Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Brasis
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Brasis  “Quanto tempo um homem deve virar a cabeça, fingindo não ver o que está vendo?” Bob Dylan Minha primeira lembrança pra valer do que vou focalizar neste artigo é de quando li Os dos ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

Cafezinho 291 – Indignite
Cafezinho 291 – Indignite
- Tão pagando bem! Faz o seu e fica quieto!

Ver mais

Do lado esquerdo do peito

Do lado esquerdo do peito

Luciano Pires -

Sabe aqueles professores que deixam uma marca na vida da gente? Eu tive alguns assim, não muitos, cuja lembrança sempre me vem com carinho. Em novembro de 2014 estive em uma reunião comemorativa dos 40 anos de formatura no Colégio Técnico de Eletrônica, da Fundação Educacional de Bauru e, junto a colegas da época, pude reencontrar alguns professores. Dois deles estão na foto que ilustra este post. José Humberto Santana (de verde) e Rubens Zapater. Santana foi meu professor de ciências e o Rubens foi o diretor do colégio. Revê-los foi uma emoção forte.

Sempre tive uma fascinação pela ciência, desde moleque li muito a respeito, especialmente astronomia e paleontologia, e não foi difícil estabelecer uma empatia imediata com o Santana. Ele tinha na época por volta de 32 anos de idade e surpreendia a garotada com suas aulas inusitadas, o jeitão de falar, o sorriso sempre pronto e o carinho com que se dirigia aos alunos. Numa ocasião, diante da bagunça da molecada, ele colocou sua cadeira sobre a mesa, subiu e ficou lá sentado vigiando a turma enquanto a prova corria solta. Aquela atitude ficou marcada em mim, como uma demonstração de irreverência, humor e capacidade de inovar num ambiente avesso à inovação.

Noutra ocasião acompanhou a turma até um churrasco num rancho de beira de rio, jogando futebol, falando abobrinhas, tocando violão e se transformando em um de nós. Era impossível não gostar do Santana.

E aí me recordo de um exercício que sempre proponho em minha palestra Gente Nutritiva: cada pessoa que tenha cursado até uma faculdade teve ao longo da vida talvez uma centena de professores. Pergunto então quem da plateia é capaz de me dar o nome de cinco desses professores que fizeram diferença real em suas vidas. Poucos levantam as mãos. É difícil lembrar cinco entre os cem, não por falta de memória, mas porque são realmente poucos os que realmente fazem a diferença.

Peço então às pessoas que lembraram de algum nome, que respondam: por que aquele professor ou professora fez a diferença?

Pelo conhecimento que tinha da matéria dada? Não.

Por ter dado notas boas? Não.

Por ser acessível ou camarada? Não. Nunca é por essas causas.

Aquele professor ou professora fez a diferença por demonstrar que se preocupava verdadeiramente comigo. Por deixar claro, nas palavras e atos, que queria o meu bem, queria me ver crescer. Por, mesmo quando me repreendia, deixar evidente que havia ali a intenção de me fazer uma pessoa melhor. Por demonstrar que existe uma espécie de amor entre mestre e aluno.

O Santana era assim. E acabo de receber a notícia de que ele faleceu hoje em Bauru, aos 70 anos de idade. O encontrei muito pouco, talvez duas ou três vezes ao longo dos 40 anos desde que me formei. Mas em todas as vezes aquele sorriso, o abraço, o jeito interessado de falar, a curiosidade verdadeira de saber de mim, estavam presentes.

Deixo aqui como uma homenagem ao mestre Santana, uma pequena fala de Rubem Alves, outro mestre:

“ Educar é mostrar a vida a quem ainda não a viu. O educador diz: ‘Veja!’, e ao falar, aponta. O aluno olha e vê o que nunca viu. Seu mundo se expande! Ele fica mais rico, ele pode sentir mais alegria e dar mais alegria, que é a razão pela qual vivemos. O milagre da educação acontece quando vemos um mundo que nunca havíamos visto.”

É isso. Guardo o Santana no lado esquerdo do peito pois, fingindo que ensinava, o que ele mais me deu foi alegria.

Vá em paz, meu amigo.