s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 788 – Love, Janis
Café Brasil 788 – Love, Janis
Janis Joplin era uma garota incompreendida, saiu da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Agronegócio, indústria e mudança de mindset
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Agronegócio, indústria e mudança de mindset “Quando adotamos um mindset, ingressamos num novo mundo. Num dos mundos – o das características fixas –, o sucesso consiste em provar que você é ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

Cafezinho 427 – Política e histeria
Cafezinho 427 – Política e histeria
A histeria política é sintoma da perda total do ...

Ver mais

Nem tudo se desfaz

Nem tudo se desfaz

Luciano Pires -
Fui à estreia do documentário do Josias Teófilo, Nem tudo se desfaz.
O filme conta o que se passou entre 2013 e a eleição de Bolsonaro. É instigante ver a história da qual fizemos parte, em retrospecto. Muita coisa passa a fazer sentido, especialmente nas relações de causa e consequência. A explicação sobre a eleição de Bolsonaro é perfeita. Está tudo lá, suas origens, como ele foi a peça exata para se encaixar num momento chave da vida política, como o pensamento de direita foi ganhando força, como a campanha foi sendo expandida, como a leitura do momento foi bem feita pelos estrategistas de Bolsonaro… e o filme não puxa o saco do presidente, apenas mostra o que aconteceu.
Os atores estão lá, de VocêSabeQuem a Dilma, de Steve Bannon a Marcos Feliciano, de auxiliares desconhecidos a jornalistas, e a grande protagonista, a internet, com seus memes incontroláveis.
A sequência da entrevista do candidato Jair Bolsonaro para Willian Bonner e Renata Vasconcellos no Jornal Nacional, faz a plateia se agitar. É aquela piada que todos conhecemos e da qual rimos toda vez que ouvimos.
E o Josias foi muito inteligente quando chamou gente de esquerda para explicar os contextos. De figurão de direita, com participação relevante na narração dos acontecimentos, só tem o Felipe G. Martins, uma participação pequena do Augusto Nunes, do Flávio Morgenstern e de outros com fragmentos da história. E, felizmente, nenhum YouTuber de direita histriônico, nenhum dos medalhões que estamos acostumados a ver como “baluartes”. Nem os aproveitadores tiveram espaço.
A maior parte da narrativa quem faz é João Cezar de Castro Rocha, pensador “independente”, mas que sobe e desce do muro pela esquerda. Aliás, com uma leitura que é muito boa em vários momentos. Outros pensadores de esquerda também estão lá, o que acaba dando ao filme um equilíbrio. Não é um filme bolsonarista, é um documentário que mostra a cegueira da esquerda, sem demoniza-la. Mostra como ela não conseguiu enxergar as mudanças da sociedade, e foi atropelada.
Olavo de Carvalho está lá, arrancando risadas da plateia, com suas explicações e irreverência. Trechos de seu podcast True Outspeak são preciosos e documentam como foi importante seu trabalho para criar as bases para o pensamento liberal e conservador decolar a partir de 2013.
Bolsonaro e os filhos Eduardo e Carlos, evidentemente, também aparecem. Foi curiosa a ausência do Flávio, o que talvez represente a escala de impacto que cada um tem na história do pai. Aliás, o depoimento mais impactante do filme é o de Carlos Bolsonaro, relatando os minutos seguintes à facada, quando socorre seu pai no chão de um boteco e o leva para o hospital. O depoimento foi incluído no último minuto, e deixou a plateia calada e emocionada.
Eu fiquei curioso para ver a reação da plateia a cada personagem apresentado. Dilma causou gargalhadas antes mesmo de abrir a boca. Reinaldo Azevedo é arrasado com um trecho onde, diante de Mariana Godoy, que levanta a possibilidade de Bolsonaro ser eleito, com toda a arrogância característica, afirma que não existe a menor chance desse palhaço ser eleito. Talvez não sejam exatamente essas as palavras, mas é esse o sentido. A plateia cai na gargalhada. Se Reinaldo assistir esse filme, o que provavelmente dirá que não fez, terá um ataque de pelanca, pois é humilhado por suas próprias palavras.
Fiquei curioso para ver as reações aos personagens, até chegar um momento em que a plateia explodiu em aplausos. Aliás, foi o único personagem aplaudido durante os poucos segundos em que aparece, mesmo sem dizer uma só palavra: padre Paulo Ricardo. Sinal de que com elegância, sem arroubos, sem grandes recursos, só com o domínio da palavra e grande embasamento teórico, é possível impactar profundamente as pessoas. A distância do Padre Paulo Ricardo para a direita showbusiness é astronômica. E não precisou falar uma palavra. Só ele foi aplaudido em cena.
Josias acertou muito intercalando imagens reais com trechos do filme Fantasma da Ópera, na versão de 1925. As cenas casam perfeitamente com os contextos. E acertou também ao optar por uma câmera nervosa nas imagens das manifestações de rua. Nos leva para dentro da ação, que ainda está fresca em nossas mentes. Tudo isso constrói uma narrativa que leva a diversas conclusões: é tudo um grande teatro, os vilões são caricatos, o roteiro dos momentos políticos manipula nossas emoções, as consequências de pequenas ações podem ser poderosas, a massa emocionada e insuflada é imprevisível e, finalmente, no calor dos acontecimentos, exceto meia dúzia de “puppet Masters”, ninguém sabe de porra nenhuma. É preciso o distanciamento do tempo para se compreender o que aconteceu.
Vale muito a pena ver a história da qual somos protagonistas, sem o ranço ideológico e narrativa torcida que temos visto nos documentários mais recentes.
Resumo: vale muito assistir, sim. E quem for de esquerda, ficará alucinado. A bunda ficou de fora.