s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Gosto/Não gosto

Gosto/Não gosto

Luciano Pires -

Jonah Lomu foi um famoso jogador de rugby da Nova Zelândia que morreu aos 40 anos de idade. No funeral os amigos fizeram a tradicional haka, uma dança e grito de guerra dos guerreiros Maoris, criada para amedrontar os inimigos, dando um toque de emoção profunda à cerimônia. Publiquei a cena em minha página no Facebook, você pode vê-la aqui: http://bit.ly/1XsPem0.

Mostrei para um grupo de conhecidos e, entre expressões de espanto e curiosidade, ouvi também risinhos e sarcasmo.

Lembrei então que um escritor e professor norte americano de estudos interculturais Lloyd Kwast, missionário batista que por anos ensinou em Camarões, aprendeu na prática o que significa lidar com culturas diferentes das suas. Kwast criou um modelo para ajudar a dar o passo inicial na identificação de culturas diferentes. Seu modelo tem camadas em diferentes níveis.

A primeira camada com a qual temos o contato é o COMPORTAMENTO. O que é feito? É quando reparamos no comportamento das pessoas e suas atividades. A roupa que vestem, as atitudes, o linguajar.
Observar as atividades das pessoas num baile funk do pancadão, numa balada sertaneja ou num concerto de música clássica já começa a dar pistas sobre a lógica de seu comportamento. Qual é a lógica de um sujeito usar chapéu, bota de cano alto e cinturão com fivelão dentro de uma balada no centro da cidade de São Paulo? Ou um senhor usar um smoking e sapatos de cromo alemão para assistir a um concerto?

A segunda camada são os VALORES. O que é bom e o que é melhor? Ao questionar as razões para o comportamento das pessoas, o que as levou àquelas escolhas como sendo “aquilo que deve ser feito”, podemos entender os valores que as movem. Por exemplo: compreender que o rap e o hip hop surgem como expressão de uma determinada classe social e que o jeito de falar, de vestir, a temática deles representa os valores de um grupo de pessoas de uma determinada região, de gente que também quer trabalhar, ter sucesso, proteger seus filhos e colaborar pra um mundo melhor. Calma! Já caiu o disjuntor? Segura aí.

A terceira camada são os CREDOS. O que é verdade? Certos credos influenciam diretamente os valores que influenciam o comportamento. Quais são os credos de um grupo de jovens negros, de baixa renda, moradores em regiões periféricas onde a bandidagem está mais presente do que o estado? Em que eles acreditam? O que os leva a falar daquele jeito, dançar daquele jeito?

A última camada, a mais profunda, é VISÃO DO MUNDO. O que é real? É a forma como interpretamos a realidade, a maneira como nos vemos em relação ao mundo. Inclui noções sobre a existência humana, o bem o mal, o divino e o sobrenatural.

Comportamento, valores, credos e visão do mundo. Olhe para aquela turma do baile funk e tente exercitar as camadas do modelo de cultura de Kwast. Imagine que a cultura é aprendida das pessoas que estão à nossa volta, através dos diferentes credos, valores, tradições e comportamentos que são passados de geração em geração.

Bom, tá dando pra sacar? Tentar apreciar uma cerimônia como a haka, por exemplo, sem saber o que existe por trás dela, que tipo de cultura o gerou e seu significado é entregar a análise ao gosto/não gosto. E isso é pouco.
Quando você não conhece o objeto de sua análise, será escravo de seu senso estético e vai ficar horrorizado quando chegar no Nepal, por exemplo, e descobrir que eles não usam papel higiênico. Ou ver um chinês comendo um gafanhoto. Aquele gafanhoto, antes de ser um nojo, é herança de seus avós, de um período em que, quem não comesse gafanhoto, morria de fome…

– Ah, Luciano, então eu vou ter que comer gafanhoto?

Não, seu Mané. Só estou dizendo que para dizer “gosto/não gosto”, é conveniente  não ser um ignorante.