s
Artigos Café Brasil
Nem tudo se desfaz
Nem tudo se desfaz
Vale muito a pena ver a história da qual somos ...

Ver mais

Henrique Viana
Henrique Viana
O convidado para o LíderCast desta vez é Henrique ...

Ver mais

Deduzir ou induzir
Deduzir ou induzir
Veja a quantidade de gente que induz coisas, ...

Ver mais

Origem da Covid – seguindo as pistas
Origem da Covid – seguindo as pistas
Tradução automática feita pelo Google, de artigo de ...

Ver mais

Café Brasil 792 – Solte o belo!
Café Brasil 792 – Solte o belo!
A beleza existe? Ou é só coisa da nossa cabeça? E se ...

Ver mais

Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Café Brasil 791 – Tempo Perdido
Você certamente já ouviu falar do Complexo de ...

Ver mais

Café Brasil 790 – Don´t be evil
Café Brasil 790 – Don´t be evil
Existe uma preocupação crescente sobre o nível de ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Café Brasil 789 – LíderCast Osvaldo Pimentel – Monetizze
Hoje bato um papo com Osvaldo Pimentel, CEO da ...

Ver mais

Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Café Brasil 785 – LíderCast Leandro Bueno
Sabe quem ajuda este programa chegar até você? É a ...

Ver mais

Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Café Brasil 775 – LíderCast Henrique Viana – Brasil Paralelo
Um papo muito interessante com Henrique Viana, um jovem ...

Ver mais

Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Café Brasil 771 – LíderCast Aurelio Alfieri
Aurélio Alfieri é um educador físico e youtuber, ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Regras de Definição (parte 5)
Alexandre Gomes
  Para cumprir a função de DEFINIÇÃO, esta deve atender alguns requisitos. Do contrário, será apenas enrolação ou retórica vazia. Os requisitos são: 1. CONVERSÍVEL em relação ao sujeito, à ...

Ver mais

O Brasil e o Dia do Professor
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O Brasil e o Dia do Professor Aulinha de dois mil réis Apesar das frequentes notícias que vêm a público, dando conta do elevado grau de corrupção existente em nosso país, e da terrível ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Definição dos Termos (parte 4)
Alexandre Gomes
  Uma definição torna explícita a INTENSÃO* ou significado de um termo, a essência que este termo representa.   *  você deve ter estranhado a palavra INTENSÃO, imaginando que seria ...

Ver mais

Enquanto isso
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
Em setembro do ano passado o STF julgou um processo muito interessante, sobre a propriedade do Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. Foi decidido que o palácio pertence ...

Ver mais

Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Cafezinho 431 – Sobre Egosidade
Descobri o que acontece com aquela gente enfática, que ...

Ver mais

Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Cafezinho 430 – A desigualdade nossa de cada dia
Gritaria ideológica em rede social, sustentada em ...

Ver mais

Cafezinho 429 – Minha tribo
Cafezinho 429 – Minha tribo
E no limite, a violência, o xingar, o ofender, o ...

Ver mais

Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
Cafezinho 428 – A cultura da reclamação
O ser humano, naturalmente, só confia em membros de sua ...

Ver mais

No outono da vida

No outono da vida

Luciano Pires -

Enquanto escrevo estas linhas, no dia 23 de julho, recebo a notícia que Ariano Suassuna faleceu, compondo um quadro triste de perdas: dia 18 foi João Ubaldo Ribeiro e dia 19, Rubem Alves. Grandes nomes da cultura brasileira estão desaparecendo e parece que a velocidade das perdas tem aumentado. Será só impressão?

Vamos ver.

Puxando rapidamente pela memória, João Ubaldo se foi aos 73, Rubem Alves aos 80. Pouco antes perdemos Millôr Fernandes com 89, Max Nunes com 92 e Chico Anysio com 81. Com essas idades, é natural que essas pessoas estejam morrendo, mas ao mesmo tempo é preocupante.

Farei então uma reflexão estatística com base em dados que encontrei em fontes diversas, sem nenhuma preocupação científica. Estou interessado apenas no exercício da especulação criativa.

Alguns estudos indicam que 54% dos mortos no Brasil têm 60 anos de idade ou mais, todos naquele período da existência que costumávamos chamar de “outono da vida”. Existe um site que calcula por meio de estimativas estatísticas quantas pessoas morrem em média por dia ( http://bit.ly/VuJuKG ). Com base nele é possível estimar que tenhamos 1.308.547 mortes por ano no Brasil. Aplicando aquele índice de 54% chegamos à cifra anual de 706 mil mortos com mais de 60 anos.

Vivem no Brasil 25 milhões de pessoas nessa faixa de idade. Se 706 mil morrem por ano, temos um índice 2,8% de mortes. Esse índice para quem tem entre 20 e 59 anos de idade é de cerca de 0,4%. Ou seja: se você já passou dos 60 anos de idade, tem sete vezes mais probabilidade de morrer que seu filho de 30.

Óbvio, não é? Mas duvido que você já tivesse feito esses cálculos. Mais uma vez: isso é apenas uma especulação sem valor científico, mas que aposto não estar muito longe da verdade.

Muito bem. Provado matematicamente que qualquer pessoa que passe dos 60 anos de idade aumenta consideravelmente a chance de morrer, se prepare. Vou relacionar aqui umas pessoas de vários setores distintos da sociedade que já entraram na faixa de risco:

Caetano Veloso 72, Gilberto Gil 72, Roberto Carlos 73, Chico Buarque 70, Rita Lee 67, Silvio Santos 84, Jô Soares 76, Cauby Peixoto 80, Ferreira Gullar 84, Fernando Gabeira 73, Antonio Abujamra 83, Bibi Ferreira 92, Luís Fernando Veríssimo 76, Paulo Coelho 67, Ziraldo 82, Mauricio de Souza 79, Alberto Dines 82, Arnaldo Jabor 74, Marilia Gabriela 66, Abilio Diniz 78, Edir Macedo 69, Paulo Maluf 83, Fernando Henrique Cardoso 83, Lula 69, José Sarney 84, Fernando Collor de Mello 65, Dilma Roussef 67, José Dirceu 68… e por aí vai.

Para que nenhum pocotó entenda que estou desejando a morte das pessoas que listei acima, por mais tentador que possa ser em alguns casos, peço que leia de novo o texto. Se não entender, peça para alguém explicar.

Conclusão: os próximos anos estarão repletos de perdas impactantes, o que é absolutamente natural.

O que preocupa é a reposição.

Luciano Pires