s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Little Brother

Little Brother

Luciano Pires -

James Eagan Holmes, o rapaz de 24 anos de idade que entrou no cinema de uma cidadezinha nos EUA e matou 12 pessoas não é um ignorante. É filho de uma enfermeira com um cientista da matemática e obteve com honras a certificação em Neurociência na Universidade da Califórnia, com uma performance escolar que o colocou entre os “top dos tops”. Em seguida, foi cursar doutorado na Universidade do Colorado em Aurora, onde cometeu o crime. Tirando o cabelo pintado de vermelho, Holmes parece um sujeito normal, apesar de tímido e introspectivo.

O que leva um indivíduo a disparar uma arma sobre gente que não conhece? Será o acesso a armas? Talvez os videogames e filmes violentos? Ou, como gostam uns aí, o capitalismo, o neoliberalismo?

O Dr. Grant Duwe, autor do livro “Assassinatos em massa nos Estados Unidos: Uma História”, estudou 140 ocorrências naquele país entre 1900 e 2009. De 1900 a 1965 aconteceram 21 casos. Nos anos 70, 13; nos anos 80, 32, e 43 nos anos 90. E na primeira década dos anos 2000 foram 26, um declínio importante causado pela melhoria de indicadores sociais (emprego, casamentos, nascimentos, casa própria, etc), que derrubaram os índices de criminalidade em geral. A queda do número de casos de assassinato em massa enquanto permaneceu estável o comércio de armas, aliada ao fato da ocorrência de casos em países onde tal comércio é proibido, leva a concluir que o livre acesso a armas não é o fator preponderante. Um outro estudo, do jornal New York Times, mostrou que apesar dos assassinatos serem atribuídos a aspectos violentos da cultura norte americana, em apenas seis de 100 casos examinados os criminosos se mostraram interessados em videogames. E apenas sete em cinema.

Mais da metade dos criminosos estudados apresentou histórico de sérios problemas mentais. 48 tiveram algum tipo de diagnóstico formal de esquizofrenia e, dos 24 que comprovadamente tomavam remédios psiquiátricos, 14 haviam parado com a medicação quando cometeram os crimes. Na maioria dos casos, familiares, amigos e terapeutas não deram importância ou simplesmente ignoraram sinais de deterioração mental que poderiam ter impedido os crimes.

Os senhores da imprensa deveriam definir uma forma de apresentar os fatos não como espetáculo, mas como desestímulo a que outros façam o mesmo. Não é fácil, e muita gente vai usar este argumento para tentar impor o tal controle social sobre a mídia, aquele eufemismo que criaram para dar outro nome à censura.

Resumindo: antes de cinema, televisão ou videogames violentos, facilidade ao acesso de armas ou falta de segurança pública, os assassinatos em massa tem a ver com loucura. Não dá pra prever o que fará um louco, mas dá para prever que algo ele fará…

O Dr. Grant aconselha que estejamos sempre atentos a sinais de comportamento que possam representar situações de risco, como o isolamento social, problemas mentais, violência e ameaças verbais ou escritas, sentimentos de perseguição e de vitimismo. É complicado achar que devemos policiar nossos vizinhos e conhecidos, como se fossemos “little brothers”, uma versão individual do “big brother” de Orwell. Tem um gosto autoritário, de patrulhamento, mas ainda não inventaram arma mais eficiente para prevenir as tragédias.

Você tem alguma outra ideia?

Luciano Pires