s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

É a credibilidade, estúpido.

É a credibilidade, estúpido.

Luciano Pires -

“Se os fatos não se encaixam na teoria, modifique os fatos.” Albert Einstein.

Governos arrecadam impostos e com eles pagam as contas. O dinheiro que sobra depois de pagar as despesas, exceto os juros da dívida pública, é o tal superávit primário. E se o governo pagou tudo, menos os juros da dívida, o superavit é exatamente para isso: pagar os juros da dívida.

O resultado primário, seja ele superávit ou déficit, é um indicador de como o governo está administrando suas contas.

Mas o que é essa tal de dívida pública? O governo toma dinheiro emprestado para financiar parte dos gastos não cobertos com a arrecadação de impostos, e para a gestão financeira do dia a dia. Essa é a dívida pública, que pode ser interna (quando o credor está dentro do país), ou externa (fora do país). Esses credores são bancos públicos ou privados, investidores privados, instituições financeiras internacionais e governos de outros países.

O Presidente da República, por meio da Secretaria do Orçamento Federal, redige a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que é o instrumento legal e normatizador que orienta a elaboração e execução do Orçamento Anual. Além de tratar de gastos com pessoal, alterações tributárias e política fiscal, a LDO determina a meta do superávit primário. Fixada em lei, essa meta é um compromisso que o governo assume, ao dizer para seus credores: “Fiquem tranquilos que teremos dinheiro para pagar vocês.”

Em 2014 a meta oficial era de R$ 116,1 bilhões para o governo federal, incluindo as estatais. E aí começou a criatividade… Desse valor poderiam ser deduzidos R$ 67 bilhões aplicados no PAC e e nas reduções de impostos e tributos que o governo faz para determinados setores da economia, como por exemplo o IPI dos automóveis, as chamadas desonerações. Assim, a meta oficial para o superávit primário caiu para R$ 49,1 bilhões.

No entanto, já prevendo que a meta não seria alcançada, o governo reduziu os R$ 116,1 bi para R$ 80 bi, com possibilidade de abatimento de cerca de R$ 35 bi. O superávit primário que deveria ser de 3,1% do PIB (Produto Interno Bruto), caiu para 1,9%. E a turma começou a ficar (mais) desconfiada.

Esta semana o governo encaminhou para o Congresso um projeto de lei que aumenta o limite do abatimento com os recursos investidos no PAC e desonerações. Até outubro o governo realizou em pagamentos do PAC e desonerações, R$ 127 bilhões. Olha só: 127 menos 80, “sobram” 47 bi. O governo poderá então terminar o ano com um déficit primário, que será maquiado, escondido por uma manobra.

Querem mudar as regras no final do jogo.

É o fim do mundo? Não. EUA, Canadá, México, Argentina, Reino Unido, França e China, por exemplo, tiveram déficits em vários momentos nos últimos anos. Onde é que o bicho pega então?

Na credibilidade. Há tempos vários organismos nacionais e estrangeiros já apontaram que o Brasil não cumpriria a meta. E foram chamados de agourentos pelos simpatizantes do governo.

O governo fixou uma meta, mudou-a duas vezes e agora, aos 43 do segundo tempo, vem dizer que não há mais meta. E, questionado, diz: “Ah, mas os outros também não vão cumprir…”.

Pois é. Tem gente que fica satisfeita com essa “explicação”, sem saber que essa quebra de compromisso pode ser enquadrada como crime de responsabilidade…

O governo não sabe se terá receita primária suficiente para pagar todos os compromissos, inclusive os juros da dívida pública. E não admite isso. E cria truques para esconder os resultados ruins. Para os credores da dívida, a capacidade que o governo tem de honrar seus compromissos é incerta, o planejamento é incerto, a competência é incerta, a capacidade de controlar as contas é incerta. A transparência é incerta. E diante dessa imprevisibilidade, passam a ter razões para tratar o governo como um potencial caloteiro.

– Maria, o Luciano prometeu, não vai cumprir e tenho a impressão que está querendo me enrolar.

– Acho que ele não é capaz de administrar suas contas, José.

– O que faremos?

– Corta o crédito dele!

É a credibilidade, estúpido.