s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Deduzir ou induzir

Deduzir ou induzir

Luciano Pires -

No Podcast Café Brasil 385 – Deduzir ou Induzir, parti de um texto de Mark Zegarelli chamado Think Logically para construir uma reflexão. Vamos a ela.

Dedução rima com redução, guarde isso com você. Dedução rima com redução. Deduzir é começar com um conjunto de possibilidades e reduzi-lo até que poucas opções restem. E aí escolher entre elas. É assim que trabalha a mente de Sherlock Holmes, por exemplo, o famoso detetive. Num caso de assassinato ele examinava todos os suspeitos, o açougueiro, a empregada, o sócio e a viúva. No final da história ele chegava a apenas um suspeito, por exemplo: “A vítima morreu na banheira, mas foi carregada até a cama. Uma mulher não conseguiria arrastar o corpo. Nem o açougueiro, que tem um problema físico. Portanto, o sócio deve ter cometido o crime.”

Essa é a dedução: uma redução.

Já a indução é o contrário: é um aumento. Ao induzir, você começa com um numero limitado de observações e vai aumentando-o através de generalizações. Por exemplo, de quando em quando você depara com a notícia de um caso de pedofilia envolvendo um padre. E conclui: todo padre é pedófilo. Sacou? Toda loira é burra. Todo do político é ladrão. Isso é indução: a partir de pequeno conjunto de possibilidades extrapolar para um universo maior.

A lógica permite que você raciocine dedutivamente com confiança. É ela que permite que você navegue por premissas, pelos fatos ou ideias iniciais a partir das quais se inicia um raciocínio, eliminando as conclusões inválidas e chegando o mais próximo da verdade possível. A lógica e a dedução estão, portanto, intimamente conectadas.

Mas, a dedução funciona muito bem é na matemática, por exemplo, onde praticamente não existem área cinzas. Quatro mais quatro dá sempre oito. Todos os números são pares ou ímpares. Se você quer provar que um número é par, divida-o por dois. Não há o que discutir. Essa deduções são fáceis de serem feitas.

Com a indução o bicho pega de verdade. A indução é logicamente falha. Encontrar 5, 10 ou 1000 pessoas legais numa cidade não significa que todos naquela cidade são legais. Ouvir cinco podcasts ruins não significa que todo podcast é ruim. Assistir a um filme ruim do Leonardo di Caprio não significa que todos os filmes dele são ruins. Parece tão óbvio, não é? Pois é… Mas dê uma olhada em volta e você verá a quantidade de gente que funciona por indução. Especialmente nas mídias sociais…

Bem, eu aprendi sobre dedução e indução em 1975, quando a sonda Viking 1 foi enviada para Marte. Naquela época eu mantinha correspondência com um dos grandes astrônomos amadores brasileiros, Jean Nicolini, lá de Atibaia, um especialista no planeta Marte. Nicolini me escreveu dizendo algo que marcou.

Havia uma grande expectativa sobre a Viking encontrar vida em Marte, estava todo mundo assanhado. E Jean escreveu assim: “Existem duas possibilidades para a Viking: encontrar vida ou não. Mas a única possibilidade que dará certeza definitiva será o sim, existe vida, encontramos uma prova. O ‘não existe vida’ não nos dará certeza alguma, pois é impossível, a partir das amostras encontradas numa pequena área, induzir sobre o que existe no resto do planeta.”

Ao deduzir, poderíamos dizer que “não há evidências de vida em Marte”, ou seja, não encontramos provas de que existe vida em Marte. Mas as provas podem existir em algum outro lugar do planeta. Ao induzir, poderíamos dizer que “há evidências de que não existe vida em Marte”. Estaríamos projetando para todo o planeta uma conclusão tirada com base numa pequena amostra recolhida, o que é um erro.

Aquilo me fascinou! Um tremendo esforço, milhões gastos, a mais alta tecnologia e tudo que teríamos seria a incerteza sobre se existia vida ou não em Marte? Pois é. Era possível deduzir a partir da amostra. Mas era impossível induzir.

Agora preste a atenção que vou dar um nó na sua cabeça: é muito mais fácil provar que a afirmação “não existe vida em Marte” é falsa. Basta encontrar uma evidência. Já para provar que “existe vida em Marte” é falso, só tem um jeito: revirar o planeta inteirinho, o que é impossível.

Sacou? Vamos conviver com a dúvida pelo resto da vida. É impossível induzir com certeza.

Muito bem… Aí você dirá: “Pô, mas já faz 40 anos que a gente explora Marte e não achou nada lá. Isso prova que não tem vida lá.”

E eu respondo: “Tem certeza?”

Se você for honesto, só terá uma resposta: “Não. Não tenho certeza.” Mesmo não encontrando evidências por 40 anos, continuamos com a dúvida. Pode ser que um dia apareça uma bactéria no fundo de um fosso e pronto! 40 anos de certezas cairão por terra.

De novo: conclusões indutivas são perigosas, pois generalizar uma premissa verdadeira pode levar a uma conclusão falsa.

Agora olhe em volta. Veja a quantidade de gente que induz coisas, especialmente nas mídias sociais. A partir de um fragmento de verdade, criam um cenário completo repleto de certezas absolutas. Negam aquilo que não se adapta à narrativa que construiram ou compraram e seguem exibindo orgulhosamente suas certezas.

Quanta arrogância.