s
Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

O “anti” não funciona mais.
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Em política, imagem em construção no presente faz diferença. Imagem consolidada no passado, boa ou ruim, costuma ser decisiva.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Memórias Mortas

Memórias Mortas

Luciano Pires -


MEMÓRIAS MORTAS


Estive em minha terra natal, Bauru, nos últimos dias e fui surpreendido com o falecimento de um grande amigo da família, o Rubinho Figueiredo. Que pena! O Rubinho era uma daquelas pessoas do bem, sabe como é? Que quase não existem mais? Pois é… Meu amigo Rubinho se foi.
No caminho para o velório, ao passar pela esquina da Avenida Duque de Caxias com a Azarias Leite, olhei para a árvore que me cumprimentava havia cinqüenta anos. Não sei de que espécie era, mas sei que, quando garoto, nela subi e com ela brinquei, estabelecendo uma espécie de amizade silenciosa. Mas desta vez a árvore não estava mais lá. Foi derrubada. Apenas um toco restava no lugar da minha amiga. Fiquei olhando, entristecido. Acho que a árvore estava atrapalhando os fios de eletricidade e alguém mandou cortar. Uma árvore que devia ter uns 80 anos caiu pela decisão de um burroc… ops, burocrata… Pois é. Minha amiga árvore se foi.
E então meu pai me contou, entristecido, que foi até o campo do Bauru Atlético Clube, o BAC, o lugar onde Pelé surgiu para o futebol. Um monumento do esporte nacional. O campo do BAC foi vendido para uma rede de supermercados e está rodeado de tapumes. Meu pai espiou por um buraco e viu que demoliram as arquibancadas. No lugar do campo, vai surgir um supermercado… Pois é… Foi-se a memória de Pelé em Bauru.
E então, o pior. Minha sogra, Dona Thereza, com a saúde debilitada, é internada às pressas, para falecer na madrugada do dia seguinte. O dia em que eu completava 25 anos de casamento com a filha dela. Coube a mim pegar seus netos, meus dois filhos e dois sobrinhos, e levá-los para o enterro da avó em Bauru. Pois é. Minha sogra, a avó dos meus filhos, se foi…
Em sete dias em Bauru, o Rubinho, a árvore, o BAC, Dona Thereza… Minhas referências vão aos poucos se apagando, deixando a realidade para se transformar em memórias. Algumas pelo caminho natural da vida. Outras pelas decisões dos burroc… ops, burocratas.
As referências que se apagam pelo caminho natural da vida deixam saudades, tristeza e angústia. Mas exigem que nos conformemos, pois seguem um ritmo irreversível. Qualquer coisa viva que amamos, seja uma pessoa, um gato ou uma planta, um dia morrerá. E nada podemos fazer. Mas as referências que se apagam pela decisão dos homens, deixam a sensação de que não fizemos nossa parte. Não protegemos aquela árvore. Não protegemos o BAC. Deixamos que gente sem compromisso com a memória decidisse dar fim às referências importantes da nossa vida. Que pena. 
Imagino que Rubinho e Dona Thereza, estejam onde estiverem, estão bem. Mas não me conformo que os burroc… ops, burocratas que destroem nossas memórias, estejam também.