s
Artigos Café Brasil
Por dentro das Big Techs
Por dentro das Big Techs
Alguma coisa está mudando na cultura do trabalho, e ...

Ver mais

Um pouquinho de história
Um pouquinho de história
Um pouquinho de história só para manter as coisas em ...

Ver mais

Não olhe para cima
Não olhe para cima
Não olhe para cima é uma comédia para ser levada a ...

Ver mais

Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Café Brasil 805 – O Estupro da Mente
Muito bem! No episódio passado, eu introduzi o conceito ...

Ver mais

Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
Café Brasil 804 – Psicose de formação em massa
O termo Mass Formation Psychosis, psicose de formação ...

Ver mais

Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
Café Brasil 803 – Enquanto houver sol
E aí? Pronto pro ano novo? Tá complicado, é? Muita ...

Ver mais

Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Café Brasil 802 – A Lei de Lindy
Olhe pela janela... o que restará daqui a 100 anos, de ...

Ver mais

LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
LíderCast 227 – Leticia Zamperlini e Cristian Lohbauer
No programa de hoje temos Leticia Zamperlini e Cristian ...

Ver mais

Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Café Brasil 793 – LíderCast Antônio Chaker
Hoje bato um papo com Antônio Chaker, que é o ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Hoje bato um papo muito interessante com Leandro Bueno, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Predicáveis: Classificação e Números (parte 4)
Alexandre Gomes
Os PREDICÁVEIS representam a mais completa classificação das relações que podem ser afirmadas DE UM PREDICADO. em relação a um sujeito, TANTO QUANTO as categorias (do ser) são a mais completa ...

Ver mais

Expectativas em relação à China
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Expectativas em relação à China “Embora ainda seja prematuro especular sobre os delineamentos básicos de uma nova e inevitável ordem internacional, a evolução dos acontecimentos parece apontar ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Formas Proposicionais A E I O (parte 3)
Alexandre Gomes
As distinções apresentadas na lição anterior são as bases da CONCEITUAÇÃO e do MANEJO das proposições. Usando a qualidade, ou tanto a quantidade quanto a modalidade, como base, TODA PROPOSIÇÃO ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 5 – Características das Proposições (parte 2)
Alexandre Gomes
As PROPOSIÇÕES podem ser agrupadas por cinco características; e cada uma dessas se divide em duas classes. As cinco características são: a) referência à realidade, b) quantidade, c) qualidade, d) ...

Ver mais

Cafezinho 457 – Eu não sabia
Cafezinho 457 – Eu não sabia
O jornalista, crítico da mídia e filósofo amador ...

Ver mais

Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Cafezinho 456 – Humildade na liderança
Quando você mistura ignorância com arrogância, pitadas ...

Ver mais

Cafezinho 455 – Para pensar direito
Cafezinho 455 – Para pensar direito
George Orwell escreveu: "Se as idéias corrompem a ...

Ver mais

Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
Cafezinho 454 – A tecnologia mata a paciência
A vida é curta demais pra gente ficar esperando. Mas ...

Ver mais

Não olhe para cima

Não olhe para cima

Luciano Pires -

No filme que acaba de estrear na Netflix, um cometa que vai se chocar com a terra dentro de seis meses e 14 dias é o ponto de partida. Durante mais de duas horas vamos acompanhar o astrônomo e sua assistente tentando provar ao mundo que a ameaça existe e que algo deve ser feito.
A partir daí, temos uma sucessão de estereótipos que montam uma grande piada sobre o ponto ao qual nossa sociedade chegou:

– Os cientistas sérios baseados em fatos, mas ingênuos

– Os cientistas arrogantes, que se rendem aos fatos

– Os políticos e seus puxa-sacos que só pensam em se manter no poder

– Os militares idiotizados

– Os jornalistas empenhados em sinalizar virtude

– O povo, massa de manobra

– O poderoso dono da Big Tech, um louco que é quem realmente detém o poder

O filme é uma vitrine sobre a manipulação, as mentiras, a histeria, a ignorância e a ganância que parecem ser os atributos que regem nossa sociedade.

O cometa está lá, dá pra ver, é só olhar pra cima, mas uma parte quer tirar proveito da catástrofe e, para isso, manipula a verdade. Qualquer semelhança com os grandes temas em discussão na nossa sociedade, não é coincidência.

Infelizmente, esses grandes temas não são tão evidentes quanto um cometa no céu, o que só complica ainda mais a situação. Mas as negociações por poder e dinheiro, essas são bastante reais.
Alguns dados são interessantes: a produção é Hollywoodiana, um dos redatores trabalhou escrevendo discursos para Bernie Sanders, o velho dinossauro da esquerda norte americana, então é possível ver onde as tintas pesam para a direita e para a esquerda, especialmente nas caricaturas dos políticos ou das forças capitalistas que pressionam (mandam) o sistema.

Mas o curioso é que, se você trocar o sinal, funciona igual.

O time de atores é ótimo. Demorei para reconhecer Cate Blanchet, como a jornalista dondoca e superficial interessada em sexo e que junto com o parceiro (Tyles Perry) de apresentação de um programa de variedades/notícias, é avessa à más notícias. Tudo para eles é motivo de piadinhas, de comentários fofos, evidentemente lidos no teleprompter. É o jornalismo transformado em entretenimento e de olho em parecer virtuoso.
Sou suspeito para falar de Leonardo DiCaprio, gosto de tudo que ele faz. Mas adoraria ver Brad Pitt no papel do cientista ingênuo que se submete às artes dos políticos.
Meryl Streep faz uma espécie de clone de Hillary Clinton com Donald Trump. Seu filho é Jonah Hill, que se supera na arte do menino mimado e escroto, provavelmente inspirado nos filhos de algum presidente. E tem a ótima Jennifer Lawrence, que se perdeu nuns filmes aí, mas que está ótima aqui, embora em alguns momentos a narrativa a jogue em situações estranhas. Mas gostei dela, sim. Ron Perlman foi pouco aproveitado como o herói bruto, politicamente incorreto, que seria provavelmente classificado como um fascista, supremacista branco e misógino de extrema direita.
E para coroar, Mark Rylance faz uma mistura de Elon Musk com Steve Jobs, Zuckerberg e Bill Gates que em alguns momentos é assustadora, porque pode ser verdade. Ele manda na presidente dos Estados Unidos, e seu algoritmo é capaz de prever o futuro. A perspectiva de que existam pessoas com o poder que ele tem, é que assusta.

A parte dos efeitos especiais é sensacional. Eu passaria o dia assistindo as decolagens dos foguetes que aparecem ao longo do filme.

O filme tem uma levada de comédia, embora não seja uma comédia escrachada. O mérito está na caricatura que faz de todos os elementos que vemos diariamente nas tevês e mídias sociais, e que conduzem o destino da sociedade. Há um quê de “Rede de Intrigas”, no momento em que Leonardo DiCaprio meio que incorpora Peter Finch na tentativa de acordar a sociedade de seu torpor.

O filme esfrega em nossa cara a hipocrisia da sociedade, a desinformação e a fragilidade de nossos tempos. Traz personagens e situações desconfortáveis, pois sabemos que é assim que acontece. E o filme é divertido porque trata da verdade. A gente ri de nervoso de algumas situações. E o
filme é doído porque trata da verdade. E esfrega na nossa cara o tanto que somos manipulados diariamente por interesses. O que move as pessoas no filme é a luta pelo poder, pela audiência, pelas interações nas mídias sociais (aliás, assista até o final dos créditos, há uma cena impagável que envolve redes sociais).

A pergunta que fica ao final do filme é: será que somos capazes de fazer alguma coisa para salvar a humanidade diante de uma catástrofe que coloque nossa espécie em ameaça? Bem, assim que o filme começou, fiz um exercício de trocar o cometa pelo coronavírus… e fiquei extremamente incomodado com a perspectiva de que temos os meios, a tecnologia, para isso. Mas não temos a grandeza moral para pensar primeiro nas pessoas, depois no poder e no dinheiro.

O filme interpõe a ciência e a verdade ao populismo e oportunismo da classe política. No fim, a ganância, a mesquinharia e a obsessão pelo poder é que definirão nosso futuro. E o filme não alivia sobre nosso destino.

Não olhe para cima é um filme para ser levado a sério. Ele joga na cara da gente uma perspectiva assustadora: a de que o que vemos na tela, é o máximo que conseguimos fazer.

Se for isso, é o fim do mundo.