Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Crônica para Charlie Hebdo

Crônica para Charlie Hebdo

Luciano Pires -

O atentado ao jornal Charlie Hebdo, que terminou com 12 mortos, entre eles cinco cartunistas franceses de grande expressão, fez com que aquele clima de ano novo, de esperança, de “agora vai”, fosse apagado num piscar de olhos. Saímos do sonho para a realidade em meio à barbárie. Pensei numa forma de escrever sobre o tema sem cair no nhénhénhém dos críticos sociais de Facebook que hoje abundam. Vamos ver se consigo.

Para mim é impossível imaginar que alguém possa perder a vida por manifestar sua opinião, por mais imbecil, ofensiva, preconceituosa ou violenta que seja. No entanto, tem gente que não só acha que é possível como defende os assassinos! Não sei quem é mais bárbaro…

Opiniões devem ser combatidas com opiniões. Ou com a lei. Quando a opinião é calada pela violência física, econômica, psicológica ou de que forma seja, à margem da justiça, deixamos de viver num estado de direito para experimentar uma ditadura onde vence o mais forte, o mais violento, o que menos se importar com o ser humano. Onde acaba o direito.

E veja que interessante: justamente por não aceitar essa violência é que tolero ler o raciocínio idiota de gente que culpa as vítimas. Aliás, li nas mídias sociais manifestações que praticamente justificaram o atentado, e que me deram vergonha de ser humano.

Atenção, eu não escrevi “do ser humano”, mas “de ser humano”.

Fiquei realmente impactado com o acontecimento, me recolhi a meus livros e num deles encontrei uma imagem que, para mim, serve como a Crônica à Charlie Habdo. É a imagem que ilustra este texto.

Trata-se de uma pintura que está no Museu Nacional de Varsóvia, na Polônia, um dos trabalhos mais famosos do pintor polonês Jan Matejko, que realizou a obra em 1862, quando tinha apenas 24 anos de idade.

Matjeko pintou Stańczyk, o bobo da corte, durante um baile quando a Polônia estava no auge de seu poder cultural, econômico e político. Era a Renascença polonesa no reinado de Sigismundo I, o Velho, entre 1506  e 1548.

Além da fama como bobo da corte, Stańczyk era conhecido e respeitado por sua eloquência, inteligência e perspicácia. Diferente dos bobos da corte de outros países, era considerado muito mais que um palhaço. Era um homem sábio que usava a sátira, a ironia e o humor para comentar o passado, o presente e futuro do país. Como os bobos da corte, Stańczyk  exagerava até o grotesco os vícios e características da sociedade. Como os bobos da corte, era o único súdito a quem era permitido gozar o rei…

E o que essa imagem tem de especial? Bem, o título da obra é “Stańczyk durante um baile na corte da Rainha Bona, diante da perda de Smolensk”.

O bobo da corte é representado de forma sombria, triste, pensativo, enquanto a festa acontece em outra sala. Sobre a mesa, uma carta com a data 1514 e o nome Smolensk, que era uma das maiores cidades da união Lituânia/Polônia. A carta dava conta da tomada da cidade pelo exército de Vasily III da Russia.

O palhaço, o bobo, o gozador, é o único a perceber a gravidade do que estava acontecendo.

Enquanto isso, a corte bailava.

Feliz ano novo.