s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Diferente Deles

Diferente Deles

Luciano Pires -

Olha, eu não canso de me admirar com a capacidade que os políticos têm de conviver com uma situação como essa que envolve o Renan Calheiros. Se fosse comigo eu já teria morrido de vergonha. Saberia que por onde passo as pessoas me olhariam e cochichariam “olha ele aí”. Saberia que na casa de cada brasileiro estariam escancarados os atos que pratiquei e que não são nobres. Eu morreria de vergonha diante da minha família, de meus filhos. Como é que eu encararia meus pais? Como é que eu encararia a moça do caixa na padaria? E o porteiro do prédio? Como seria uma reunião na escola de meus filhos? Ou no meu condomínio? Como é que eu entraria num avião e enfrentaria 150 pares de olhos acusadores? Como é que alguém consegue conviver com isso?

Pensei muito a respeito e cheguei a uma conclusão preocupante. Uma pessoa só consegue suportar uma situação como essa de duas formas: se for provida de uma cara-de-pau infinita ou se conviver entre pessoas que são iguais a ela. Um ladrão não tem vergonha de outros ladrões. Um vigarista não se envergonha diante de outros vigaristas. E me deu um frio na barriga quando entendi que talvez o Renan – e aqueles outros – achem que eu sou igual a eles. Portanto podem conviver comigo como se nada tivesse acontecido.
E se eu estiver correto, então concluo que o caso Renan – como o de outros políticos da mesma cepa – me indigna menos pelas sacanagens que eles cometeram do que pela perspectiva de que eles achem que sou igual a eles…
Definitivamente, não sou igual a eles.
E, sobre esse assunto, recebi um e-mail de um leitor, Alessandre Cordero, com uma idéia interessante:

“Presenciei uma cena num zoológico aqui em SP que foi algo que passaria despercebido em qualquer país: um jovem estava indo jogar objetos no lixo quando desviou e pegou uma lata do chão, deixada ‘pelos outros’. Mas ao tentar colocar no lixo reciclável, viu que este se encontrava cheio. Não pensou duas vezes, amassou a lata e colocou-a no lixo. Uma senhora que estava por perto e presenciou o ato não se conteve e disse: ‘O Brasil deveria ter mais pessoas iguais a você’. E o mais incrível veio em seguida, quando umas 10 ou 15 pessoas próximas começaram a aplaudir o jovem.
Sim, existem muitos bons brasileiros escondidos dentro da massa hipócrita, e precisamos destacá-los para mostrar que é bom ser e fazer o certo. Luciano, aproveitando a desilusão atual de ser brasileiro, podíamos lançar uma nova campanha: ‘Não sou como vocês!’. Essa campanha mostraria o bom indivíduo,  civilista, patriótico e correto. Um brasileiro diferente. Para as pessoas terem orgulho de dizer que jogam lixo no lixo, separam o reciclável, não compram produtos piratas, não usam artimanhas de suborno, não usam o acostamento como pista, não param em fila dupla, dão passagem, agradecem, não furam fila etc. Pessoas que hoje se encontram isoladas e sem muito crédito. Pois estas pessoas deveriam ter orgulho de ser como são e dizer de boca cheia ‘Não sou como vocês!’. Essa campanha seria eterna.”

Li o e-mail do Alessandre entre perplexo e angustiado. Percebi que sua idéia é a mesma de milhões de brasileiros que querem tão pouco… Querem apenas que sejamos civilizados. Honestos. Que sejamos diferentes daqueles “eles”.
Não sei como é pra você. Mas pra mim, constatar que no início do novo milênio nossa ambição se resume ao óbvio, dá uma sensação profunda de que estamos atrasados.

Muito atrasados.