s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Efêmeros Heróis

Efêmeros Heróis

Luciano Pires -

Quando o Cirque du Soleil estava no Brasil assisti a uma curiosa matéria na televisão. Acho que foi no Fantástico. Os repórteres foram para o interior do Nordeste, até um pobre circo mambembe, daqueles em que o pai é o apresentador, o mágico e o trapezista, a mãe é ajudante do mágico, contorcionista e palhaço e os filhos fazem de tudo um pouco. Lá encontraram o garoto trapezista, que toda noite se apresentava para o distinto público. Magérrimo, feio, mal vestido e com movimentos desengonçados, o rapazola dependurava-se nas alturas e pintava e bordava.

A proposta do repórter era levar o garoto – junto com o pai – para São Paulo, para assistir ao Cirque du Soleil. Mais que isso: iriam apresentá-lo a um dos astros do circo, um dos trapezistas. E o garoto poderia praticar um pouco junto com os profissionais.

A cena da chegada do garoto e seu pai ao Cirque foi emocionante. Não sei se eles conseguiam entender o que estavam vendo. Durante o show, a expressão de deslumbre aumentava a cada número que o grupo de artistas fabulosos realizava.

E, depois do show, o presente. Lá vamos nós para a área de treinamento do Cirque, onde os dois são recebidos pelo astro dos trapézios. Um rapaz bonito, forte, com todos os músculos delineados, evidentemente bem alimentado e feliz. O nosso herói nordestino recebe uma roupa de trapezista de presente, que logo trata de vestir. A roupa não cai bem. É como aquele fenômeno que acontece com os capacetes de obra que – aqui no Brasil – nunca assentam nas cabeças dos peões…

Os dois começam a se exercitar. O rapaz do Cirque com movimentos suaves, levíssimos, de uma beleza que lembrava uma dança. Nosso garoto trapezista com movimentos brutos, fora de sintonia, desequilibrados. Era realmente feio de se ver, principalmente quando o outro mostrava como devia ser feito.

Mas de repente nosso herói brasileiro faz um ousado movimento no trapézio que desperta uma expressão de espanto no trapezista do Cirque. Um movimento difícil, que o garoto executa com segurança. O rapaz do Cirque tenta repetir o movimento e encontra dificuldades. Acha perigoso. E o menino brasileiro diz que fazia aquilo todo dia. Lá no alto…

O trapezista do Cirque tenta outra vez e desiste, com medo de se machucar. E nosso herói – junto com toda a nação brasileira que assistia a matéria – fica orgulhoso. Viu só? Somos capazes de – com nosso talento bruto – fazer coisas que nem os profissionais conseguem.

Continuamos feios. Desengonçados. Mal vestidos. Mal alimentados. Mas vamos lá e surpreendemos… Viva o Brasil!

De volta para casa com seu pai o garoto leva os troféus: a roupa do treino e as histórias pra contar. Um herói efêmero, cuja fama dura tanto quanto os minutos nos quais sua imagem permanece no ar, na televisão. Depois da festa da recepção, dos cumprimentos, de contar e recontar a história, nosso herói vai dormir um sono como talvez nunca tenha experimentado. Acorda no dia seguinte, pobre como sempre foi. Na mesma velha tenda, na mesma velha cama improvisada. E volta ao trabalho de buscar água, consertar a lona, vestir a sapatilha surrada, dar comida aos cabritos e galinhas e fazer as vezes do trapezista desengonçado e do palhaço melancólico que alegram as periferias do Brasil…

E tudo volta ao normal.

Essa história do brasileiro pobre que desenvolve a duras penas um talento natural e que um dia serve como atração da mídia para depois voltar à realidade como um efêmero herói, não é familiar?

Claro que sim. Repete-se a cada quatro anos.

Desta vez está sendo em Pequim.