s
Artigos Café Brasil
Pelé e os parasitas.
Pelé e os parasitas.
Meu herói está lá, a Copa de 1970 está lá, o futebol ...

Ver mais

Branding a preço de banana.
Branding a preço de banana.
Quanto vale o branding? Pelo que estou vendo acontecer ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…
Um grande comentário sócio-político sobre a divisão em ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Café Brasil 759 – Karl Popper e os negacionistas
Não devemos aceitar verdades universais a partir de ...

Ver mais

Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Café Brasil 758 – LíderCast César Menotti
Há muito tempo tínhamos a ideia de trazer para o ...

Ver mais

Café Brasil 757 – O dono da firma
Café Brasil 757 – O dono da firma
Vamos então a mais um programa que fala do empreendedor ...

Ver mais

Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Café Brasil 756 – Netiqueta e as mulas digitais
Usar a internet de forma responsável, é isso que trata ...

Ver mais

LíderCast 217 – Amyr Klink
LíderCast 217 – Amyr Klink
Meu nome é Amyr Klink, tenho 65 anos e eu construo viagens.

Ver mais

LíderCast 216 – Denise Pitta
LíderCast 216 – Denise Pitta
Empreendedora digital, dona do site Fashion Bubbles, ...

Ver mais

LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
LíderCast 215 – Marco Antonio Villa
Historiador, professor, comentarista polêmico em rádio ...

Ver mais

LíderCast 214 – Bianca Oliveira
LíderCast 214 – Bianca Oliveira
Jornalista e apresentadora, hoje vivendo na Europa, ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

A guerra dos pelados
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
De 1912 a 1916 o Estado de Santa Catarina sofreu a Guerra do Contestado, conflito armado que opôs, de um lado, posseiros e pequenos produtores rurais, e de outro militares federais e estaduais. ...

Ver mais

A americanização do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O imperialismo sedutor     “Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor Eu fui à  Penha, fui pedir à Padroeira para me ajudar Salve o Morro do Vintém, pendura a saia que eu quero ...

Ver mais

Economia da desigualdade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Economia da desigualdade “Os valores que conferem ao capitalismo sua legitimidade são prosperidade e liberdade para todos. […[ Se você concentra poder e renda em um pequeno grupo, o ...

Ver mais

Autonomia do Banco Central
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Caminhando rumo à autonomia do Banco Central ˜O desejo parece ser o de que a política econômica saia de uma vez por todas da alçada dos presidentes da república. […]. Delega-se para a diretoria ...

Ver mais

Cafezinho 365 – (IN)segurança Nacional
Cafezinho 365 – (IN)segurança Nacional
Nem precisa prender o Danilo Gentili, a simples ameaça ...

Ver mais

Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
Cafezinho 364 – Isolacionismo intelectual
O viés de confirmação leva ao isolacionismo ...

Ver mais

Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
Cafezinho 363 – Chapeuzinho Vermelho 4.0
No Chapeuzinho Vermelho 4.0, tá cheio de lobo se ...

Ver mais

Cafezinho 362 – Na bala!
Cafezinho 362 – Na bala!
Se a constituição brasileira não proíbe que o deputado ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto

Me Engana Que Eu Gosto

Luciano Pires -

Pra ler num fôlego só!

Clique aqui para adquirir o livro.

Clique aqui para adquirir o áudio-book.

PIRES. Luciano. Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão um Brasil inteiro. São Paulo: Reino Editorial, 2015, 192 p.

 

Luiz Alberto Machado*

 

Em parte por dever de ofício, mas principalmente porque gosto, leio muito e assisto a muitas palestras. E procuro, tanto na escolha das leituras como das palestras, mesclar diferentes assuntos e áreas do conhecimento. Tenho firme convicção de que isso é fundamental não apenas para a construção do repertório individual, mas também para o desenvolvimento do potencial criativo.

Acreditando nisso, considero-me um privilegiado por ter a possiblidade de fácil acesso a livros e a eventos em que se apresentam especialistas de diversas áreas. Obviamente, nem tudo me agrada. Às vezes, fico decepcionado ao chegar ao final de um texto em que depositava enorme expectativa ou ao sair de uma palestra em que foi difícil permanecer acordado.

Com a experiência acumulada, constatei que qualquer combinação é possível: ótimos livros podem se transformar em filmes medíocres; grandes escritores podem ser palestrantes chatos e monótonos; verdadeiros ídolos do esporte, da música ou de qualquer outra área artística podem muitas vezes se mostrar um verdadeiro “porre” quando são entrevistados.

No caso específico das palestras, muitas vezes deparo-me com palestrantes que possuem muito conteúdo, porém preparam apresentações pobres e cansativas. Outras vezes, tenho oportunidade de ver apresentações animadas e muito bem elaboradas, mas quando se passa a peneira percebe-se que não sobrou quase nada de conteúdo.

Felizmente, com o Luciano Pires, tais riscos passam longe. Escrevendo ou palestrando, ele consegue aliar conteúdo e forma, transformando a leitura de seus livros ou a presença às suas palestras em ricas e agradáveis experiências.

Com Me engana que eu gosto, ocorre exatamente isso. Combinando linguajar acessível, fina ironia e muita – mas muita coragem e honestidade intelectual – Luciano vai pondo capítulo a capítulo o dedo nas feridas que fazem com que o Brasil, apesar de todo o potencial que possui, não saia desse rame-rame que caracteriza sua trajetória recente, agravada nos últimos anos pela podridão que foi muito bem definida pelo ministro Celso de Mello como “um projeto criminoso de poder”.

Ao contrário de muitos que se limitam a criticar “tudo aquilo que está aí” a partir da ótica simplista do “nós e eles”, Luciano vai além, deixando claro que o que vem ocorrendo nos governos do PT é triste, mas não tão diferente do que ocorre nos governos de outros partidos, inclusive do PSDB, que quando teve oportunidade de cerrar fileiras em torno de determinados princípios e valores, acovardou-se vergonhosamente, como no caso da defesa das privatizações.

Apesar de todos os problemas escancarados ao longo do livro, Luciano Pires conclui com uma contundente declaração de que acredita no País, dando exemplos vivos, nos dois capítulos finais, de que muita coisa boa acontece no Brasil e que esses exemplos bem sucedidos poderão se alastrar consideravelmente se a população brasileira continuar atenta, tendo a coragem de se indignar e de se manifestar, quer contra pessoas, quer contra partidos que não respeitem determinadas posições que ele defende – e muitos de nós também – e que estão explícitos na orelha do livro: o respeito à lei e à ordem, fundamentais para a existência dos direitos individuais e coletivos; a crença na iniciativa individual, nas privatizações, na democracia representativa e na propriedade privada; a certeza de que a lei deve prevalecer sobre a vontade das pessoas ou os interesses de grupos; a convicção de que não se deve fazer aos outros aquilo que não queremos que façam contra nós; o direito das pessoas terem suas opiniões e fazerem suas escolhas pessoais.

Se você concorda com isso ou pelo menos uma parte disso – afinal, como bem observou Nelson Rodrigues, “toda unanimidade é burra” – siga minha indicação e boa leitura!

* Luiz Alberto Machado é economista pela Universidade Mackenzie e vice-diretor da Faculdade de Economia da FAAP.