Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Gosto ruim

Gosto ruim

Luciano Pires -

Bum! Minha esposa bate o carro na traseira de um táxi. Nada muito importante, mas suficiente para impedir que seu porta-malas abra. Na confusão do trânsito ela troca informações com o motorista e pede que ele me ligue. Uma hora depois recebo a ligação do Luiz, identificando-se como o “taxista que levou uma batida da sua esposa”. Começou pedindo desculpas pela “incomodação”. Pedi que orçasse o estrago para ver se valia a pena usar o seguro e ele quase implorou para que eu não acionasse a seguradora. Se ela entrasse no jogo ele estaria frito, pois demoraria para pagar, pagaria quase nada por seus dias parados, etc. Ele fora muito educado com minha esposa no momento do acidente e estava sendo delicado comigo ao telefone, parecia ser boa pessoa. E tomou a iniciativa: “olha já orcei por aqui, vai ficar em x o conserto. Mas tenho certeza que se levar na oficina perto de minha casa consigo pela metade do preço.” Entendi o drama dele e pensei em depositar o dinheiro na sua conta, como fiz tempos atrás numa situação semelhante. Mas hoje em dia não dá para confiar em mais ninguém, não é? E se fosse uma armação? E se ele depois viesse querendo mais, indenizações, isso e aquilo?

Falei com minha advogada, que mandou um modelo de recibo que teoricamente me isentaria de problemas futuros. Imprimi e combinei de me encontrar com o taxista num local público. Afinal, hoje em dia não dá para confiar em mais ninguém…

Pronto. Chego lá e conheço o Luiz. Muito educado, se desculpando pela dor de cabeça, pela “incomodação”. Paguei o valor combinado, ele assinou o recibo e nos despedimos. E eu saí com um gosto ruim na boca. O gosto da desconfiança.

Eu podia ter resolvido o problema na primeira conversa, bastaria ter transferido o dinheiro para sua conta e pronto! Mas hoje em dia não dá para confiar em mais ninguém, não é mesmo?

Pois é. No mesmo dia em que tudo aconteceu, recebi um email de uma ouvinte de meus podcasts, a Luciane: “Sinto falta da cordialidade e respeito dos dias da minha infância. Não sei, não fui criada assim! O bem era algo quase palpável, se esperava que todos fossem bons. Lógico que o ser humano não é de todo bom, mas era o que se cobrava de cada um para viver em comunidade. Meu pai passeava comigo pelas ruas de mãos dadas a apontar: ‘tá vendo aquele senhor? É meu amigo, gente boa!’ ‘tá vendo aquela senhora? É fulana, foi muito amiga da sua vó’. E era um desenrolar de histórias de amizade e ajuda. Cresci e me deparo com um mundo que eu não quero compartilhar com minha filha. Já não posso apontar e dizer que as pessoas ‘são boas’.”

Lembrei do Luis indo embora, comprar a peça para consertar seu táxi. E me senti culpado por desconfiar dele. Mas sabe como é… Hoje em dia não dá pra confiar em mais ninguém.

Putz. Que gosto ruim na boca.

Luciano Pires