s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Dona Helena e a Pocahontas

Dona Helena e a Pocahontas

Luciano Pires -

Num final de semana, assistindo ao DVD do filme Novo Mundo de Terrence Malick, encontrei uma cena fascinante. A atriz Q’Orianka Kilcher faz o papel da índia Pocahontas, levada para conviver com os colonos ingleses no começo do século 17 na região onde hoje é a Virgínia nos EUA. Retirada de sua aldeia a índia tem que usar roupas como as mulheres dos colonos e seu processo de “civilização” é complicado. A cena a que me referi acontece no momento em que a índia é trancada dentro de uma cabana e examina em detalhes uma… janela. Uma janela tosca, de madeira, sem nenhuma sofisticação como vidro, fechaduras metálicas ou alumínio. Ela olha sob vários ângulos, fascinada com aquela coisa fantástica que se abre e fecha, permitindo que ela veja a paisagem e também seja protegida das intempéries. Para Pocahontas em 1605 a janela de madeira era um milagre da tecnologia.

Pouco depois fui a Bauru, minha terra natal, fazer uma palestra. Fiquei hospedado na casa de meus pais e lá pelas tantas mostrei meu IPad para a minha mãe, Dona Helena, com seus 78 anos de idade. Vi repetir-se a cena do filme. Dona Helena mostrou a mesma fascinação da Pocahontas com aquele objeto capaz de fazer coisas mágicas, diferente de tudo que ela já havia visto. Para a dona Helena em 2011 o IPad é um milagre da tecnologia.

Agora imagine a rainha Elizabeth I experimentando pela primeira vez um vaso sanitário lá por 1600…  

Voltando para hoje, digamos que você é mulher, com seus vinte e poucos anos, “geração Y” total. Imagine em 2050 seu neto mostrando um videogame holográfico com sistema táctil e cheiros. Aposto que sua expressão será a mesma da Dona Helena de 40 anos atrás. Ou da Pocahontas  e da Rainha Elizabeth I 450 anos antes.  Onde quero chegar? Mais uma vez nessa história de “geração isso, geração aquilo”. A Pocahontas, a Rainha Elizabeth, a Dona Helena e aquela moça geração Y tem a mesma constituição física, o mesmo tamanho de cérebro, o mesmo número de neurônios. Sentem, ou sentiam, fome, sede, frio e calor do mesmo jeito. Se furar o dedo sai sangue. São iguaizinhas. Como igualzinha era a rainha Cleópatra 2050 anos atrás… O que as diferencia é o contexto em que nasceram, o progresso tecnológico, as transformações na economia, a cultura geral. Cada uma é produto de uma sociedade. Portanto, discutir e classificar gerações só tem sentido se a amostragem for constituída de gente que tem uma base comum de cultura histórica, econômica, educacional, linguística e social. Ou você acha que existe “Geração Y” no interior do Senegal? Nas montanhas do Nepal? No meio da selva do Cambodja? Na periferia de qualquer grande cidade brasileira?

Se fosse possível trazer a Pocahontas, que na história famosa tinha 14 anos de idade, para os dias de hoje, quanto tempo você acha que ela levaria para aprender a usar um IPad?

Geração não é horóscopo. É contexto.

Luciano Pires