s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Esclarecendo a aparente contradição entre desemprego e escassez de mão de obra “Antes, as habilidades não eram tão amplas. Hoje, o profissional precisa conhecer e estudar a fundo vários assuntos. ...

Ver mais

Pax Aeterna
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Maquiavel é, com alguma freqüência, considerado o primeiro cientista político moderno: nas suas análises, ele teria sido um dos primeiros a rejeitar tanto uma concepção metafísica da natureza ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Cafezinho 432 – O vencedor
Cafezinho 432 – O vencedor
As pessoas não se importam com o que você diz, desde ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Memórias Mortas

Memórias Mortas

Luciano Pires -


MEMÓRIAS MORTAS


Estive em minha terra natal, Bauru, nos últimos dias e fui surpreendido com o falecimento de um grande amigo da família, o Rubinho Figueiredo. Que pena! O Rubinho era uma daquelas pessoas do bem, sabe como é? Que quase não existem mais? Pois é… Meu amigo Rubinho se foi.
No caminho para o velório, ao passar pela esquina da Avenida Duque de Caxias com a Azarias Leite, olhei para a árvore que me cumprimentava havia cinqüenta anos. Não sei de que espécie era, mas sei que, quando garoto, nela subi e com ela brinquei, estabelecendo uma espécie de amizade silenciosa. Mas desta vez a árvore não estava mais lá. Foi derrubada. Apenas um toco restava no lugar da minha amiga. Fiquei olhando, entristecido. Acho que a árvore estava atrapalhando os fios de eletricidade e alguém mandou cortar. Uma árvore que devia ter uns 80 anos caiu pela decisão de um burroc… ops, burocrata… Pois é. Minha amiga árvore se foi.
E então meu pai me contou, entristecido, que foi até o campo do Bauru Atlético Clube, o BAC, o lugar onde Pelé surgiu para o futebol. Um monumento do esporte nacional. O campo do BAC foi vendido para uma rede de supermercados e está rodeado de tapumes. Meu pai espiou por um buraco e viu que demoliram as arquibancadas. No lugar do campo, vai surgir um supermercado… Pois é… Foi-se a memória de Pelé em Bauru.
E então, o pior. Minha sogra, Dona Thereza, com a saúde debilitada, é internada às pressas, para falecer na madrugada do dia seguinte. O dia em que eu completava 25 anos de casamento com a filha dela. Coube a mim pegar seus netos, meus dois filhos e dois sobrinhos, e levá-los para o enterro da avó em Bauru. Pois é. Minha sogra, a avó dos meus filhos, se foi…
Em sete dias em Bauru, o Rubinho, a árvore, o BAC, Dona Thereza… Minhas referências vão aos poucos se apagando, deixando a realidade para se transformar em memórias. Algumas pelo caminho natural da vida. Outras pelas decisões dos burroc… ops, burocratas.
As referências que se apagam pelo caminho natural da vida deixam saudades, tristeza e angústia. Mas exigem que nos conformemos, pois seguem um ritmo irreversível. Qualquer coisa viva que amamos, seja uma pessoa, um gato ou uma planta, um dia morrerá. E nada podemos fazer. Mas as referências que se apagam pela decisão dos homens, deixam a sensação de que não fizemos nossa parte. Não protegemos aquela árvore. Não protegemos o BAC. Deixamos que gente sem compromisso com a memória decidisse dar fim às referências importantes da nossa vida. Que pena. 
Imagino que Rubinho e Dona Thereza, estejam onde estiverem, estão bem. Mas não me conformo que os burroc… ops, burocratas que destroem nossas memórias, estejam também.