Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Gosto/Não gosto

Gosto/Não gosto

Luciano Pires -

Jonah Lomu foi um famoso jogador de rugby da Nova Zelândia que morreu aos 40 anos de idade. No funeral os amigos fizeram a tradicional haka, uma dança e grito de guerra dos guerreiros Maoris, criada para amedrontar os inimigos, dando um toque de emoção profunda à cerimônia. Publiquei a cena em minha página no Facebook, você pode vê-la aqui: http://bit.ly/1XsPem0.

Mostrei para um grupo de conhecidos e, entre expressões de espanto e curiosidade, ouvi também risinhos e sarcasmo.

Lembrei então que um escritor e professor norte americano de estudos interculturais Lloyd Kwast, missionário batista que por anos ensinou em Camarões, aprendeu na prática o que significa lidar com culturas diferentes das suas. Kwast criou um modelo para ajudar a dar o passo inicial na identificação de culturas diferentes. Seu modelo tem camadas em diferentes níveis.

A primeira camada com a qual temos o contato é o COMPORTAMENTO. O que é feito? É quando reparamos no comportamento das pessoas e suas atividades. A roupa que vestem, as atitudes, o linguajar.
Observar as atividades das pessoas num baile funk do pancadão, numa balada sertaneja ou num concerto de música clássica já começa a dar pistas sobre a lógica de seu comportamento. Qual é a lógica de um sujeito usar chapéu, bota de cano alto e cinturão com fivelão dentro de uma balada no centro da cidade de São Paulo? Ou um senhor usar um smoking e sapatos de cromo alemão para assistir a um concerto?

A segunda camada são os VALORES. O que é bom e o que é melhor? Ao questionar as razões para o comportamento das pessoas, o que as levou àquelas escolhas como sendo “aquilo que deve ser feito”, podemos entender os valores que as movem. Por exemplo: compreender que o rap e o hip hop surgem como expressão de uma determinada classe social e que o jeito de falar, de vestir, a temática deles representa os valores de um grupo de pessoas de uma determinada região, de gente que também quer trabalhar, ter sucesso, proteger seus filhos e colaborar pra um mundo melhor. Calma! Já caiu o disjuntor? Segura aí.

A terceira camada são os CREDOS. O que é verdade? Certos credos influenciam diretamente os valores que influenciam o comportamento. Quais são os credos de um grupo de jovens negros, de baixa renda, moradores em regiões periféricas onde a bandidagem está mais presente do que o estado? Em que eles acreditam? O que os leva a falar daquele jeito, dançar daquele jeito?

A última camada, a mais profunda, é VISÃO DO MUNDO. O que é real? É a forma como interpretamos a realidade, a maneira como nos vemos em relação ao mundo. Inclui noções sobre a existência humana, o bem o mal, o divino e o sobrenatural.

Comportamento, valores, credos e visão do mundo. Olhe para aquela turma do baile funk e tente exercitar as camadas do modelo de cultura de Kwast. Imagine que a cultura é aprendida das pessoas que estão à nossa volta, através dos diferentes credos, valores, tradições e comportamentos que são passados de geração em geração.

Bom, tá dando pra sacar? Tentar apreciar uma cerimônia como a haka, por exemplo, sem saber o que existe por trás dela, que tipo de cultura o gerou e seu significado é entregar a análise ao gosto/não gosto. E isso é pouco.
Quando você não conhece o objeto de sua análise, será escravo de seu senso estético e vai ficar horrorizado quando chegar no Nepal, por exemplo, e descobrir que eles não usam papel higiênico. Ou ver um chinês comendo um gafanhoto. Aquele gafanhoto, antes de ser um nojo, é herança de seus avós, de um período em que, quem não comesse gafanhoto, morria de fome…

– Ah, Luciano, então eu vou ter que comer gafanhoto?

Não, seu Mané. Só estou dizendo que para dizer “gosto/não gosto”, é conveniente  não ser um ignorante.