s
Artigos Café Brasil
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 730 – Um massacre cultural revisitado
Café Brasil 730 – Um massacre cultural revisitado
Você acha que a música popular brasileira acabou, hein? ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Minha viagem pela Economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Minha viagem pela Economia “Mais importante que as riquezas naturais são as riquezas artificiais da educação e tecnologia.” Roberto Campos Em março de 1974 embarquei numa viagem na estação ...

Ver mais

Cloroquina. Ou: Da necessidade da Filosofia
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
“Eu tomei cloroquina e fiquei curado”. Quantas vezes não ouvimos ou lemos alguém dizendo isso? Não duvido: muitos devem ter superado o Covid após o uso da cloroquina. Isso significa ...

Ver mais

Um sentido para a vida
Jota Fagner
Origens do Brasil
Esta semana eu completo 41 voltas em torno do Sol. Confesso que nunca entendi o motivo de se parabenizar alguém que faz aniversário. Parabéns pelo quê? Por continuar vivo? Como se pudéssemos ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Cafezinho 307 – O Otário
Cafezinho 307 – O Otário
Quase não há mais espaço para o deleite.

Ver mais

Cafezinho 306 – Sem treta
Cafezinho 306 – Sem treta
Empatia com quem produz o conteúdo que você curte

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto

Me Engana Que Eu Gosto

Luciano Pires -

Pra ler num fôlego só!

Clique aqui para adquirir o livro.

Clique aqui para adquirir o áudio-book.

PIRES. Luciano. Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão um Brasil inteiro. São Paulo: Reino Editorial, 2015, 192 p.

 

Luiz Alberto Machado*

 

Em parte por dever de ofício, mas principalmente porque gosto, leio muito e assisto a muitas palestras. E procuro, tanto na escolha das leituras como das palestras, mesclar diferentes assuntos e áreas do conhecimento. Tenho firme convicção de que isso é fundamental não apenas para a construção do repertório individual, mas também para o desenvolvimento do potencial criativo.

Acreditando nisso, considero-me um privilegiado por ter a possiblidade de fácil acesso a livros e a eventos em que se apresentam especialistas de diversas áreas. Obviamente, nem tudo me agrada. Às vezes, fico decepcionado ao chegar ao final de um texto em que depositava enorme expectativa ou ao sair de uma palestra em que foi difícil permanecer acordado.

Com a experiência acumulada, constatei que qualquer combinação é possível: ótimos livros podem se transformar em filmes medíocres; grandes escritores podem ser palestrantes chatos e monótonos; verdadeiros ídolos do esporte, da música ou de qualquer outra área artística podem muitas vezes se mostrar um verdadeiro “porre” quando são entrevistados.

No caso específico das palestras, muitas vezes deparo-me com palestrantes que possuem muito conteúdo, porém preparam apresentações pobres e cansativas. Outras vezes, tenho oportunidade de ver apresentações animadas e muito bem elaboradas, mas quando se passa a peneira percebe-se que não sobrou quase nada de conteúdo.

Felizmente, com o Luciano Pires, tais riscos passam longe. Escrevendo ou palestrando, ele consegue aliar conteúdo e forma, transformando a leitura de seus livros ou a presença às suas palestras em ricas e agradáveis experiências.

Com Me engana que eu gosto, ocorre exatamente isso. Combinando linguajar acessível, fina ironia e muita – mas muita coragem e honestidade intelectual – Luciano vai pondo capítulo a capítulo o dedo nas feridas que fazem com que o Brasil, apesar de todo o potencial que possui, não saia desse rame-rame que caracteriza sua trajetória recente, agravada nos últimos anos pela podridão que foi muito bem definida pelo ministro Celso de Mello como “um projeto criminoso de poder”.

Ao contrário de muitos que se limitam a criticar “tudo aquilo que está aí” a partir da ótica simplista do “nós e eles”, Luciano vai além, deixando claro que o que vem ocorrendo nos governos do PT é triste, mas não tão diferente do que ocorre nos governos de outros partidos, inclusive do PSDB, que quando teve oportunidade de cerrar fileiras em torno de determinados princípios e valores, acovardou-se vergonhosamente, como no caso da defesa das privatizações.

Apesar de todos os problemas escancarados ao longo do livro, Luciano Pires conclui com uma contundente declaração de que acredita no País, dando exemplos vivos, nos dois capítulos finais, de que muita coisa boa acontece no Brasil e que esses exemplos bem sucedidos poderão se alastrar consideravelmente se a população brasileira continuar atenta, tendo a coragem de se indignar e de se manifestar, quer contra pessoas, quer contra partidos que não respeitem determinadas posições que ele defende – e muitos de nós também – e que estão explícitos na orelha do livro: o respeito à lei e à ordem, fundamentais para a existência dos direitos individuais e coletivos; a crença na iniciativa individual, nas privatizações, na democracia representativa e na propriedade privada; a certeza de que a lei deve prevalecer sobre a vontade das pessoas ou os interesses de grupos; a convicção de que não se deve fazer aos outros aquilo que não queremos que façam contra nós; o direito das pessoas terem suas opiniões e fazerem suas escolhas pessoais.

Se você concorda com isso ou pelo menos uma parte disso – afinal, como bem observou Nelson Rodrigues, “toda unanimidade é burra” – siga minha indicação e boa leitura!

* Luiz Alberto Machado é economista pela Universidade Mackenzie e vice-diretor da Faculdade de Economia da FAAP.