Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Ganhar com a copa

Ganhar com a copa

Luciano Pires -

Abro minha palestra “O Complexo de Vira Latas” com uma informação que pouca gente conhece: a Copa do Mundo de 1950 foi disputada no estádio do Maracanã ainda em obras. A concorrência para a construção do estádio foi aberta pela prefeitura do Rio de Janeiro em 1947, as obras iniciaram-se em agosto de 1948, mas só foram completadas em 1965. O impacto da derrota para o Uruguai naquela final de 1950 foi tão grande que apagou de nossa memória todos os outros detalhes do evento.

Ou seja, em se tratando de Copa no Brasil o retrospecto não é bom…

Vejamos a Copa de 2014. O orçamento das obras nos estádios de futebol foi inicialmente de 3,7 bilhões de reais. Em Janeiro de 2011 veio a primeira correção, para R$ 5,6 bi. Em setembro, nova correção: R$ 6,6 bi. Isso só com a construção dos estádios. Se computados os investimentos na infra-estrutura em torno das praças de esportes, nas melhorias em aeroportos, estradas, rede hoteleira e tudo o mais, vamos chegar facilmente aos R$ 40 bi. E acho que estou chutando baixo.

Conheço gente que aposta que o evidente atraso nas obras nada mais é que a velhíssima estratégia de criar dificuldades para vender facilidades: na última hora o governo abre o cofre e gasta o que for, como for, pra não passar vergonha.

O exemplo do Pan do Rio de Janeiro é preocupante. O que se construiu no Rio foi muito mais do que seria necessário para a realização de um Pan. Foi na verdade uma vitrine para mostrar que tínhamos bala na agulha para realizar uma Olimpíada por aqui, e a estimativa inicial de R$ 538 milhões se transformou em R$ 3,7 bilhões. Você leu certo: 3,7 bilhões de reais. E não se fala nos valores necessários para a manutenção das estruturas após os eventos. As informações são de que Atenas, na quebradíssima Grécia, consome algo em torno de US$ 100 milhões por ano apenas para conservação do complexo Olímpico.

Realizar a Copa movimenta o país, traz divisas (muito menos do que se julga) e teoricamente faz a qualidade dos serviços melhorar, mas não é esse o principal ponto. O maior benefício deveria ser a oportunidade de aproveitar a disposição do poder público em abrir os cofres, para realizar mudanças necessárias que causem impacto positivo na sociedade.

Palestrei num evento sobre a Copa no Brasil onde um inglês apresentou dados sobre a realização das Olimpíadas de Londres em 2012. O caso é diferente da Copa, pois a Olimpíada acontece numa cidade só, mas uma coisa chamou a atenção: a forma como foi tomada a decisão de onde localizar as obras do complexo Olímpico. Uma comissão de representantes de vários segmentos da sociedade se reuniu para tomar as decisões estratégicas iniciais. Colocaram um mapa de Londres sobre a mesa e perguntaram: qual é o pior lugar da cidade? Onde estão os mais altos índices de criminalidade? A menor presença do estado? Os lixões? A falta de transporte e de hospitais? Encontraram o lugar e decidiram: é aí! E assim começaram um processo de revitalização que mudou o destino daquela região e, por tabela, da cidade.

Não quero ficar fazendo comparações entre Londres e Brasil, quero apenas enfatizar a diferença entre os motivadores das decisões. Lá, foram sociais e políticas. Aqui são só políticas.

Talvez aí tenhamos uma lição a aprender e sejamos capazes de deixar um legado que independa do resultado do jogo final.

Não me interessa se o Brasil vai ganhar a Copa. Interessa o que é que o Brasil vai ganhar com a Copa.

Luciano Pires