Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Café Brasil 721 – Lake Street Dive
Olha, os dias andam um saco! Todo mundo nervoso, ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

5 ações de marketing para ajudar a superar a crise do coronavírus
Michel Torres
Negócios em todo o mundo estão sentindo os efeitos da pandemia: menos clientes, menor receita e o medo de não ter condições de aguentar esse tempo de prejuízo. Precisamos salvaguardar a saúde e o ...

Ver mais

Brasis
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Brasis  “Quanto tempo um homem deve virar a cabeça, fingindo não ver o que está vendo?” Bob Dylan Minha primeira lembrança pra valer do que vou focalizar neste artigo é de quando li Os dos ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Cafezinho 292 – A bunda da Daniele
Qual janela você escolheu para ver o mundo?

Ver mais

Don Facundo

Don Facundo

Luciano Pires -

Don Facundo era o nome dele. Pelo menos eu acho que era, pois já lá se vão uns 40 anos… Don Facundo era um boneco de ventríloquo que nos anos sessenta e início dos setenta fazia a festa da criançada na televisão. Me lembro bem que o boneco era espirituoso e falava com sotaque. Eu ficava fascinado cada vez que ele aparecia nos televisores em preto-e-branco. Mas um dia foi diferente. Apareceu o ventríloquo sozinho, numa entrevista, fazendo um apelo. O Don Facundo fora roubado, e seu dono pedia, a quem o roubou, que devolvesse seu instrumento de trabalho.
Assisti àquela cena meio sem entender direito. O que é que alguém faria com um boneco de ventríloquo roubado? Será que o boneco falaria com outra pessoa além de seu dono? E se fosse outro ventríloquo? O boneco não teria a mesma voz, nem a mesma personalidade. O fato é que o ventríloquo reapareceu depois com outro boneco, mas que já não era o Don Facundo. E me arrisco a dizer que estava mais triste. Não tinha mais a mesma cara, nem fazia a mesma graça. E o tal ventríloquo desapareceu…
O ladrão que levou o boneco levou também um pedaço da vida do ventríloquo.
Tudo isso me veio â lembrança na última terça feira, dia dois de outubro de 2007 quando, em plena Marginal de Pinheiros, em São Paulo, em meio a um engarrafamento, um motoqueiro parou ao lado do meu carro, bateu em minha janela e, mostrando um revólver, agressivamente levou meu relógio, meu celular e meu lap top.
Tudo aconteceu em menos de um minuto, no meio de muitos automóveis. Minha reação foi instintiva. Apenas deixei as mãos à mostra, mantendo-me calmo – já que o ladrão parecia muito nervoso – e entreguei cada objeto que ele pedia. Vi aliviado o ladrão sair em meio aos carros. O relógio era baratinho. Os celulares eu bloqueei. Mas o lap top era meu Don Facundo. Dentro dele, milhares de informações. Perdi alguns projetos nos quais eu trabalhava e que ainda não haviam sido duplicados para outras máquinas. Mas alguma coisa mais também foi roubada.
Dois dias após o assalto fiz a palestra de abertura do Congresso Internacional para a “Qualidade do Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade”, em Porto Alegre. Cerca de mil pessoas na platéia ouvindo-me falar sobre inovação. A palestra foi um sucesso, mas em nenhum momento me senti à vontade naquele palco. Tinha mais alguém lá comigo, o tempo todo.
Um motoqueiro e um cano de revólver…
Sempre termino a palestra com um apelo à platéia para que lute contra a percepção de que o Brasil é um país de risco. Eu digo que a exposição diária a doses maciças de violência, principalmente pela televisão, faz com que tenhamos uma imagem muito pior da realidade. Sempre defendi essa tese com paixão.
Mas naquela manhã, enquanto tentava dizer aquelas palavras, senti que estava sendo falso.
Aquelas palavras cabiam na boca de um outro Luciano. Um Luciano que, de certa forma, morreu na Marginal de Pinheiros, quando o que até então era uma percepção, passou a ser realidade.
Meu relógio se foi. Compro outro. Meu celular se foi. Compro outro. Meu lap top se foi, Compro outro.
Mas, como Don Facundo, o ladrão levou junto um pedaço de mim.
Que não dá pra comprar com dinheiro nenhum.