s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Don Trujillo

Don Trujillo

Luciano Pires -

Em texto recente sobre um assalto que sofri, lembrei de Don Facundo, um boneco de ventríloquo que nos anos sessenta e setenta foi a alegria da garotada na televisão. Um dia o boneco foi roubado e jamais reapareceu. E o ventríloquo sumiu. Pesquisei informações sobre ele e nada encontrei. Mas graças a alguns leitores – entre dezenas que me escreveram e aos quais agradeço – remontei um pouco de sua história.

O Neco Ribeiro, que é palhaço profissional e participa do fórum de meu site,  lembrou que o boneco substituto do Don Facundo chamava-se Don Pedrito. Mas não tinha a mesma graça. O Marco Piquini observou que Don Facundo era “meio safadão”, uma espécie de versão em madeira do Zé Trindade, humorista famoso na época.

Mas foi Marcilio Dias quem remeteu detalhes preciosos:

“Eu conheci Don Facundo pessoalmente. Quando estudante, em Jaboticabal, cidade do interior de São Paulo, na altura dos anos sessenta, conheci Carlos Trujillo (esse era o nome do ventríloquo). Ele apareceu do nada. Creio que procedente da América Central. Morou no Hotel Municipal de Jaboticabal. Freqüentava nosso grupo de rapazes (ele era bem mais velho que a gente). E não era capaz de fazer a voz do boneco sem tê-lo em operação. Trujillo tinha também uma caveira, a quem emprestava sua voz:  Dona Sinforosa que, à maneira de Franquito (cantor guri, de sucesso, naqueles anos), cantava ´Donde estará mi vida?´ Era tudo que uma caveira gostaria de saber! A sede de nosso ´clube´ era um conjunto de bancos  na praça central, Nove de Julho. Não há muito tempo, com tristeza, li que Trujillo havia falecido.”

Antonio Mier escreveu: “O ventríloquo nunca mais foi o mesmo. Além de perder o boneco, perdeu a dignidade e acabou se entregando à bebida. Meu pai era enfermeiro em um hospital e me levou para conhecê-lo. Depois do sumiço do boneco ele ficou arrasado, não teve mais forças para lutar contra o vício.”

Fascinante! Um estrangeiro misterioso que surge do nada, com uma ligação mágica com um boneco que desperta seu talento. Um dia o boneco é roubado e a mágica desaparece, fazendo com o que o ventríloquo termine seus dias em desgosto. Parece enredo de novela. E me remete a várias reflexões…

A uma festa em Pedra Azul, por exemplo, divisa de Minas com a Bahia, em 1976. Animada por um sanfoneiro, rapaz pobre, que toca com uma gana de dar gosto. São dez da noite e ele começou a tocar às sete. Seus antebraços, no ponto onde encostam no instrumento, estão vermelhos. E o bichinho tocando… Apaixonado por seu Don Facundo, o acordeão.

Ou então meu amigo Chiquinho, nos anos oitenta tocando guitarra na banda Reveillon. Viajando para todo lado, se apresentando horas e horas nos bailes. Uma maratona que entrava pelas madrugadas, sextas, sábados e domingos… Apaixonado por seu Don Facund uma guitarra.

E em outra oportunidade, num restaurante, um trio tocando jazz. Fabuloso. Quando param não resisto, vou  falar com o baixista. Já idoso, uma simpatia. Dou os parabéns, ele agradece e me passa um cartão. É o Sabá, uma lenda da noite paulistana. Tocando até de madrugada, do jeitinho que faz desde os anos 50… Apaixonado por seu Don Facundo, um contrabaixo.

E então vem a mensagem de meu amigo Hans Hein, no fórum de meu site:

“Luciano, o Don Facundo está EM você, não foi roubado, apenas vai ter que mudar, provavelmente, uma opinião, isto não é tão difícil assim.”

É verdade, caro Hans. Todos temos um Don Facundo. Que pode ser qualquer coisa que tenha o poder de despertar em você uma força mágica que te faz dizer: estou vivo! Essa tal “coisa”, quando é um objeto ou instrumento, é apenas um símbolo. Uma inspiração. O Don Facundo verdadeiro estava dentro do ventríloquo. E ficou lá para sempre, preso, pois talvez Carlos Trujillo não tenha percebido que o boneco era apenas um gatilho. Mas… só um gatilho? Será tão simples assim ?

Claro que não. Bonecos de ventríloquo, saxofones, guitarras e acordeões existem aos montes. Mas só alguns têm alma.

A alma que foi roubada de Don Trujillo.

Felizmente a minha continua aqui.