s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Café Brasil 799 – Essa tal meritocracia
Meritocracia, meritocracia... meritocracia... como tem ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Proposições e sua Expressão Gramatical (parte 1)
Alexandre Gomes
DEFINIÇÕES E DISTINÇÕES Proposição e relação de termos. A proposição AFIRMA uma relação de termos. Em uma estrutura de palavras compostas de: um sujeito, uma cópula e um predicado. Os termos ...

Ver mais

A catástrofe circular da escola brasileira
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A catástrofe circular da nossa escola: temos professores de fraca formação acadêmica, com salários miseráveis. Eles oferecem aos seus alunos pouca cultura e, por isso, não os elevam acima da ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Eu tenho a força!

Eu tenho a força!

Luciano Pires -

“Acabo de ler seu livro ‘Brasileiros Pocotó’, baixado na internet em epub, gostaria que me informasse uma conta para depositar o valor da aquisição de um exemplar. Prazerosa a leitura… façamos melhor, lhe pagarei por 5 exemplares, caso me permita compartilhar com alguns amigos o epub que tenho. Grande Abraço”

Esse recado recebi de um leitor, o Fransuá, que obteve uma cópia ilegal de meu livro, provavelmente pelo site lelivros.red, que está pirateando livros de vários autores. Esse site está hospedado fora do Brasil, e seus donos se dizem democratizadores da cultura: “Acreditamos que o conhecimento deva ser livre, que todos necessitam ter acesso à cultura. E que se o sistema e os governantes fazem nada ou muito pouco, nós o faremos, é nosso dever ajudar as pessoas”, respondeu um dos representantes do site ao jornal Estadão, por e-mail.

E aí? Pirataria ou democratização da cultura?

Sou um autor independente, sem estrutura de editora por trás. Meus e-books são vendidos por 7, 10 ou 14 reais, e de quando em quando entram em promoção por até 1,99, além de estarem no esquema de empréstimo da Amazon. Só falta eu dar de graça… Quem pirateia meu trabalho, não remunera esse meu esforço independente.

Há quem ache que a pirataria faz bem para o autor, pois expõe sua obra a um maior número de pessoas, tornando-o conhecido e gerando ganhos em shows, palestras e outras formas que não seriam possíveis se sua obra não tivesse sido popularizada pela pirataria. Portanto, pirateie-se!

E há quem – como eu – ache que o direito autoral é sagrado, que o autor tem que ser remunerado por seu trabalho, independente dos ganhos indiretos.

Essa discussão vai longe, mas quero aqui refletir sobre o Fransuá, que baixou meu e-book pirata, ficou tão satisfeito com a leitura que me mandou um e-mail solicitando uma forma de compensar.

E aí o jogo ficou interessante.

Pago por aquilo que me agrega valor. Quanto? Não sei, mas quero pagar!

Estou fazendo um teste há cerca de 30 dias, usando a estratégia do “fiquei satisfeito, quero pagar”. Criei uma forma para que os ouvintes do Podcast Café Brasil, que tem em média 100 mil downloads por episódio, passem a “assinar” o programa, pagando R$ 2,50 por programa baixado. Quatro programas por mês, R$ 10 reais, mais ou menos o que você paga por uma lata de cerveja quente na balada. Não mudei nada no sistema, que continua gratuito, apenas criei um caminho para quem ficou satisfeito e acha que vale remunerar meu esforço. Paga quem quiser, se não quiser, continua recebendo o programa normalmente.

Em 30 dias conseguimos 135 assinantes e estimo que chegaremos a 200. Com adesão de apenas 0,20% da base de ouvintes, obteremos R$ 2 mil reais por mês. Nada mal para quem até 30 dias atrás tinha nada, não é?

Se você quer saber como é, acesse http://portalcafebrasil.com.br/tudo-sobre-podcasts/ajude-a-manter/

Agora imagine se 2% decidissem que vale a pena contribuir. Seriam R$ 20 mil por mês! Isso tornaria a operação auto suficiente, sem precisar de lei Rouanet ou patrocínios, sem encarecer o produto com intermediários, simplesmente pela ação consciente de uma minoria dos ouvintes, que viram valor no produto. Uma “conspiração” autor mais ouvinte.

Transfira esse comportamento para todo o universo cultural e você verá que juntos, como ouvintes, leitores ou espectadores independentes, poderíamos revolucionar o mercado ao proporcionar aos autores as condições para que se dediquem de corpo e alma à sua obra.

Cada um de nós, consumidores dos produtos culturais, tem a força para revolucionar o mercado.

Basta agir como o Fransuá, remunerando aquilo que nos gerar valor.

O que você acha disso?