s
Artigos Café Brasil
Isca Intelectual – O paraquedas de Da Vinci
Isca Intelectual – O paraquedas de Da Vinci
Cerca de 500 anos atrás, Leonardo da Vinci teve a ideia ...

Ver mais

Isca Intelectual – Música na cabeça e no corpo
Isca Intelectual – Música na cabeça e no corpo
Na isca de hoje, você verá Anna-Maria Helefe fazendo ...

Ver mais

Isca Intelectual – O mago Steve Ray Vaughn
Isca Intelectual – O mago Steve Ray Vaughn
Quando você domina sua técnica, tem repertório e ...

Ver mais

Isca Intelectual sobre talento
Isca Intelectual sobre talento
O que tinham feito suas mãos?

Ver mais

Café Brasil 834 – A Lei de Gresham
Café Brasil 834 – A Lei de Gresham
Quando lancei meu livro Brasileiros Pocotó em 2004, e ...

Ver mais

Café Brasil 833 – Rio, beleza e caos
Café Brasil 833 – Rio, beleza e caos
Um cantinho e um violão / Este amor, uma canção Pra ...

Ver mais

Café Brasil 832 – Carta Aberta Ao Brasil – Revisitado
Café Brasil 832 – Carta Aberta Ao Brasil – Revisitado
Em 2016 viralizou uma carta aberta ao Brasil, que um ...

Ver mais

Café Brasil 831 – Nossos problemas
Café Brasil 831 – Nossos problemas
Problemas, problemas, problemas.... todo mundo tem ...

Ver mais

LíderCast 237 – Marcus Kanieski
LíderCast 237 – Marcus Kanieski
No programa de hoje temos Markus Kanieski, advogado de ...

Ver mais

LíderCast 236 – Paulo Ganime
LíderCast 236 – Paulo Ganime
No programa de hoje temos Paulo Ganime, Deputado ...

Ver mais

LíderCast 235 – Gilberto Lopes
LíderCast 235 – Gilberto Lopes
Hoje a conversa é com Gilberto Lopes, o Giba, que é CEO ...

Ver mais

LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
LíderCast 234 – Danilo Cavalcante
Hoje o convidado é o Danilo Cavalcante, que se diz ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

A boa e velha realidade
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Frases que começam com as expressões “Então…” ou “Veja bem…” não têm como dar certo. Caso o cidadão receba resposta principiando com essas pérolas, pode esperar: Vem chumbo. Você ...

Ver mais

A visão pornográfica de mundo
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
A minha família está passeando no Brasil. Eles estão aproveitando as férias escolares do nosso filho mais velho. Ontem uma menina de treze anos conversou com a Bruna, minha esposa. A menina lhe ...

Ver mais

Encontro de Cidades Criativas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Encontro de Cidades Criativas  “As cidades surgem como espaço de encontro; uma cidade é um conjunto de pessoas com oportunidades distintas.” Ana Carla Fonseca A XIV Conferência da Rede de Cidades ...

Ver mais

Nós do Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Nós do Brasil  Nossas heranças e nossas escolhas “No Brasil, o futuro de uma criança está em grande parte determinado pelas condições socioeconômicas de sua família no momento do nascimento. ...

Ver mais

Cafezinho 515 – Você nunca foi tão hipócrita
Cafezinho 515 – Você nunca foi tão hipócrita
O convívio civilizado entre interesses conflitantes é ...

Ver mais

Cafezinho 514 – Saia da Zona da Indiferença
Cafezinho 514 – Saia da Zona da Indiferença
Zona da Indiferença é uma área onde quando forçados a ...

Ver mais

Cafezinho 513 – A lei de Gresham cultural
Cafezinho 513 – A lei de Gresham cultural
Existe um princípio econômico chamado Lei de Gresham, ...

Ver mais

Cafezinho 512 – O calo do dono
Cafezinho 512 – O calo do dono
Por muito tempo nos queixamos que não tínhamos ...

Ver mais

Muito além das lixeiras.

Muito além das lixeiras.

Luciano Pires -

Acabo de viver uma experiência privilegiada como palestrante do 9º. Circuito Aprosoja 2014, evento promovido pela Aprosoja – Associação dos Produtores de Soja e Milho do Mato Grosso. Visitando 22 cidades, percorremos cerca de 6500 km e falamos sobre mercado e conceitos de gestão e liderança para aproximadamente 3500 participantes entre produtores rurais, empresários, autoridades e lideranças do agronegócio.

Como bom cidadão urbano, embarquei para a MT com a imagem do agronegócio que recebemos pela imprensa: é ele que sustenta a balança comercial brasileira há anos, mas os caras desmatam pra caramba, usam agrotóxicos descontroladamente, grilam terras dos índios e cultivam produtos transgênicos que vão provocar câncer em nossos filhos. Com pouca variação, provavelmente essa é a imagem que você também tem.

Bem, fui lá ver. E o que encontrei desfez a série de equívocos cuidadosamente implantada em minha mente por professores, militantes, jornalistas e outros interessados em fazer com que, ao entrar em nossa maravilhosa cozinha, só tenhamos olhos para as lixeiras.

Encontrei uma região exuberante, colonizada em sua maioria por gente do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande Sul, os tais “loiros-de-olhos-azuis” que “você-sabe-quem” detesta. Vi cidades lindas, planejadas, nascidas de ambiciosos projetos de colonização, com ruas largas e retas, muito verde, limpíssimas, com construções novas e aquele senso de comunidade que há muito se perdeu nas grandes cidades. Visitei imensas fazendas do agronegócio e médias fazendas de agricultores. Andei pelas plantações, peguei nas mãos calejadas das pessoas, conversei livremente com elas, olhei em seus olhos. Sobrevoei gigantescas áreas de plantações, áreas preservadas e reservas indígenas. Percorri centenas de quilômetros de estradas que são verdadeiras armadilhas para os motoristas, pessimamente conservadas, esburacadas, sem acostamento e que matam centenas de pessoas todo ano. E também percorri as novíssimas estradas em construção que resolverão grande parte do nó logístico da região. Visitei terminais ferroviários em abandono, um desperdício para um país que precisa desesperadamente de canais para escoar e armazenar os grãos colhidos, mas também visitei o impressionante novo terminal de Rondonópolis que fará a cidade expandir assustadoramente em pouco tempo.

Exercitei até o limite a minha curiosidade, especialmente nos temas mais delicados. E montei uma página no Facebook com o roteiro das viagens e os aspectos históricos e econômicos das cidades visitadas. Lá falo sem paixão militante sobre agricultura e agronegócio, uso de defensivos agrícolas, desmatamento, preservação do meio ambiente, transgênicos, política indígena, envenenamento de águas por agrotóxicos e outros temas quentes. Falo também sobre o Marechal Rondon, os irmãos Villas Boas, Olacyr de Moraes, Blairo Maggi e a estranha história de seu troféu Motosserra de Ouro. Descobri até mesmo um conflito armado que tomou dimensões de guerra civil na região de Alto Garças por volta de 1915, provocando centenas de mortes num conflito que envolveu garimpeiros, coronéis, jagunços, moradores e tropas do governo. Parece coisa de cinema!

No final retornei com a certeza que, quando se fala em agronegócio no Brasil, temos infinitamente mais razões para orgulho do que para vergonha. Especialmente se compararmos o Brasil com outros países. Quaisquer países.

O que falta? Chegar a um equilíbrio entre desenvolvimento e preservação, missão quase impossível enquanto as discussões permanecerem nas mãos de militantes embandeirados e políticos mesquinhos. Esse é o nó.

Convido você a visitar o http://on.fb.me/1r38xAM e conhecer um pedaço do Brasil que está muito, mas muito além das lixeiras.