando tráfego em seus sites e redes. Tem de tudo. E a proposta é a seguinte: o influenciador escolhe a campanha da qual quer participar, cadastra-se e, se aprovado pela anunciante, começa a fazer posts com base num briefing. Coloca no post um identificador e pronto. Passa a ser remunerado pela quantidade de gente ou de ações que seu post provoca. Por exemplo, para cada aplicativo que alguém instalar, você recebe algo entre 2 e 3 reais. Ou então, 35 centavos para cada clique. Centenas, milhares de influenciadores estão correndo para participar, ganhando seus tostões.

Que legal, não é?

Pois é.

Mas e o branding? Não, esse não é remunerado. Eu falei da marca, falei do produto para milhares de seguidores, durante um bom tempo. Ensinei o que é o produto, falei dos benefícios, fui aos poucos gravando a marca na mente dos milhares de seguidores. Mas isso não é remunerado.

Entendeu? Seria como se o Mappin pagasse por tapete vendido, mas não pagasse pelo prestígio de ver a marca anunciada aos quatro ventos. Todo o residual de marca, o chamado “goodwill”, a lembrança que fica na cabeça das pessoas, não tem valor.

Imagine 100 influenciadores com 10 mil seguidores cada um, falando para 1 milhão de seguidores durante 15, 30 dias, sobre sua marca e seu produto. E você só pagando pelos tapetes vendidos.

Entendeu?

Os milhares de jovens influenciadores, embriagados pela perspectiva de receber 100 mil reais por uma campanha quando alcançarem o nível do Windersson Nunes, não percebem o valor do serviço que oferecem. E os anunciantes, vendo aí a oportunidade de falar para milhões a preço de banana e risco praticamente zero, correm para aproveitar enquanto a molecada não percebe.

E a agência, ri. Afinal, ela ganha de qualquer forma.

Não sei você, mas isso me parece muito, muito errado.

#marketing

#propaganda

#influencers