Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Cafezinho 293 – Democracia da porta pra fora.
Não coloque a distribuição do seu trabalho nas mãos das ...

Ver mais

Natais Legais

Natais Legais

Luciano Pires -

Escrever sobre Natal – no Natal – é uma obrigação. Mas com o tempo a gente meio que esgota o assunto. Apesar disso, em minhas pesquisas encontrei uma frase genial da escritora e humorista estadunidense Erma Bombeck:
– Nada é mais triste neste mundo do que acordar numa manhã de Natal e não ser criança.
Pronto. Bastou para me abrir um turbilhão de lembranças… Engraçado como o melhor Natal de nossas vidas é sempre um daqueles quando éramos crianças, não é? Parece que depois o Natal perde a graça. E acho que perde mesmo. Lembro-me de um em especial. O ano era 1966. Ou 67. Eu acabara de colocar meu primeiro par de óculos. Desde os oito anos eu percebia nas missas de domingo que cada vez ficava mais difícil enxergar a cara do padre. Afinal, lá em Bauru a igreja Santa Terezinha era gigantesca para uma criança que sempre sentava nos bancos lá do meio. Devia ter uns cinqüenta ou sessenta metros até o padre. Reclamei pra minha mãe e lá fui eu pro oculista. Interessante: a maioria das pessoas com quem converso diz que descobriu em sala de aula que precisava usar óculos. Comigo foi na missa… E hoje, quando vejo as fotos da época, fico com vergonha. Minha mãe comprou uma armação horrível, gigantesca. E as lentes eram verdes. Fiquei com uma cara de não sei o quê.
E então chegou o Natal. Meus natais sempre foram especiais, passados em família – e que família – na casa de meus avós maternos. Seu Duarte e Dona Dora recebiam filhos e netos para pelo menos três dias de bagunça. Quando eu tinha dez anos, devíamos ser vinte pessoas. Todos os adultos davam presentes pra todas as crianças. Era uma festa! Mas naquele ano a coisa foi diferente. Só ganhei presentes que crianças detestam: meias, cintos, lenços… Fiquei frustradíssimo. Meus primos com brinquedos, todo mundo feliz e eu emburrado. Findo o jantar, voltamos pra casa. E eu não me conformava. Outro Natal, só dali a um ano. E eu com aqueles presentinhos mequetrefes…
Quando chegamos em casa, meu pai estranhamente pediu que eu fosse na frente para acender a luz do quarto. Não lembro que argumento ele usou, mas fui. Quando abri a porta de meu quarto, todo escuro, senti um cheiro forte de coisa nova. Acendi a luz e lá, bem no meio, havia uma maravilhosa bicicleta. Uma Monareta vermelha e branca, a bicicleta mais linda que já vi na vida. Com um desenho diferenciado, rodas pequenas e aparência mais robusta que as bicicletas tradicionais, a Monareta era o sonho de qualquer garoto. E ali estava a minha. O Natal que se configurava o maior mico transformou-se para mim no melhor Natal de todos os tempos. Quando penso em Natal, me lembro daquele momento.
No dia seguinte acordei mais cedo, agitado. E corri encher o pneu da bicicleta para inaugurar meu presente. Saí da garagem com cuidado, pois eu ainda não me entendia muito bem com bicicletas e fui me equilibrando como pude. Quando cheguei próximo da esquina perdi o equilíbrio e quase fui ao chão. Tive que fazer uma manobra estranha para não cair. Um garoto que vinha passando assistiu a cena e gritou:
– Vai ô quatro-olho!
Naquele momento meu melhor Natal acabou. Fui cuspido de volta para a realidade, para encarar a verdade terrível: eu usava óculos! Era um “quatro-olho”, motivo de piada pelo resto da vida. Não sabia que no futuro as coisas mudariam e usar óculos seria “fashion”. Até quem não precisasse pagaria uma fortuna para ostentar um “Armani” sobre o nariz. Um dia escreverei a respeito.
Agora quero voltar pra minha Monareta. É dela que quero lembrar.
Enquanto isso deixo com você, como presente de Natal, uma outra frase. Esta eu não sei quem escreveu, mas é tão genial quanto a que usei para abrir este texto:


“Uma das coisas legais do Natal é que você pode fazer as pessoas esquecerem o passado com um presente.”


Feliz Natal.