s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Debaixo de vara

Debaixo de vara

Luciano Pires -
“Me preocupa um ex-presidente da República ser conduzido debaixo de vara”, disse o ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), sobre a condução coercitiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para prestar depoimento à Polícia Federal no âmbito das investigações da Operação Lava Jato.
 
“Debaixo de vara”… logo vem à mente a imagem de Lula protegendo a cabeça enquanto agentes da polícia descem a vara sobre ele não é? Mas de onde vem essa vara? Fiquei curioso e fui atrás:
 
A vara, como insígnia do poder dos juízes, vem lá da Roma antiga. A vara era uma haste que os juízes conduziam para serem reconhecidos, também servindo para distinguir os juízes letrados dos leigos. Os letrados carregavam uma vara branca, os leigos uma vara vermelha. Filipe I, da Espanha, sancionou em 1595 as Ordenações Filipinas, uma compilação jurídica que entrou em vigência no reinado de Filipe II, em 1603 e que constituíram a base do Direito Português, com muitas de suas disposições tendo vigência no Brasil até o advento do Código Civil de 1916. Nelas havia até uma previsão de multa aos juízes que saíssem às ruas sem a vara:
 
“E os juízes ordinários trarão varas vermelhas e os juízes de fora brancas continuadamente, quando pella Villa andarem, sob pena de quinhentos réis, por cada vez, que sem ella forem achados” (Ordenações Filipinas, Liv. 1, Título LXV).
Na parte criminal, as Ordenações determinavam que os oficiais de justiça poderiam conduzir testemunhas e réus que resistissem ao convite, debaixo de vara, isto é, à força. O sujeito era conduzido debaixo da vara do juiz…
No Brasil, o Código de Processo Criminal do Império, promulgado em 29 de novembro de 1832, disciplinou a matéria da seguinte forma:
 
“Art. 95. As testemunhas, que não comparecerem sem motivo justificado, tendo sido citadas, serão conduzidas debaixo de vara, e soffrerão a pena de desobediencia.”.
 
Com o Código do Processo Penal de 1941 o uso da vara nas conduções coercitivas desapareceu:
 
“Art. 218. Se, regularmente intimada, a testemunha deixar de comparecer sem motivo justificado, o juiz poderá requisitar à autoridade policial a sua apresentação ou determinar seja conduzida por oficial de justiça, que poderá solicitar o auxílio da força pública.”
O termo “vara” então, deixou de designar um bastão para designar o local do exercício da magistratura, uma espécie de sinônimo de juízo. “Vara da Infância e Juventude”, “Vara do Trabalho”, “Vara da Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher”, etc.
 
Mas e a vara do Lula? No despacho/decisão do Juiz Sérgio Moro para a condução coercitiva de Lula (http://bit.ly/1StXTB1) está escrito (as palavras em maiúsculas estão no texto original):
“Evidentemente, a utilização do mandado só será necessária caso o ex-presidente, convidado a acompanhar a autoridade policial para prestar depoimento na data das buscas e apreensões, não aceite o convite. Expeça-­se quanto a ele mandado de condução coercitiva, consignando o número deste feito, a qualificação e o respectivo endereço extraído da representação.
Consigne-­se no mandado que NÃO deve ser utilizada algema e NÃO deve, em hipótese alguma, ser filmado ou, tanto quanto possível, permitida a filmagem do deslocamento do ex-­Presidente para a colheita do depoimento.
Na colheita do depoimento, deve ser, desnecessário dizer, garantido o direito ao silêncio e a presença do respectivo defensor.
O mandado SÓ DEVE SER UTILIZADO E CUMPRIDO, caso o ex-Presidente, convidado a acompanhar a autoridade policial para depoimento, recuse­-se a fazê­-lo.”
 
Por duas vezes está escrito: a vara só será usada se o ex-Presidente se recusar a acompanhar a autoridade policial. Conforme relato do delegado que foi buscar o ex-presidente, Lula primeiro teria afirmado que só sairia de casa algemado, mas depois de conversar com seu advogado, acompanhou os policiais, que chamou de “gentis e educados” até o local designado para prestar o depoimento.
Não houve portanto, o uso da vara.
 
O que me deixa invocado com essa história é que, se fosse comigo e eu dissesse um “mas” para o delegado, também não haveria vara.
 
Haveria pescoção.
 
Afinal, sou um brasileiro de categoria inferior à de Lula, não é?