s
Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

Isolamento social, ideologia e privilégio de classe
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A linguagem é dialética. Para apreender toda a extensão do que é dito, é preciso captar não só o seu significado explícito, mas também o que se oculta. Todos sabemos: em período de pandemia, é ...

Ver mais

Polêmica indesejável
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Polêmica indesejável “Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo.” José Ortega y Gasset A aprovação do marco regulatório do saneamento pelo Senado, no dia 24 de ...

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Dona Helena e a Pocahontas

Dona Helena e a Pocahontas

Luciano Pires -

Num final de semana, assistindo ao DVD do filme Novo Mundo de Terrence Malick, encontrei uma cena fascinante. A atriz Q’Orianka Kilcher faz o papel da índia Pocahontas, levada para conviver com os colonos ingleses no começo do século 17 na região onde hoje é a Virgínia nos EUA. Retirada de sua aldeia a índia tem que usar roupas como as mulheres dos colonos e seu processo de “civilização” é complicado. A cena a que me referi acontece no momento em que a índia é trancada dentro de uma cabana e examina em detalhes uma… janela. Uma janela tosca, de madeira, sem nenhuma sofisticação como vidro, fechaduras metálicas ou alumínio. Ela olha sob vários ângulos, fascinada com aquela coisa fantástica que se abre e fecha, permitindo que ela veja a paisagem e também seja protegida das intempéries. Para Pocahontas em 1605 a janela de madeira era um milagre da tecnologia.

Pouco depois fui a Bauru, minha terra natal, fazer uma palestra. Fiquei hospedado na casa de meus pais e lá pelas tantas mostrei meu IPad para a minha mãe, Dona Helena, com seus 78 anos de idade. Vi repetir-se a cena do filme. Dona Helena mostrou a mesma fascinação da Pocahontas com aquele objeto capaz de fazer coisas mágicas, diferente de tudo que ela já havia visto. Para a dona Helena em 2011 o IPad é um milagre da tecnologia.

Agora imagine a rainha Elizabeth I experimentando pela primeira vez um vaso sanitário lá por 1600…  

Voltando para hoje, digamos que você é mulher, com seus vinte e poucos anos, “geração Y” total. Imagine em 2050 seu neto mostrando um videogame holográfico com sistema táctil e cheiros. Aposto que sua expressão será a mesma da Dona Helena de 40 anos atrás. Ou da Pocahontas  e da Rainha Elizabeth I 450 anos antes.  Onde quero chegar? Mais uma vez nessa história de “geração isso, geração aquilo”. A Pocahontas, a Rainha Elizabeth, a Dona Helena e aquela moça geração Y tem a mesma constituição física, o mesmo tamanho de cérebro, o mesmo número de neurônios. Sentem, ou sentiam, fome, sede, frio e calor do mesmo jeito. Se furar o dedo sai sangue. São iguaizinhas. Como igualzinha era a rainha Cleópatra 2050 anos atrás… O que as diferencia é o contexto em que nasceram, o progresso tecnológico, as transformações na economia, a cultura geral. Cada uma é produto de uma sociedade. Portanto, discutir e classificar gerações só tem sentido se a amostragem for constituída de gente que tem uma base comum de cultura histórica, econômica, educacional, linguística e social. Ou você acha que existe “Geração Y” no interior do Senegal? Nas montanhas do Nepal? No meio da selva do Cambodja? Na periferia de qualquer grande cidade brasileira?

Se fosse possível trazer a Pocahontas, que na história famosa tinha 14 anos de idade, para os dias de hoje, quanto tempo você acha que ela levaria para aprender a usar um IPad?

Geração não é horóscopo. É contexto.

Luciano Pires