s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
Café Brasil 798 – Raciocínios Perigosos – Revisitado
O Café Brasil de hoje é a releitura de um programa de ...

Ver mais

Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Café Brasil 797 – ‘Bora pra Retomada – com Lucia Helena Galvão
Tenho feito uma série de lives que chamei de ‘Bora pra ...

Ver mais

Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Café Brasil 796 – Maiorias Irrelevantes
Outro daqueles acidentes estúpidos vitimou mais uma ...

Ver mais

Café Brasil 795 – A Black Friday
Café Brasil 795 – A Black Friday
Uma vez ouvi que a origem do apelido Black Friday seria ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Quadrinhos em alta
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Quadrinhos em alta Apesar do início com publicações periódicas impressas para públicos específicos, as HQs não se limitam a atender às crianças. Há quadrinhos para adultos, de muita qualidade, em ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Tipos e Regras de Divisão Lógica (parte 7)
Alexandre Gomes
Antes de tratar das regras da divisão lógica – pois pode parecer mais importante saber as regras de divisão que os tipos de divisão – será útil revisar alguns tópicos já tratados para ...

Ver mais

Simplificar é confundir
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Alexis de Tocqueville escreveu que “uma idéia falsa, mas clara e precisa, tem mais poder no mundo do que uma idéia verdadeira, mas complexa”.   Tocqueville estava certo. Em todos os ...

Ver mais

País de traficantes?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Não é segredo que o consumo de drogas é problema endêmico no País, bem como o tráfico delas. O Brasil não apenas recebe toneladas de lixo aspirável ou injetável para consumo interno, como ainda ...

Ver mais

Cafezinho 444 – Congestão mental
Cafezinho 444 – Congestão mental
Quanto de alimento intelectual você consegue entuchar ...

Ver mais

Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
Cafezinho 443 –  O crime nosso de cada dia
A sociedade norte americana está doente. E eles somos ...

Ver mais

Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
Cafezinho 442 – Por que cultura é boa?
A cultura é boa porque influencia diretamente a forma ...

Ver mais

Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
Cafezinho 441 – Qual cultura é melhor?
A baixa cultura faz crescer a bunda, melhorar o ...

Ver mais

Fact Check? Procure o viés.

Fact Check? Procure o viés.

Luciano Pires -

Arte: https://gzertkl.deviantart.com/

As mídias sociais, em especial o Facebook, representam uma transição na forma como a humanidade lidou com a criação e distribuição da informação durante a história. Estamos vivendo uma mudança de mídia, tão importante quanto a revolução da imprensa 500 anos atrás, quando Gutemberg inventou a prensa de tipos móveis.

As mídias sociais transitam numa área cinza, onde a legislação e as regras atuais não atuam com eficiência. Questões como a independência criativa, a liberdade de expressão, a liberdade de distribuição, a responsabilidade pelos fatos divulgados, ganham outra conotação quando todo mundo passa a ser “dono” da mídia. Coloquei esse dono entre aspas. Essa é a proposta das mídias sociais: você é dono da mídia… mas só até a página dois.

O dono do Facebook pode determinar o que será publicado e de que forma será publicado, privilegiando notícias conforme sua visão do mundo. E assim muda completamente as regras do jogo democrático. E tudo sob o pretexto de combater as tais Fake News, que se tornaram populares depois que Donald Trump entortou a imprensa mundial com sua vitória. Quem perdeu saiu gritando:

– Trump só ganhou por causa das Fake News!

Se você ouviu o Podcast Café Brasil 362 – A Janela de Overton sabe como a coisa funcionou. O primeiro passo foi fazer com que o tema Fake News fosse levado para primeiro plano, sendo maciçamente incutido na cabeça de todo mundo. Fake News é algo mau, é a mentira que precisa ser combatida para o bem da humanidade. Dá pra ser contra esse discurso?

A Janela de Overton foi assim deslocada da posição “indiferente” para a posição “muito importante”. O segundo passo foi os donos das mídias se declararem preocupados e dispostos a colaborar. E o ponto máximo foi a cara de sonso de Zuckerberg jurando que está tomando providências. Na sequência vem o anúncio de como isso será feito.

Num movimento coordenado, jornais, revistas, emissoras de rádio e televisão e as mídias sociais começam a anunciar parcerias com agências de checagem dos fatos, os chamados Fact Checking. Na teoria, essas agências são organizações isentas que vão investigar uma notícia para saber se ela é real ou falsa. A proposta é linda, não é? Quem é que pode ser contra alguém que se propõe a nos proteger de notícias falsas?

Pois é.

Mas se você der uma pesquisada no perfil das agências brasileiras de fact checking, verá que suas equipes são compostas por eleitores, militantes e simpatizantes de partidos da esquerda. Mas e daí? Eles garantem que são imparciais! Tem até código de conduta!

A agência Lupa, por exemplo, é ligada à revista Piauí, à Folha de São Paulo e ao UOL, bastiões da esquerda brasileira, mas isso é só um detalhe. A Lupa examina os fatos e dá a eles uma classificação:

Verdadeiro – quando a informação está comprovadamente correta

Verdadeiro, mas – quando está correto, mas o leitor merece mais explicações

Ainda é cedo para dizer – a informação pode ser verdadeira mais ainda não é

Exagerado – informação no caminho correto, mas com exageros

Contraditório – Informação contradiz outra difundida pela mesma fonte

Insustentável – não há dados públicos que comprovem a informação

Falso – informação comprovadamente incorreta

De olho – para dizer que estão monitorando

São oito conclusões possíveis, a maioria absolutamente subjetiva. Alguém vai dar uma opinião sobre o fato, definindo se é verdade ou mentira. Um ser humano. Olha, mesmo que você se julgue um pensador independente, a maioria de seus pensamentos e conclusões é pesadamente influenciada pelos grupos com os quais você se identifica, pela educação – ou doutrinação – que você recebeu, pela religião que você segue. Compartilhar esses significados é o que nos inclui nas tribos, que nos dá a sensação de pertencimento, de proteção, de segurança. É, portanto, natural que tenhamos um viés.

A moça lá sai às ruas gritando “Fora Temer!” e “Abaixo Moro”; anuncia que vai votar no Boulos, depois dá likes e compartilha posts contra Bolsonaro. E aí chega no trabalho para analisar Fake News que atacam os mesmos Temer, Moro e Bolsonaro que ela atacou antes. E garante que será imparcial. Inverta o sinal que também serve.

Sacou?

Se quem vai dar sua opinião sobre um fato pertence a uma tribo que tem um claro viés ideológico, o que é que você acha que vai acontecer quando o fato analisado beneficia um grupo adversário? Percebeu o tamanho do perigo? Especialmente porque a censura não precisa ser explícita. Tá lá: o Facebook não vai tirar do ar, mas vai reduzir o alcance e ninguém vai perceber. Isso até tem nome: ghost banning, o banimento fantasma, a censura que não aparece para o censurado.

Fake News fazem parte da realidade e vão continuar existindo enquanto existirem dois seres humanos vivos na face da Terra. Enquanto adaptamos nossas regras e leis à sociedade da informação, você é que tem de agir, como indivíduo. Primeiro se preparando intelectualmente para analisar os fatos. E depois observando implacavelmente quem está por trás da mídia, do site ou blog que está qualificando conteúdos para você. Que linha de pensamento eles defendem, quem são seus patrocinadores, que interesses eles ocultam, qual o histórico das pessoas que produzem o que ali é veiculado? Procure o viés. Uma pequena investigação como essa derruba imediatamente 95% do que se vê e lê por aí.

Ah, e o mais importante. Faça a mesma análise com quem está acusando alguém de “fake news”. Cheque o caráter de quem checa informações. Investigar o que é verdade e o que é mentira – com base em fatos – é o papel dos “fact checkers”.

Determinar o que é legítimo, não.

#InternetLivre #InternetFreedom
#quemchecaoschecadores